‘35º aniversário de Tiananmen’: Quando os EUA apontam para questões de direitos humanos, a China diz: ‘Não interfira nos assuntos internos’

As autoridades chinesas opuseram-se fortemente às observações do secretário de Estado dos EUA, Tony Blinken, sobre questões de direitos humanos na China, no 35º aniversário dos protestos pró-democracia de Tiananmen, descrevendo-as como “interferência nos assuntos internos”.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Maoning, disse em uma coletiva de imprensa regular: “As ações dos Estados Unidos representam uma séria interferência nos assuntos internos da China, um ataque malicioso às instituições chinesas e uma distorção da imagem da China”, acrescentando que “a China expressa sua forte insatisfação e determinação firme.” “Oponha-se a isso.”

“Gostaria de sublinhar que o governo chinês chegou cedo a uma conclusão clara sobre a turbulência política que ocorreu no final da década de 1980”, disse o porta-voz Maoning, acrescentando que “o caminho do socialismo com características chinesas está em conformidade com a realidade da China e reflecte a vontade da China”. ” Ele enfatizou que a China “satisfaz as necessidades de desenvolvimento da época e conquistou o apoio sincero de todo o povo chinês e o amplo reconhecimento da comunidade internacional”.

“Continuaremos a trilhar este caminho de forma constante e a promover o grande rejuvenescimento da nação chinesa através da modernização ao estilo chinês”, acrescentou, sublinhando que “nenhuma pessoa ou força pode impedir os passos avançados do povo chinês”.

“Pedimos aos Estados Unidos que corrijam imediatamente os seus erros, respeitem fortemente a soberania e o caminho de desenvolvimento da China, respeitem o regime chinês e cumpram a promessa do líder dos EUA de não procurar mudanças no regime chinês”, disse o porta-voz Mauning. Ele acrescentou: “Parem o confronto ideológico e parem de interferir nos assuntos internos da China sob o pretexto dos direitos humanos”.

O secretário de Estado dos EUA, Tony Blinken, disse em comunicado no dia 4: “Hoje, no 35º aniversário do massacre da Praça Tiananmen, lembramos as dezenas de milhares de manifestantes pacíficos chineses pró-democracia que defenderam a liberdade, os direitos humanos e a democracia. “Continuaremos a falar e a trabalhar com a comunidade internacional para exigir que a China seja responsabilizada pelas violações dos direitos humanos dentro e fora da China”, disse ele.

READ  Biden e Trump realizam um comício de campanha na Geórgia, um estado decisivo no sul dos Estados Unidos, no mesmo dia

“Honramos também as muitas vozes atualmente silenciosas em Xinjiang, no Tibete, em Hong Kong e em toda a China. Também homenageamos os bravos manifestantes em Tiananmen que exigem que a China reconheça e respeite os direitos humanos e as liberdades fundamentais estabelecidos na Declaração Universal.” ele disse. Ele acrescentou: “Repito minhas exigências”.

Entretanto, em Hong Kong, no dia 4, vários diplomatas ocidentais assinalaram o 35º aniversário da Praça Tiananmen visitando o Victoria Park, onde foi realizada uma vigília em homenagem às vítimas dos protestos pela democracia no passado em Tiananmen.

No Victoria Park uma vigília à luz de velas com a participação de dezenas de milhares de pessoas foi realizada todos os anos na noite de 4 de junho de 1990 a 2020 um ano após os protestos na Praça Tiananmen mas o governo chinês promulgou a Lei de Segurança Nacional para Hong Kong e proibiu o memorial. Desde o ano passado, grupos pró-Pequim têm realizado protestos para evitar aglomerações, e o direito de uso do Victoria Park é reservado.

Entretanto, o Vice-Representante do Escritório da União Europeia em Hong Kong e o Cônsul Geral da Alemanha e dos Países Baixos caminharam pelo Victoria Park às 19h30, altura em que no passado foram realizadas vigílias à luz de velas, e foram imediatamente cercados pela polícia. .

Separadamente, diplomatas dos Consulados Gerais da França e da Bélgica em Hong Kong também visitaram o Victoria Park, e o Cônsul Geral do Japão publicou uma foto sua passeando pelo Victoria Park nas redes sociais.

Além disso, o Consulado Geral Britânico publicou na sua conta oficial nas redes sociais um vídeo da primeira página do Diário do Povo, porta-voz do Partido Comunista Chinês, desaparecendo lentamente em 4 de junho de 1989, juntamente com a mensagem: “Protestos pacíficos que ocorreu em… Tiananmen e seus arredores há 35 anos, que terminou em tragédia e alguns estão tentando apagar isso da história e da memória, escreveu “Hoje nos lembramos”.

READ  “Existem dezenas de bilhões de microplásticos em um copo de água mineral que uma criança bebe” - The Herald Economy

Em resposta, as autoridades chinesas alertaram que “certos direitos e liberdades podem ser restringidos por lei no interesse da segurança nacional, da segurança pública e da ordem”, e criticaram isto como uma “provocação” e um “mau teatro político” por parte dos diplomatas ocidentais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *