As ‘meninas gol’ do Brasil sofrem ridículo e humilhação

A exigência do futebol feminino por igualdade de salários e prêmios em dinheiro continuou. Na Copa do Mundo Feminina do ano passado, houve polêmica sobre a disparidade nas premiações em dinheiro em comparação com a Copa do Mundo Masculina. Embora a FIFA tenha aumentado significativamente o prêmio total em dinheiro para US$ 110 milhões, mais de três vezes o torneio anterior, foi considerado menos do que os US$ 440 milhões da Copa do Mundo Masculina. É natural que o mundo do futebol feminino esteja mais uma vez no centro da controvérsia, insistindo ironicamente em “salário igual para trabalho igual”, apesar de mostrar uma lacuna significativa em termos de talento e comercialização.

Não é preciso ir muito longe para ver que alguns fãs de futebol zombam de tais afirmações. Um vídeo de um grupo de jogadoras profissionais de futebol apaixonadas por estudantes do ensino médio se tornou uma sensação online. Postagens desse tipo, de constante circulação, difundem a ideia de que o valor do esporte feminino reside apenas no seu talento superior. Mas é correto reconhecer que o melhor é o maior?

▲ Artilheiras femininas do Brasil Corte mais ⓒJIFF

Festival de Cinema de Jeonju aborda direitos das mulheres e esportes

O 25º Festival Internacional de Cinema de Jeonju concentrou-se mais do que nunca nas questões femininas. Considerando que o mundo da arte tem priorizado obras com temática feminista nos últimos dez anos, este ano a tendência é mais acentuada. Foram três trabalhos com a temática do futebol feminino e, à medida que os horizontes do esporte feminino se ampliavam, muitos outros trabalhos foram convidados e encontraram o público. Considerando que é difícil encontrar filmes sobre esportes masculinos, é justo dizer que esta é uma tendência claramente perceptível.

, convidado para a categoria Cinema Mundial, é outro desses trabalhos. O cinema mundial quebra a tendência de consumo de obras limitadas a alguns países como os EUA e a Coreia e apresenta uma variedade de obras produzidas em todo o mundo. Dentre estes, o filme apresentado como obra brasileira é um documentário de Adriana Yanez.

Em busca das pioneiras do polêmico futebol feminino, especialmente do futebol feminino brasileiro, nos últimos anos, a diretora finalmente consegue captar uma história sobre esporte e antifeminismo, além de amizade e esperança.


Há uma razão especial pela qual o futebol feminino é frequentemente associado ao feminismo. Isso ocorre porque o futebol, mais do que qualquer outro esporte, tem um histórico de proibição das mulheres. A primeira Copa do Mundo Feminina foi realizada em 1971. O futebol, que primeiro se tornou popular em ambientes de trabalho coletivo, como as fábricas, tornou-se naturalmente popular entre as mulheres depois que as mulheres começaram a entrar nas fábricas no início do século XX. Na década de 1920, o futebol feminino era tão popular que se falava até em formar um time profissional em seu país natal, a Inglaterra.

 

READ  'Eu sou o diretor, me inclua'... Brasil Polêmica sobre falecimento do técnico na disputa de pênaltis 'até surgem rumores de impropriedade': Nate Sports

Mais cortes nas mulheres artilheiras do Brasil

▲ Artilheiras femininas do Brasil Corte mais ⓒJIFF

Um passado triste onde a participação das mulheres era proibida por lei.

No entanto, em 1921, a Associação Britânica de Futebol proibiu o futebol feminino. A razão foi que muitas exigências surgiram dos membros da associação, ou seja, a proibição dos clubes de futebol masculino. A proibição do futebol feminino se espalhou da Inglaterra para países estrangeiros, como Alemanha e Brasil, devido à decisão estrita de que o futebol estava lentamente se tornando um esporte popular apenas para homens. O futebol feminino está proibido há muito tempo.

O Brasil, a nação do futebol, proibiu o futebol feminino em 1941. O motivo da proibição foi o “movimento violento que estraga a maternidade”. É verdade que o clima do futebol profissional no Brasil da época era consideravelmente mais duro e violento do que na Europa. Porém, além de não ser considerada a essência do futebol, também não está confirmado se é prejudicial à maternidade. Claro, não há pesquisas relevantes. No entanto, a lei foi promulgada e implementada.

Sem levar em conta que antes disso existiam pelo menos 15 times de futebol feminino. O futebol foi proibido para as mulheres, e as mulheres que quisessem praticar o que se tornou um esporte nacional só podiam chutar a bola como amadoras em becos e caixas de areia. Somente em 1988, doze anos depois de a Europa ter reconhecido o futebol feminino, é que o Brasil criou uma seleção feminina. Três anos depois, em 1991, a FIFA sancionou oficialmente a primeira Copa do Mundo Feminina.

Portanto, foi natural que Adriana Yanez, apaixonada pelos direitos das mulheres, visitasse pessoalmente as jogadoras da seleção nacional e colocasse a câmera nelas. O pano de fundo de seu nascimento é o seguinte.

 

READ  Primeira importação de milho da África do Sul pela China... alguns pedidos dos EUA cancelados

Mais cortes nas mulheres artilheiras do Brasil

▲ Artilheiras femininas do Brasil Corte mais ⓒJIFF

Os ex-membros da seleção nacional se conheceram na casa dos 60 anos

Agora na casa dos 60 anos, o seu presente é verdadeiramente diversificado. Tem gente que mal mora em favelas e tem gente que mora na classe média. Nenhuma destas pessoas tem carreiras profissionais relacionadas com o futebol, ou seja, futebol profissional ou administradores de associações.

No entanto, eles se uniram e desejaram felicidades à seleção nacional. Já nos encontramos e encorajamos uns aos outros há décadas. Uma paixão e compreensão que vai além da amizade comum, traz lágrimas aos meus olhos, como se a opressão realmente os aquecesse.


Um por um, eles relembram os tempos em que o futebol feminino era permitido. Ridículos, insultos, apoio da pior associação, histórias de superação e atuação na Copa do Mundo de 1991 na China são intercalados com lembranças. Histórias de jovens na casa dos vinte anos que percorreram distâncias e lutaram pelo seu país são lembradas vividamente durante décadas. Cada dificuldade os ajuda a se unirem como uma equipe.


Assim, eles estarão juntos em 2023 e torcerão enquanto o Brasil derrota o adversário e avança. Quando o Brasil venceu a primeira partida contra a Sérvia graças a dois gols de Richarlison, eles se reuniram no telhado de um prédio para comer e beber. Após a partida, ele grita: “Vou esmagar todos vocês, seja na Coreia ou no Japão”. Essa paixão não é muito diferente de quando ele disputou sua primeira Copa do Mundo, há 30 anos.

 

Pôster do Festival Internacional de Cinema de Jeonju

▲ Festival Internacional de Cinema de Jeonju Poster ⓒJIFF

Iluminação seletiva e ignorância dos fatos… é hora de superar isso.

Claro, há muitas coisas que são decepcionantes. Um exemplo representativo é que os documentários perderam a neutralidade e apresentam uma abordagem sutilmente tendenciosa, que não deveria ser exibida. Isto é particularmente evidente quando se culpa a associação conservadora e os líderes masculinos por me terem excluído da seleção para a próxima seleção para o Mundial.

READ  A Argentina venceu a Holanda e avançou para as quartas de final, enquanto o Brasil perdeu para a Croácia.

Os personagens da peça insistem que os jogadores que expressaram a gestão da federação foram afastados da seleção nacional, e os jogadores que expressaram ao técnico sua experiência negativa na Copa do Mundo não foram convidados a voltar. Mas isso realmente aconteceu?


O filme não mostra muito deles na Copa do Mundo. Na América do Sul, avançaram para a final com resultados impressionantes, mas venceram por pouco o Japão, considerado o time mais fraco da final, e foram eliminados em partidas disputadas contra Estados Unidos e Suécia. Um gol contra o Japão foi o único gol, e sete gols foram marcados em dois jogos. Foi uma partida impotente e um resultado desastroso que não agradou à fortaleza do Brasil.


Marilja, apelidado de ‘Pequeno Pelé’ como abridor, admitiu ter usado cocaína secretamente durante a partida, mas continuou se desculpando, dizendo que era uma ocorrência comum. Sem qualquer reflexão sobre isso, alegam que a seleção nacional foi expulsa do torneio seguinte porque o treinador era do sexo masculino.

O filme mantém uma visão favorável dele e não contém contra-argumentos. Ao longo do filme, as opiniões do sindicato, dos líderes masculinos e dos jornalistas não são incluídas. É natural ignorar notas ruins. É lamentável que mais uma vez nos deparemos com este tipo de preconceito que muitas vezes comete tais erros em documentários, especialmente em filmes feministas.

No entanto, tem implicações significativas em relação à ironia frequentemente enfrentada na promoção dos direitos humanos no desporto feminino. Houve um longo período em que o futebol feminino não foi reconhecido pela Inglaterra, Alemanha, Brasil ou mesmo pela FIFA, que apelava à solidariedade humana através do desporto. Houve até casos em que os jogos foram proibidos por lei sob o argumento de que denegriam a feminilidade. Quão patéticas e desprezíveis foram as decisões tomadas pelos homens daquela época. Os responsáveis ​​não deveriam se apresentar e pedir desculpas?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *