Porque culpam ou evitam pessoas e grupos devido ao COVID-19 (Estigmatização)?

As pessoas podem estar preocupadas com amigos e familiares que vivem ou visitam áreas afetadas pelo COVID-19. O medo e a ansiedade podem levar ao estigma social, por exemplo, em relação a chineses ou outros asiáticos, ou a pessoas em quarentena.

O estigma refere-se à discriminação em relação a um grupo de pessoas, um lugar ou uma nação. Este está associado à falta de conhecimento sobre o modo de transmissão da COVID-19, à necessidade de atribuir culpa, ao medo da doença e da possível morte e aos boatos e mitos disseminados.

O estigma provoca sofrimento, aumentando o medo ou a raiva em relação a pessoas comuns, em vez de haver um foco na doença que está a causar o problema.

Como é que as pessoas podem ajudar a acabar com o estigma relacionado com o COVID-19?

As pessoas podem combater o estigma e ajudar outras pessoas, fornecendo-lhes suporte social. O combate ao estigma pode ser feito através da aprendizagem e da partilha de factos sobre o COVID-19.

Deve comunicar-se o facto de que os vírus não têm como alvos grupos raciais ou étnicos específicos, bem como o modo de transmissão do COVID-19.

Devo viajar?

A Organização Mundial da Saúde não recomenda restrições de viagens, comércio ou produtos, de momento e com base no conhecimento atual. No entanto, existem áreas do globo com transmissão Comunitária ativa em que o risco de contágio é elevado.

A Direção-Geral da Saúde encontra-se a acompanhar o desenvolvimento da situação em Itália e informa que, à data, o número de casos no país levou à implementação, nesse país, de medidas de contenção, como encerramento de escolas, serviços públicos e proibição de todos os eventos com aglomeração de pessoas.

Acompanhe a informação disponibilizada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros:

• https://www.portaldascomunidades.mne.pt/pt/conselhos-aos-viajantes/i/italia
• https://www.portaldascomunidades.mne.pt/pt/conselhos-aos-viajantes/m/malta
• https://www.portaldascomunidades.mne.pt/pt/alertas/coronavirus-covid-20

A Direção-Geral da Saúde encontra-se a acompanhar o desenvolvimento da situação em Itália e informa que, à data, o número de casos, em Itália, levou à implementação de medidas de contenção, como por exemplo: encerramento de escolas, serviços públicos e proibição de todos os eventos com aglomeração de pessoas.

• Lavar frequentemente as mãos, com água e sabão, esfregando-as bem durante pelo menos 20 segundos;
• Reforçar a lavagem das mãos antes e após a preparação de alimentos, antes das refeições, após o uso da casa de banho e sempre que as mãos estejam sujas;
• Usar, em alternativa, para higiene das mãos, uma solução à base de álcool;
• Usar lenços de papel (de utilização única) para se assoar, espirrar ou tossir, deve de seguida deitar os lenços num caixote do lixo e lavar as mãos;
• Tossir ou espirrar para o braço com o cotovelo fletido, e nunca para as mãos;
• Evitar tocar nos olhos, no nariz e na boca com as mãos sujas ou contaminadas com secreções respiratórias.

As pessoas regressadas de uma área afetada devem estar atentas ao surgimento de febre, tosse e eventual dificuldade respiratória. Se surgirem estes sintomas, não se devem deslocar aos serviços de saúde, mas ligar para o SNS24 – 808 24 24 24, e seguir as orientações que lhes forem dadas.

Os viajantes devem estar especialmente atentos às áreas com transmissão comunitária ativa, devendo seguir atentamente as recomendações publicadas pela Direção-Geral da Saúde e pelas autoridades de saúde dos países de destino.

Fonte: DGS