A empresa brasileira que venceu a Lockheed Martin na escolha surpresa do próximo avião de transporte militar

Embraer brasileira ‘C-390’. /mensagem

O Lockheed Martin C-130J dos EUA, anteriormente operado pelos militares coreanos, foi descontinuado, e o C-390 da Embraer do Brasil foi surpreendentemente escolhido como o segundo modelo de projeto para aeronaves de transporte de grande porte usadas para aviação militar e missões de resgate de emergência no exterior. . Não há precedentes para armas de fabricação brasileira em nossas forças armadas. A cooperação técnica entre a Embraer e o Consórcio Coreano de Empresas de Defesa e Fornecimento de Componentes é o principal motivo desta seleção, disse a análise.

O Embraer C-390 do Brasil foi selecionado como modelo para o segundo grande programa de aeronaves de transporte, anunciou a Administração do Programa de Aquisição de Defesa na tarde do dia 4 no 157º Comitê de Desenvolvimento do Programa de Aquisição de Defesa, realizado no Edifício do Ministério da Defesa Nacional de Yongsan. Anteriormente, no primeiro projeto de transporte em grande escala, o Lockheed Martin C-130J foi selecionado e de 1 a 4 unidades foram entregues em 2014. O C-130J chamou a atenção em abril passado pelo seu uso ativo durante a evacuação de coreanos que viviam no Sudão devido à guerra civil.

O C-130J foi retirado do segundo programa e perdeu os direitos comerciais para o C-390 brasileiro. É considerado incomum ter modelos diferentes no primeiro e no segundo planos.

Em 28 de Abril, um avião de transporte C-130J da Força Aérea utilizado na Operação “Promise” para garantir o regresso seguro de civis retidos no Sudão aterrou e entrou no parque de estacionamento da Base de Gimhae. A tripulação da missão C-130J completou com sucesso a sua missão, transportando com segurança os nossos cidadãos do Porto Sudão para o Aeroporto de Jeddah, na Arábia Saudita. /Força do ar

Após uma avaliação completa e abrangente, a DAPA anunciou que o C-390 foi selecionado com a pontuação mais alta. Diz-se que o C-130J americano está um pouco à frente em termos de desempenho. No entanto, diz-se que a Embraer tem uma pontuação elevada em termos de desempenho, custo e comercialização, particularmente em cooperação com organizações e consórcios de segurança interna. Há também previsões de que as empresas de segurança interna utilizarão a colaboração com a Embry como um trampolim para desenvolver aeronaves de transporte e exportá-las no futuro.

READ  Brasil 'conquista primeiro lugar', 16º na 26ª Copa do Mundo: CookJ Daily

De acordo com a Administração do Programa de Aquisição de Defesa, três empresas nacionais participaram neste consórcio Embraer, e o valor do bloco envolvendo empresas nacionais de defesa, incluindo a fabricação de componentes, é estimado em 135 milhões de dólares. Apenas uma empresa de defesa nacional participou do consórcio Lockheed Martin, e o bloco da empresa nacional foi avaliado em US$ 129 milhões, valor inferior ao do consórcio Embraer.

Um funcionário da DAPA explicou: “Esta é a primeira vez que tentamos o sistema de consórcio. Foi muito difícil para as empresas de defesa coreanas entrarem na cadeia de abastecimento de grandes empresas globais, mas este consórcio tornou possível a fabricação de peças”.

O C-390 da Embraer é usado ou planejado para ser usado como aeronave de transporte em sete países, incluindo Brasil, Áustria, Portugal, Hungria e Holanda.

Jato de combate F-35A desenvolvido pela Lockheed Martin dos EUA. /Sosan Ilbo DB

Neste dia, o Comitê de Segurança de Defesa decidiu que a aeronave stealth F-35A fabricada pela Lockheed Martin seria o segundo protótipo do próximo caça a jato (FX). O próximo plano de guerra é a compra de caças estrangeiros stealth de alto desempenho, a principal força na “cadeia de destruição” do sistema de três eixos coreano. O sistema coreano de 3 eixos adiciona o Sistema Coreano de Defesa de Mísseis (KAMT) e Punição e Retaliação em Massa (KMPR) à cadeia de destruição, que pode detectar sinais de lançamento de um míssil inimigo antecipadamente e eliminá-los antes do lançamento. Anteriormente, 40 F-35As foram introduzidos na primeira fase do programa Next Generation Fighter e implantados em janeiro do ano passado. 20 F-35As adicionais serão introduzidos como parte do segundo plano, e a duração do projeto é até 2028.

A DAPA disse: “Ao garantir caças stealth adicionais de alto desempenho, aumentaremos nossa capacidade de dissuadir e responder de forma independente a ameaças assimétricas contra a Coreia do Norte, como armas nucleares e mísseis, e contribuiremos para melhorar as taxas de utilização de aeronaves. Reduz os custos operacionais e de manutenção através do desenvolvimento de capacidades de manutenção de depósitos nacionais, incluindo capacidades de pintura em grande escala. “É de se esperar”, disse ele.

READ  A lenta transição do Brasil para veículos elétricos... uma oportunidade para fabricantes de peças coreanos

Neste dia, o Comité de Segurança da Defesa também deliberou e decidiu sobre o 4º plano de produção em massa do veículo de combate de infantaria K21 e o 2º plano de produção em massa dos pequenos helicópteros armados. O veículo de combate de infantaria K21 substitui o veículo blindado K200A1 existente. O programa de produção em massa de helicópteros para armas leves visa produzir helicópteros armados leves (LAH) para substituir os helicópteros militares existentes ‘500MT’ e ‘AH-1S’.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *