A inflação global vista pelo indicador de inflação… Já atingiu seu pico?

Inflação nos EUA desacelera, preços globais do petróleo se estabilizam

Emergência energética Europa sofre com inflação

Há especulações de que os preços em países ao redor do mundo atingiram seu pico. Isso porque há muitos sinais que podem ser interpretados como o início de uma desaceleração da inflação global, como a desaceleração da inflação nos Estados Unidos e na China e a estabilização dos preços globais das commodities. No entanto, nos principais países europeus, é muito cedo para ver uma desaceleração nos aumentos de preços globais, com a inflação se intensificando devido à crise energética da Rússia.


Agência de notícias Yonhap

Observações recentes sobre a redução da inflação global baseiam-se principalmente na situação nos Estados Unidos. Isso porque os indicadores norte-americanos relacionados à inflação, que levaram à alta dos preços mundiais, estão mostrando sinais de melhora. O Índice de Preços ao Consumidor dos EUA (CPI), divulgado no dia 10 (horário local), subiu 8,5% em relação ao mesmo mês do ano passado. O aumento foi inferior ao do mês anterior (9,1%), o maior desde novembro de 1981, e não correspondeu às expectativas do mercado (8,7%). Em relação ao mês anterior, a taxa de inflação foi de 0%.




Além disso, o Índice de Preços ao Produtor (PPI) dos EUA caiu 0,5% em julho em relação ao mês anterior, o primeiro recorde negativo desde abril de 2020. Isso contrasta com a aparente tendência de alta até o mês anterior. As análises indicam que o preço da energia nos Estados Unidos caiu 4,6% em julho em relação ao mês anterior, e que o preço médio da gasolina, que já se aproximava de US$ 5 o galão em junho, caiu para menos de US$ 4 o galão, graças à estabilidade preços de energia. Embora os EUA ainda tenham a pior inflação em mais de 40 anos, alguns esperam que o Fed ajuste sua alta de juros no próximo mês, já que a inflação diminuiu um pouco.

Na China, segunda maior economia do mundo, os preços ao produtor subiram apenas 4,2% em julho em relação ao mesmo mês do ano passado, registrando a menor taxa de aumento em 17 meses. O IPC da China subiu 2,7% em julho, o nível mais alto em dois anos. Ficou abaixo das expectativas do mercado (2,9%). Em comparação com os principais países europeus e os Estados Unidos, onde a inflação dos preços ao consumidor está na faixa de 8-9%, a China está indo bem.

Os preços de matérias-primas, como o petróleo bruto, que subiram após a invasão russa da Ucrânia, estão mostrando uma tendência de retorno ao nível pré-guerra. O preço global do petróleo já ultrapassou US$ 130 o barril em março, mas se estabeleceu em cerca de US$ 90 o barril este mês. Os preços de cobre, minério de ferro, níquel e alumínio também caíram cerca de 10%. Os preços dos alimentos também estão caindo com a retomada das exportações de grãos da Ucrânia. O índice global de preços de alimentos compilado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) caiu 8,6% em julho em relação ao mês anterior, a maior queda desde outubro de 2008.

No entanto, os preços continuaram a subir na Europa, à medida que as pressões inflacionárias se somaram à crise energética. Na zona do euro, a inflação de preços ao consumidor subiu 8,9% em julho, o nível mais alto desde 1997, quando os dados começaram a ser contabilizados. No Reino Unido, a inflação não ultrapassou 9% de abril a junho, e a possibilidade de recessão é crescente. Na Alemanha, a inflação dos preços ao consumidor subiu para 7,5% em julho, ligeiramente abaixo do mês anterior (7,6%), mas as preocupações com a inflação das famílias estão crescendo.

READ  [경제]Caminhoneiros suspiram devido ao alto preço do diesel.. "Escolhi apenas os lugares mais próximos"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.