A Rússia se retira do ponto estratégico estratégico Kherson … O ataque ucraniano foi bem-sucedido?


As terras ocupadas pela Rússia em torno de Kherson e as terras recuperadas na Ucrânia. Fonte: Instituto de Guerra (ISW)

A Rússia anunciou sua retirada da cidade de Kherson, no sul, que havia sido ocupada no início da guerra ucraniana, e construiu novas defesas. É interpretado como consequência do enfraquecimento da força na última onda da ofensiva ucraniana.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, ordenou que o exército se retirasse de Kherson no dia 9 (horário local) e construísse uma linha de defesa no lado leste do rio Dnipro, informou a Reuters. “Não há mais nenhuma atividade de abastecimento na cidade de Kherson”, disse Sergei Sorovikin, comandante em chefe das forças combinadas do exército russo na Ucrânia, em um comentário televisionado.

A retirada das forças russas de Kherson é um importante ponto de virada nesta guerra. Kherson é um ponto estratégico estratégico que liga a Península de Kerem, que a Rússia anexou à força em 2014, e a região de Donbas, local de encontro de rebeldes pró-Rússia na parte oriental. Menos de um mês após a invasão da Ucrânia, Kherson foi ocupada pela Rússia. No dia 5 do mês passado, Kherson, juntamente com Donetsk, Luhansk e Zaporizhia, foram finalmente anexados às suas terras.

A Rússia anunciou a retirada de Kherson dois meses depois que a Ucrânia iniciou suas operações para retomar os territórios ocupados pela Rússia. Os militares da Ucrânia disseram no mês passado que recapturaram cerca de 500 quilômetros quadrados de território ocupado pela Rússia. Na frente leste da Ucrânia, o exército russo está lutando para ceder áreas ocupadas como Kharkiv e Lyman ao exército ucraniano, uma por uma. Como resultado da ofensiva maciça do exército ucraniano, o governo pró-Rússia ordenou que os moradores evacuassem Kherson no dia 19 do mês passado.

READ  Um porta-aviões americano e japonês sobrevoando... O Japão foi humilhado por drones chineses

Foi analisado que o intenso ataque do exército ucraniano às pontes ao redor do rio Dnipro e à linha logística russa teve efeito. Em outubro, uma explosão presumivelmente realizada pelo exército ucraniano cortou até a Ponte Krum, que liga a Península de Krum à Rússia. O Ministério da Defesa britânico estimou que um processo natural não seria possível até setembro do próximo ano, no mínimo.

O Pentágono estima que a Rússia tenha perdido cerca de metade de seus tanques principais em combate até agora. Pelo menos 1.450 tanques, incluindo o moderno T-90, foram destruídos ou caíram nas mãos das forças ucranianas, segundo o grupo holandês de pesquisa de guerra Oryx. Devido à falta de tanques, a Rússia está concentrando até o T-62, o principal tanque da antiga União Soviética, no campo de batalha. “Mais de 80% das forças russas estão presas na Ucrânia devido à perda de seus tanques principais”, disse Colin Carle, subsecretário de assuntos políticos do Departamento de Defesa dos EUA, no dia 8.

Há também a expectativa de que será difícil para o exército russo restaurar sua força de combate como era no início da guerra, já que a perda de tropas será significativa. O Pentágono estima que o número de soldados mortos ou feridos na Ucrânia nos últimos oito meses é maior do que em uma década de guerra no Afeganistão. O Pentágono não forneceu informações adicionais desde que disse em agosto que o número de baixas russas era de 80.000. Desde então, espera-se que o número de baixas aumente drasticamente, já que as forças ucranianas lançaram uma operação de restauração em larga escala nas frentes nordeste e sul.

READ  [World Now] Um ano de Afeganistão... lágrimas e sorrisos Colaborador Especial

Se a Rússia devolver Kherson à Ucrânia, espera-se que o pacto vire acentuadamente para a Ucrânia. Isso ocorre porque o abastecimento de água potável, bem como o abastecimento através da região leste de Donbass, onde os rebeldes pró-Rússia estão detidos, pode se tornar difícil. Anteriormente, a Ucrânia construiu uma barragem em Kherson para isolar a Península de Khurram antes de ser anexada à Rússia em 2014, bloqueando o Canal de Khurram do Norte. Esta ação reduziu em 85% a entrada de água doce na Península do Cromo.

A Ucrânia e o Ocidente responderam com cautela ao anúncio da retirada da Rússia. “É muito cedo para dizer que algumas forças russas ainda estão estacionadas em Kherson e se retiraram”, disse Mikhail Pudolik, assistente do presidente da Ucrânia, à Reuters. Eles estavam preocupados com a possibilidade de uma emboscada após disfarçada como a retirada das forças russas. O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, respondeu com cautela: “É encorajador ver o exército ucraniano libertar seu território, mas resta saber o que realmente acontecerá no terreno”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *