As Nações Unidas aprovam o envio de 1.000 policiais multinacionais para o Haiti controlado por gangues

O ex-policial Jimmy “BBQ” Shearer (centro), líder da coalizão G9, lidera uma marcha contra o primeiro-ministro haitiano Ariel Henry em Porto Príncipe, capital do Haiti, em 19 de setembro. /Notícias da Reuters 1

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou um plano para enviar forças armadas para o Haiti, o país mais pobre da América do Sul, que está num caos virtual devido aos bandos armados desenfreados. O Conselho de Segurança realizou uma reunião formal na sede da ONU em Nova Iorque no dia 2 (hora local) e adoptou uma resolução que autoriza a força policial multinacional liderada pelo Quénia a realizar missões de segurança no Haiti. Através desta decisão, a polícia multinacional poderá proteger as principais infra-estruturas do Haiti, como aeroportos, escolas e hospitais, e realizar operações em cooperação com a polícia haitiana.

Segundo as Nações Unidas, o projecto de resolução elaborado pelos Estados Unidos sobre o envio de polícia multinacional neste dia foi aprovado por maioria de 13 votos, com duas abstenções (China e Rússia). O momento exato da publicação ainda não foi determinado. A força policial multinacional será destacada durante um ano e será revista para redistribuição após nove meses. “É um sinal de solidariedade (da comunidade internacional) para com as pessoas que sofrem. É um raio de esperança para as pessoas que sofrem há muito tempo”, disse o ministro das Relações Exteriores do Haiti, Jean Victor Genius.

No mês passado, uma manifestação de protesto foi realizada em Porto Príncipe, capital do Haiti, para exigir a eliminação de gangues violentas e a garantia de uma vida diária segura. O Conselho de Segurança das Nações Unidas adoptou uma resolução no dia 2 (hora local) para enviar uma força policial multinacional liderada pelo Quénia para o Haiti. /AFP Notícias Yonhap

O Haiti testemunhou violência em muitas partes do país nos últimos anos devido a conflitos entre gangues. Em 2021, o presidente Jovenel Moise foi assassinado e os membros da Assembleia Nacional ficaram desordenados quando o seu mandato expirou. A polícia perde mão de obra e equipamentos para as gangues. Assim, em Outubro do ano passado, o primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, apelou à comunidade internacional para “solicitar o envio de pessoal de segurança especializado”. Esta decisão avançou em Julho, quando o Ministro dos Negócios Estrangeiros queniano, Alfred Mutua, anunciou publicamente a sua intenção de enviar cerca de 1.000 agentes policiais para o Haiti, dizendo: “O Quénia está pronto para liderar agentes policiais multinacionais no Haiti”. As Bahamas, uma nação insular próxima do Haiti, decidiram fornecer 150 policiais, sujeitos à aprovação do Conselho de Segurança da ONU. Num discurso na Assembleia Geral da ONU no mês passado, o presidente dos EUA, Joe Biden, instou os estados membros a aprovarem a missão, dizendo: “O povo do Haiti não pode esperar mais”. Segundo estatísticas das Nações Unidas, de Janeiro a 15 de Agosto deste ano, mais de 2.400 pessoas foram mortas no Haiti, mais de 950 foram raptadas e 902 ficaram feridas.

READ  Se você se opuser à invasão de Taiwan, será impiedoso... A espada de Xi Jinping que nem mesmo o partido do príncipe herdeiro pode evitar

O New York Times disse: “Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, os cinco membros permanentes, cada um dos quais com poder de veto, ficaram divididos, tornando difícil para o Conselho emitir decisões e agir”, acrescentando que “a divisão entre os membros permanentes membros está se aprofundando.” “Tendo isto em conta, esta aprovação é digna de nota.” Em 2007, o Conselho de Segurança autorizou as forças da União Africana a entrar na Somália para ajudar a combater grupos terroristas.

🌎Questões globais selecionadas pelo Departamento Internacional de Chosun Ilbo! Assine a nossa newsletterhttps://page.stibee.com/subscriptions/275739

🌎Resolva o teste internacional e ganhe presentes! ☞ https://www.chosun.com/members-event/?mec=n_quiz

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *