Crise na Ucrânia: respostas dos principais países e como elas diferem

Fonte da foto, Imagens Getty

As principais potências mundiais, incluindo os Estados Unidos, o Reino Unido e a União Europeia (UE), têm criticado abertamente a ocupação da Ucrânia pela Rússia. Ele lidera as contra-sanções russas e a ajuda militar à Ucrânia.

Mas as reações à Rússia em todo o mundo são muito variadas.

Analisamos as posições dos principais países e as opiniões dos líderes sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia.

China

A coisa mais significativa sobre a China é que o presidente chinês Xi Jinping não comentou sobre a invasão. Em contrapartida, houve apenas um comunicado emitido pelo Ministério das Relações Exteriores da China.

Fonte da foto, Imagens Getty

Explicação da imagem,

O presidente chinês Xi Jinping não comentou a invasão russa.

Em comunicado divulgado em 25 de fevereiro (horário local), a China disse que “respeita a soberania e a integridade territorial de cada país”, mas disse que a Rússia está fazendo “exigências razoáveis ​​de segurança” que devem ser “levadas a sério e apropriadamente”. Comente.

É importante ressaltar, no entanto, que a China ainda não usou a palavra “invasão” para se referir às ações da Rússia na Ucrânia.

Especialistas em relações internacionais dizem que a posição da China não é surpreendente, enfatizando que o presidente Ji e o presidente russo, Vladimir Putin, se encontraram em Pequim em 4 de abril. Este é o 38º encontro entre os dois líderes desde 2013.

Em uma declaração conjunta, os dois líderes instaram o mundo ocidental a abandonar a “abordagem ideológica da era da Guerra Fria”.

Xi foi particularmente crítico da expansão da OTAN na Europa Oriental.

A China também boicotou uma votação no Conselho de Segurança da ONU no dia 25 condenando a agressão da Rússia.

Índia

Fonte da foto, Imagens Getty

Explicação da imagem,

Um porta-voz do governo da Índia disse no dia 26 que “o objetivo do primeiro-ministro Modi é contribuir para a paz por qualquer meio”.

Horas após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o vice-ministro das Relações Exteriores da Índia, Rajikumar Ranjan Singh, anunciou a posição “neutra” da Índia na disputa.

Um porta-voz do governo da Índia disse no dia 26 que o primeiro-ministro Modi “contribuiria para a paz de qualquer forma”.

Peru

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que a Turquia não abandonará as relações Rússia-Ucrânia e usará a entrada no Mar Negro nos navios de guerra que a Turquia usará (o Pacto de Montreux) para impedir a escalada da guerra.

Fonte da foto, Imagens Getty

Explicação da imagem,

O presidente Erdogan disse em um discurso televisionado na semana passada que “rejeita a ação militar russa”.

De acordo com a mídia estatal turca, o governo turco chegou a um acordo para proibir a passagem de navios de guerra para o Mar Negro através de águas turcas.

A Turquia, membro da OTAN, faz fronteira com a Ucrânia e a Rússia no Mar Negro e mantém boas relações com esses países. A Ucrânia pediu à Turquia que impeça que navios de guerra russos se aproximem do Mar Negro.

A Turquia reagiu fortemente à invasão russa, chamando-a de operação militar “injusta e ilegal”, dizendo que o conflito representa uma “séria ameaça à segurança regional e global”.

O presidente Erdogan disse em um discurso televisionado na semana passada que “rejeita a ação militar russa”.

Erdogan visitou a Ucrânia no início de fevereiro, propondo que a Turquia pudesse atuar como mediadora no conflito entre a Ucrânia e a Rússia. Também assinou um acordo para permitir a produção de drones turcos já em uso na Ucrânia contra rebeldes apoiados pela Rússia na região de Donbass, no leste da Ucrânia.

Irã

A situação no Irã é diferente. Embora o governo iraniano acredite que o Ocidente tenha provocado o conflito, algumas autoridades iranianas expressaram sua oposição à guerra.

Fonte da foto, Imagens Getty

O presidente iraniano Ibrahim Raishi disse a Putin em uma teleconferência no dia 24 que “a expansão da OTAN representa uma séria ameaça à estabilidade e segurança de nações independentes em outras regiões”.

Mianmar

O porta-voz militar de Mianmar, Chao Minh Tun, divulgou um comunicado dizendo que a invasão russa foi “justificada” e “mostra a posição da Rússia como potência mundial”. O nome também foi escrito em russo.

A Rússia, junto com a China, é o principal aliado e fornecedor de armas de Mianmar.

Brasil

Fonte da foto, Imagens Getty

Embora os líderes de alguns países latino-americanos proeminentes tenham condenado a ocupação da Ucrânia pela Rússia, o silêncio do Brasil ainda era chocante.

O presidente brasileiro Jair Bolzano, que recentemente se encontrou com Putin em Moscou, na Rússia, dirigiu apenas coisas para o povo brasileiro preso na Ucrânia.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil pediu o fim das hostilidades e uma solução diplomática. No entanto, ele descreveu a invasão russa como “uma intensificação das operações militares russas contra alvos dentro do território da Ucrânia”.

O Brasil, o maior país da América Latina, não apoiou a declaração conjunta dos EUA (OEA) condenando a ocupação da Ucrânia pela Rússia.

No entanto, no dia 25, o Brasil votou a favor de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU condenando a Rússia.

países africanos

Em comunicado divulgado pela União Africana (UA) no dia 24, ele disse que a Rússia deve respeitar o direito internacional e a soberania da Ucrânia.

O presidente da UA, Maki Sal, e o presidente executivo, Musa Baki, pediram à Ucrânia e à Rússia que “deponham as armas e iniciem negociações políticas para proteger o mundo do conflito global”.

No entanto, a reação mais notável na África foi o poderoso discurso do embaixador queniano na ONU, Martin Kimani, que chegou à ONU três dias antes da invasão. Na reunião do Conselho de Segurança, ele comparou o apoio da Rússia à Ucrânia separatista com a história colonial africana.

Rejeitamos toda unidade nacional e expansão baseada em raça, etnia, religião ou fatores culturais. Hoje nós o rejeitamos novamente.

A África do Sul exigiu que a Rússia retire suas tropas da Ucrânia imediatamente, e a Nigéria disse que a invasão foi “surpreendente” em vez de culpar a Rússia ou pedir um cessar-fogo.

Países do Sudeste Asiático

A Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), uma coalizão de 10 governos, incluindo Mianmar, emitiu um comunicado em 27 de maio evitando referências diretas à Rússia e acusações de agressão.

Como país individual, a resposta de Cingapura é muito direta. O Ministério das Relações Exteriores de Cingapura condenou veementemente a agressão infundada contra um Estado soberano por qualquer motivo.

Fonte da foto, Imagens Getty

Explicação da imagem,

O governo filipino disse que permanecerá neutro, mas protestos foram realizados na capital, Manila, contra a invasão russa.

A Indonésia disse que o ataque foi “inaceitável”, mas não mencionou diretamente a Rússia.

A ministra da Defesa das Filipinas, Delphine Lorenzana, anunciou no dia 26 que as Filipinas “permanecerão neutras por enquanto”. “As Filipinas não são vizinhas da Ucrânia e não tem nada a ver com o que as Filipinas fazem na Europa”, segundo a CNN.

Em junho do ano passado, o presidente filipino, Rodrigo Duterte, anunciou que fortaleceria sua cooperação com a Rússia em vários campos, incluindo defesa.

Estados Unidos

Fonte da foto, Imagens Getty

Explicação da imagem,

“Putin escolheu esta guerra, e ele e a Rússia enfrentarão as consequências.”

O presidente dos EUA, Joe Biden, descreveu a invasão como um ataque planejado sem qualquer justificativa, justificativa ou necessidade.

“Putin escolheu esta guerra, e agora ele e a Rússia vão arcar com as consequências.”

O presidente Biden não apenas introduziu novas sanções anti-russas, mas também decidiu enviar tropas para a Europa. Desta vez, tropas dos EUA serão enviadas para aliados da Otan, como a Polônia, que faz fronteira com a Ucrânia.

Mas o presidente Biden deixou claro que os militares dos EUA não lutarão contra a Rússia na Ucrânia.

Reino Unido

Durante uma visita à Polônia em 1º de fevereiro, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse que Putin estava usando táticas bárbaras e indiscriminadas contra cidadãos ucranianos.

O Reino Unido aprovou uma série de sanções anti-russas e está considerando um pedido para expulsar a Rússia do Conselho de Segurança da ONU.

União Europeia (UE)

Fonte da foto, Imagens Getty

Explicação da imagem,

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, condena a invasão russa do Parlamento Europeu

Enquanto a União Européia (UE) condena a ocupação da Rússia, ela pede aos Estados membros que endureçam as sanções contra as federações russas e autoridades pró-Rússia e restrinjam as importações russas de petróleo e gás natural.

Se Putin busca dividir a UE, enfraquecer a OTAN e dividir a comunidade internacional, ele fez o contrário”, disse Ursula van der Leyen, presidente da Comissão Europeia.

Em 1º de março, um dia depois que o presidente ucraniano Zhelensky assinou seu pedido de adesão à UE, ele instou a UE a “provar que você está conosco”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.