Dezenas de milhares de pessoas manifestam-se em Israel exigindo a renúncia de Netanyahu

O maior volume depois da guerra. Netanyahu pede a libertação de reféns e se recusa a renunciar como “uma guerra terrestre adicional”

No dia 31 do mês passado, uma manifestação de protesto foi realizada em Jerusalém, Israel, para exigir a renúncia do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e a libertação dos reféns civis israelenses detidos pelo movimento armado palestino Hamas. Alguns manifestantes carregaram uma imagem composta do rosto e do dedo ensanguentado do primeiro-ministro Netanyahu. Jerusalém = AP News

À medida que a guerra entre Israel e o grupo militante palestiniano Hamas entrava no seu sexto ano, protestos antigovernamentais generalizados foram realizados em Israel nos dias 30 e 31 do mês passado, exigindo a demissão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e eleições gerais antecipadas. O primeiro-ministro Netanyahu rejeitou os apelos à sua demissão e insistiu na sua intenção de realizar operações terrestres em Rafah, a cidade localizada no extremo sul da Faixa de Gaza, que é um reduto do movimento Hamas.

Segundo a Reuters, no dia 31 do mês passado, cidadãos saíram às ruas em vários pontos de Israel, incluindo Jerusalém e Tel Aviv, para exigir a demissão do primeiro-ministro Netanyahu e a libertação dos reféns civis israelitas detidos pelo Hamas. Protestos semelhantes foram realizados há um dia em frente à casa do primeiro-ministro Netanyahu. O Times of Israel e outros comentaram que dezenas de milhares de pessoas se reuniram perto do edifício do parlamento em Jerusalém no dia 31 do mês passado, tornando-se o maior protesto antigovernamental desde o início da guerra.

Em particular, a família do refém afirmou que “o primeiro-ministro é o maior obstáculo às negociações de reféns”. Apelaram à eleição de um novo líder através de eleições gerais antecipadas e depois à negociação com o Hamas para devolver os reféns. Existem atualmente cerca de 130 reféns que não foram libertados e 34 deles são considerados mortos.

READ  Vítima de massacre no Texas é a criança mais adorável do mundo

A divisão dentro da coligação de extrema-direita liderada pelo primeiro-ministro Netanyahu também se tornou mais evidente. Os judeus Haredi, que representam cerca de 13,5% da população, estão isentos do serviço militar desde a fundação do país em 1948. No entanto, desde o início da guerra no ano passado, cresceu a opinião pública de que eles também deveriam ser recrutados. O primeiro-ministro Netanyahu está a promover um projecto de lei para formalizar a isenção dos Haredi do serviço militar, numa tentativa de ganhar o apoio dos seus principais apoiantes, os eleitores de extrema-direita. Consequentemente, os partidos políticos com orientações seculares relativamente fortes dentro do governo de coligação estão a protestar.

Ao contrário de muitos homens israelitas adultos que vivem nos Estados Unidos, que regressaram a casa após a eclosão da guerra e se ofereceram como voluntários para se juntarem às reservas, também estão a ser levantadas críticas sobre o facto de o filho mais velho do primeiro-ministro Netanyahu, Yair (33), ainda residir em Miami. Flórida. Isto significa que é contraditório que o Primeiro-Ministro continue a apelar à “guerra” enquanto o seu filho não participa na guerra.

O primeiro-ministro Netanyahu rejeitou os apelos à sua demissão no dia 31 do mês passado, dizendo: “Se as eleições gerais forem realizadas agora, as negociações dos reféns serão ainda mais adiadas”. Ele fez uma operação de hérnia naquele dia. Ele tem 75 anos e implantou um marca-passo em julho do ano passado, por isso crescem as preocupações com sua saúde.

Repórter Lee Ji-yeon o mais rápido possível@donga.com

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *