Donbass tornou-se o “chefe” da guerra ucraniana … O fogo durou 8 anos

explicação da imagemJardim de infância em Lugansk sob bombardeio

▶ Clique aqui para ampliar

Uma granada caiu na parede de um jardim de infância em Lugansk, uma região controlada por rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia no dia 17 (horário local). Na foto do local, bolas infantis e tijolos derramados estão espalhados sob a parede aberta.

Felizmente, não houve feridos.

O governo ucraniano e os rebeldes lutam entre si sobre quem atacar primeiro.

O canal norte-americano CNN analisou no dia 17 (hora local) que a atenção da comunidade internacional para a crise na Ucrânia está centrada na “região de Donbass”, considerando este incidente como uma oportunidade.

Assim que as notícias do bombardeio se espalharam pela mídia russa, o preço das ações caiu e os preços do petróleo e do ouro subiram rapidamente.

Soldados ucranianos dão entrevistas à imprensa

explicação da imagemSoldados ucranianos dão entrevistas à imprensa

▶ Clique aqui para ampliar

O jardim de infância em que as conchas caíram está localizado em Stanisha, Lugansk, na região de Donbass. Donbas é o nome das regiões de Lugansk e Donetsk da Ucrânia.

Geograficamente, faz fronteira com a Rússia na fronteira oriental da Ucrânia.

Esta área tem sido o campo de batalha da ‘Guerra Civil do Donbass’, que vem sendo travada entre as forças do governo ucraniano e rebeldes pró-Rússia desde 2014.

A guerra civil de Donbass começou quando a população russa exigiu independência e secessão das regiões da Crimeia da Ucrânia e do leste de Donbass.

Antes da eclosão desta guerra civil na Ucrânia, o conflito entre o lado pró-russo e a força pró-ocidental era muito intenso. Em 2013, forças pró-ocidentais organizaram protestos contra o governo em massa.

Naquela época, o governo pró-Rússia iniciou uma repressão sangrenta e violenta dos protestos, mas, ao contrário, foi isolado sem sobreviver a uma reação mais forte.

READ  Administração Yoon, quatro deputados da ativa na linha diplomática e de segurança, quem é o chefe do Serviço Nacional de Inteligência?

Após o impeachment, um governo de transição pró-ocidente foi formado.

No entanto, neste momento, as províncias de Lugansk e Donetsk, no leste da Ucrânia, que têm uma alta porcentagem de tendências pró-russas, protestaram. Os habitantes desta região exigiram a independência e declararam a criação da “República Popular de Luhansk” (LPR) e da “República Popular de Donetsk” (DPR) através de seu próprio referendo.

Esses “estados” não receberam nenhum reconhecimento da comunidade internacional até hoje. A Guerra Civil de Donbass é uma batalha entre as forças do governo ucraniano, que os consideram rebeldes, e aqueles que buscam a independência como um estado oficial.

Investigadores do Centro de Coordenação Conjunta investigam o bombardeio da região de Lugansk

explicação da imagemInvestigadores do Centro de Coordenação Conjunta investigam o bombardeio da região de Lugansk

▶ Clique aqui para ampliar

O problema é que esses rebeldes recebem apoio militar e militar russo.

Embora a Rússia não reconheça oficialmente a existência das repúblicas de Lugansk-Donetsk, mantém algumas relações com seus líderes. Centenas de milhares de moradores locais possuem passaportes russos.

Neste contexto, Donbass foi escolhido como um dos principais candidatos para o “jogo da Rússia self-made” para mostrar que o exército ucraniano está atacando civis para justificar a invasão.

O diário britânico The Guardian analisou que a Rússia domina efetivamente esses países. Em particular, embora a Rússia negue veementemente isso, a observação de que fornece tropas e armas aos rebeldes é considerada ortodoxa.

Membros das forças especiais russas foram vistos trabalhando com os rebeldes vestidos de verde sem nenhum sinal de unidade. A comunidade internacional os chamou de “pequeno homem verde”.

O Guardian explicou que a Rússia aparentemente decidiu que seria mais eficaz deixar essas regiões rebeldes como uma força pró-Rússia na Ucrânia e influenciar as decisões políticas ucranianas em vez de anexar toda a região.

Não faltaram esforços da comunidade internacional para parar a guerra. Em setembro de 2014, Ucrânia, Rússia, LPR e DPR assinaram um acordo de armistício em Minsk, capital da Bielorrússia. Este é o chamado Acordo de Minsk. No entanto, o acordo não foi mantido e os confrontos continuaram.

READ  Rússia bombardeou Lviv, oeste da Ucrânia, a 70 km da fronteira polonesa

Finalmente, em 2015, a então chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês François Hollande, o presidente russo Vladimir Putin, o presidente russo Petro Poroshenko e representantes do LPR e do DPR se reuniram novamente em Minsk intermediado pela Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE ) em 2015. Após o Acordo, foi assinado o “Segundo Acordo de Minsk”.

Uma criança imitando um soldado em Lugansk

explicação da imagemUma criança imitando um soldado em Lugansk

▶ Clique aqui para ampliar

De acordo com o acordo, o transporte em grande escala foi interrompido quando a Organização para Segurança e Cooperação na Europa monitorou as linhas de frente e relatou violações do acordo de armistício. No entanto, confrontos esporádicos não puderam ser interrompidos. A guerra matou 14.000 pessoas e forçou 1,5 milhão a fugir de suas casas e buscar refúgio.

É um lugar onde a turbulência política é constante, mas a população se preocupa mais com a forma como ganha a vida do que o governo de qualquer país.

O Washington Post informou no mesmo dia que entrevistou 425 pessoas em Donbass de 14 a 17 do mês passado.

De acordo com o relatório, quando perguntados se concordavam com o ditado: “Seja na Ucrânia ou na Rússia, tudo o que você precisa fazer é aumentar seu salário e obter uma boa pensão”, a maioria dos entrevistados respondeu “sim”.

Não havia muita diferença de opinião entre a competência do governo ucraniano no Donbass e as áreas ocupadas pelos rebeldes.

[연합뉴스]

Direitos autorais ⓒ Yonhap News. Proibida a reprodução e redistribuição não autorizada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.