Europa: Global: Notícias: The Hankyoreh

‘Agressão russa é imperdoável’
Exigindo o fim imediato da guerra
Será votado na assembleia geral daqui a dois dias.

O embaixador da Ucrânia na Ucrânia, Sergei Kisliga, pede o apoio da Ucrânia na Assembleia Geral das Nações Unidas no dia 28. Nova York / Xinhua / Yonhap News

A reunião especial de emergência das Nações Unidas realizada no dia 28 tornou-se um fórum para condenar a Rússia. Países de todo o mundo pediram a suspensão imediata da ação militar da Rússia contra a Ucrânia, chamando-a de “violação injustificada da soberania”. Abdullah Al-Shayed (ministro das Relações Exteriores das Maldivas), que preside a Assembleia Geral desde setembro do ano passado, ofereceu uma oração silenciosa a todos os presentes pela recuperação daqueles que morreram na guerra no início da reunião. Depois disso, o embaixador da Ucrânia, Sergey Kisliga, que pegou o microfone, pediu à comunidade internacional que forneça apoio inabalável, dizendo: “Se a Ucrânia não sobreviver, a paz mundial não durará”. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse: “A morte de civis, incluindo crianças, é inaceitável. Precisamos manter o caminho do diálogo aberto”. “Se não os apoiarmos, a segurança das fronteiras e a independência de todos os países estarão em risco”, disse a embaixadora britânica Barbara Woodward. O embaixador austríaco Alexander Marchek também pediu aos países que têm uma atitude amigável em relação à Rússia que convençam a Rússia, dizendo: “Um amigo próximo e um verdadeiro amigo devem dizer o que dizem quando um amigo comete um erro”. Como esperado, a Rússia não desistiu. O embaixador russo Vasily Nevingia protestou que “as ações da Rússia estão sendo distorcidas”. Esta assembleia geral foi realizada de acordo com uma resolução do Conselho de Segurança (Conselho de Segurança) no dia vinte e sete deste mês. Os Estados Unidos e a Europa fizeram lobby para esta reunião especial depois que uma resolução do Conselho de Segurança criticando a invasão da Rússia, já que o exercício de seu veto pela Rússia não foi adotado. A Assembleia Especial de Emergência das Nações Unidas é a décima primeira assembleia desde a criação das Nações Unidas em outubro de 1945 e a primeira desde 1997. Como não é reconhecido nenhum veto no plenário, diz-se que uma resolução que será colocada em votação no plenário no segundo dia é muito provável que seja aprovado. A Associated Press informou que o projeto de resolução, liderado pela União Européia, inclui a cessação das hostilidades e a retirada das forças russas, e uma solução pacífica por meio do diálogo e das negociações. Enquanto isso, foi relatado que o Conselho de Segurança das Nações Unidas realizou uma sessão fechada no mesmo dia e discutiu o recente teste de mísseis balísticos da Coreia do Norte como sua agenda. Onze países, incluindo Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão e Reino Unido, emitiram uma declaração conjunta condenando o lançamento de mísseis da Coreia do Norte. Em uma declaração conjunta, eles descreveram o lançamento de mísseis da Coreia do Norte como uma “provocação ilegal e escalada de tensões na região” e pediram aos Estados membros da ONU que implementem sanções abrangentes contra a Coreia do Norte. Escrito por Park Byung-soo, Repórter Sênior suh@hani.co.kr

READ  Putin: Rússia responderá se infraestrutura da OTAN for implantada na Finlândia e na Suécia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.