Houve um asteróide ‘irmão’ que causou a extinção em massa dos dinossauros?

Uma cratera de asteróide que se formou ao mesmo tempo que o fim da era dos dinossauros, cerca de 66 milhões de anos atrás, foi descoberta na costa da África Ocidental e relatada à academia.

Uma equipe de pesquisa liderada pelo Dr. Osden Nicholson, professor associado de ciências da Terra na Universidade Heriot-Watt, no Reino Unido, publicou os resultados da descoberta de uma cratera de meteorito a cerca de 8,5 km de distância em dados sísmicos na costa da África Ocidental na revista científica. ciência avança.

Para estudar o processo de separação da placa continental sul-americana do continente africano durante o período Cretáceo, a equipe de pesquisa localizou erroneamente a cratera ao obter informações sobre a estrutura geológica com a taxa de reversão sísmica.





▲ Cratera Nader (caixa branca) encontrada há 66 milhões de anos na costa da África Ocidental.

Nomeada “Nader” em homenagem a um monte submarino próximo, a cratera foi analisada para ter características típicas da cratera, como o centro e as bordas ascendentes do impacto, e as conchas de impacto espalhadas ao redor da cratera.

Simulações de computador mostraram que é muito semelhante à cratera de um vulcão que se formou quando um asteróide de cerca de 400 metros de diâmetro caiu no mar a uma profundidade de 800 metros.

Estima-se que o impacto da onda de choque foi semelhante a um terremoto de magnitude 6,5 ou 7, e o tsunami produziu e liberou uma enorme quantidade de gases de efeito estufa, liberando 1.000 vezes a energia de um vulcão submarino em Tonga.

O mais interessante é que a cratera Nader é coberta por uma antiga camada sedimentar triangular com cerca de 300-400 metros de comprimento, que foi analisada como tendo se formado na fronteira do período Cretáceo – Paleo III.





▲ Imagem de um asteroide ameaçando colidir com a Terra.

Neste momento, um grande asteróide com cerca de 12 km de comprimento caiu em Chicxulub, na Península de Yucatán, no México, formando uma cratera com cerca de 200 km de comprimento, que é semelhante à época em que três quartos dos animais e plantas da Terra, incluindo os dinossauros , tornou-se extinto.

A equipe de pesquisa sugeriu três possibilidades a esse respeito.

Primeiro, um asteroide ou cometa pode ter se separado pela gravidade ao passar perto da Terra e, mais tarde, ricocheteado na Terra e colidido lado a lado, criando as crateras Chicxulub e Nadir.

Neste caso, estimou-se que a extinção em massa teria se desenvolvido em uma situação mais grave à medida que o efeito da cratera Rare foi adicionado, bem como a cratera Chicxulub.

Asteróides rochosos são improváveis, mas cometas podem ser encontrados em 1994, quando ‘Shoemaker-Levy 9’ colidiu com Júpiter ao longo de vários dias.

Além disso, asteroides que colidem uns com os outros no cinturão de asteroides e formam aglomerados podem fazer parte de uma colisão concentrada com a Terra e outros planetas internos durante um período específico de cerca de um milhão de anos, e um asteroide de classe rara, que ocorre aproximadamente uma vez a cada 700.000 anos, disse ele, talvez tenha acontecido por acaso.

A equipe de pesquisa esperava que, perfurando o fundo de uma cratera rarefeita e analisando a amostra, o momento exato do impacto pudesse ser confirmado.

Equipe Científica press@jeonpa.co.kr

<مالك حقوق النشر © Radio Newspaper ، يحظر النسخ وإعادة التوزيع غير المصرح به>

READ  300.000 ganhos na batalha de placas gráficas, AMD Radeon RX 6600 VS Nvidia GeForce RTX 3050

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.