Mandado de prisão de ex-ministro próximo a Bolsonaro… “a responsabilidade de não impedir os tumultos”

Ministro da Justiça no governo Bolsonaro

O chefe da segurança de Brasília é o responsável pela “lacuna política”

Férias na Flórida durante os tumultos


Mais Zoom

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro (à direita) e o ex-ministro Anderson Torres (à esquerda). agência de notícias Yonhap à AFP

No dia 10 (horário local), o Supremo Tribunal do Brasil emitiu um mandado de prisão para o assessor mais próximo do ex-presidente Bolsonaro em conexão com os recentes distúrbios no Brasil por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro ao invadir o Parlamento, o Palácio Presidencial e o Supremo Tribunal Federal.

De acordo com El Pais e outros, no mesmo dia, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, emitiu um mandado de prisão contra Anderson Torres, ex-ministro da Segurança do Distrito Federal de Brasília, que atuou como último ministro da Justiça no governo de Bolsonaro. em conexão com isso. Com as revoltas no Brasil. Ele, conhecido como o assessor mais próximo de Bolsonaro, assumiu este mês o cargo de chefe da segurança em Brasília, capital dos motins, mas foi prontamente demitido após os motins.

Não ficou claro quais eram as acusações específicas, mas o mandado de prisão afirmava que o chefe de segurança não garantiu a presença de forças de segurança adequadas em Brasília. Também aprovou a entrada de mais de 100 ônibus com manifestantes na cidade e não fechou os acampamentos onde os apoiadores de Bolsonaro se concentram há meses. A mídia local informou que as autoridades estão na posição de que o ex-secretário Torres foi o responsável por não interromper os tumultos com o departamento de segurança permissivo, mesmo que soubesse de sinais de tumulto por apoiadores de Bolsonaro com antecedência, ou mesmo que não soubesse, informou a mídia local .

READ  “Rússia se retira das redes internacionais de pagamentos bancários” ... “Eu pagarei o preço”

“Foi um momento delicado para a democracia brasileira, com protestos antidemocráticos ocorrendo ao longo do dia e prédios militares ocupados em todo o país”, disse o juiz Moraes no mandado de prisão, citando fontes, à Reuters.

Sabe-se que Torres estava ausente porque estava de férias com a família em Orlando, na Flórida, quando os tumultos começaram em Brasília. Permanece em Orlando até hoje. Orlando também é a residência do ex-presidente Bolsonaro, que partiu para os Estados Unidos no ano passado. No entanto, não se sabe se ele conheceu o ex-presidente Bolsonaro aqui.

A Polícia Federal invadiu a casa de Torres em Brasília. Em resposta, o ex-ministro Torres disse que voltaria ao Brasil para investigar. “Resolvi dar uma pausa nas férias e voltar ao Brasil para comparecer à Justiça e me defender”, disse ele no Twitter. “Acredito no poder da justiça e das instituições brasileiras. Tenho certeza de que a verdade prevalecerá”, afirmou.

Antes disso, o ex-presidente Bolsonaro também disse que voltaria ao Brasil. Promotores pediram à Justiça Federal o congelamento dos bens de Bolsonaro. Por isso, também há apontamentos de que o ex-presidente Bolsonaro já entrou no alvo da investigação.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *