México, Chile e Brasil também impõem tarifas sobre produtos chineses… “aumento de até 2x”: ZUM News


Seguindo os Estados Unidos e a União Europeia, os países latino-americanos também estão retirando produtos chineses

Se a China retaliar, as exportações de matérias-primas poderão ser perturbadas.

[이데일리 정수영 기자] O México e o Brasil duplicarão as tarifas sobre produtos siderúrgicos chineses no valor de 8,5 mil milhões de dólares. O Chile já anunciou tarifas de até 33,5% e a Colômbia planeja aumentá-las em breve. Espera-se que a economia global seja atingida por um problema de “bomba tarifária”, à medida que os países latino-americanos se unem aos EUA e à União Europeia na redução das importações de produtos chineses baratos.

No dia 1º, contêineres são empilhados no navio Sinseondae no porto de Busan. [사진=이데일리DB]

“1,4 milhão de empregos ameaçados pelos despejos antiaço chineses”
Segundo a Bloomberg no dia 21, a China se envolveu em comércio em larga escala com a América Latina nos últimos anos, tornando-se o maior comprador de matérias-primas e um grande investidor. A China exporta anualmente 10 milhões de toneladas (equivalente a 8,5 mil milhões de dólares) de aço para a América Latina. Das 80 500 toneladas em 2000, registou-se um aumento acentuado em quatro anos. Um funcionário da Associação Latino-Americana de Aço, Alessero, disse: “Com a mudança global em direção ao protecionismo e o aumento das exportações de produtos da China, os produtores de aço latino-americanos estão fechando as portas um após o outro, criando um total de 1,4 milhão de empregos. “Entendi”, disse ele, correndo o risco.

O Brasil planeja introduzir em breve um sistema de cotas tarifárias para conter a queda nos preços dos produtos siderúrgicos importados. O Brasil está introduzindo um sistema de cotas que imporá uma tarifa de 25% (atualmente 12,6%) sobre 11 produtos siderúrgicos quando o volume médio de importação exceder 30%, informou a Reuters.

READ  'Ah, isso mesmo' ele ainda era um jogador do PL?! 'Golpe de 178 bilhões' finalmente deixa a Europa... rumo ao Brasil neste verão: Nate Sports

A Bloomberg acrescentou: “Embora o Brasil não tenha mencionado a China em seu anúncio oficial, as exportações para a China aumentaram 62% no ano passado, para 2,9 milhões de toneladas (introdução do sistema de cotas tarifárias)”.

O Chile anunciou no dia 22 do mês passado que já havia imposto tarifas provisórias de até 33,5% sobre produtos siderúrgicos chineses. O governo chileno impôs taxas antidumping sobre produtos siderúrgicos chineses seis vezes desde 2016. Governo O México está a considerar sanções adicionais depois de anunciar, em Agosto do ano passado, um aumento de impostos de até 25% sobre o aço importado produzido em países não-ACL, incluindo a China.

“A produção de aço da China diminui… ‘pode ser um bumerangue’

No entanto, Bloomberg acreditava que tais ações contra a China levariam à reação da China e teriam mais efeitos colaterais. Dado que a China consome grande parte do chamado mercado global, a economia poderia sofrer um grande golpe se a China contra-atacasse. Na verdade, a China bloqueou as importações de canola de duas empresas canadianas em 2018, depois de um executivo da Huawei ter sido preso em Vancouver, no Canadá, a pedido dos Estados Unidos.

Algumas análises sugerem que o comércio com a China teve um impacto positivo na economia latino-americana. Por exemplo, o Chile obteve enormes lucros enviando matérias-primas como uvas, vinho, salmão e serradura para a China e comprando produtos processados ​​e industriais.

Para o Brasil, que possui as maiores reservas de minério de ferro do mundo, as matérias-primas são exportadas para a China, que são então fabricadas e importadas para a China como produtos de liga. Há também preocupações de que o aumento das tarifas torne mais difícil a utilização de aço chinês de baixo custo, o que poderá aumentar os preços. Todos

READ  Artistas coreanos em São Paulo se unem para o '60º Aniversário dos Imigrantes Coreanos no Brasil'.

A influência da China na América Latina também está a crescer significativamente. Um exemplo representativo é a expansão do volume de investimentos. A gigante de carros elétricos BYD está construindo uma fábrica no Brasil e planeja anunciar planos para construir outra no México até o final do ano. No Chile, a BYD e a Tsingshan estão construindo uma fábrica de material catódico de lítio. Além disso, desde 2005, o Banco de Desenvolvimento da China e o Banco de Exportação e Importação da China forneceram 136 mil milhões de dólares em empréstimos à América Latina.

Scott Waldron, professor da Universidade de Queensland, disse: “As medidas dos países latino-americanos para proteger as suas próprias indústrias siderúrgicas terão eficácia limitada”, acrescentando: “A questão maior é o aço, em vez de se preocupar com uma retaliação furiosa da China. A produção global está em declínio”, destacou.

Um artigo é categorizado pela organização de mídia à qual pertence.
As organizações de notícias podem classificar um artigo em duas ou mais categorias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *