O futebol sul-americano rivaliza com o Brasil e a Argentina… a razão pela qual estamos de mãos dadas com uma moeda comum

Será produzida uma versão sul-americana do Euro?
FT “Produtos em moeda pública a serem anunciados”
Reduzir a dependência de dólares como a Argentina

Peso argentino / Foto: AFP

Brasil e Argentina começaram a introduzir uma moeda comum para reduzir sua dependência do dólar. Se outros países sul-americanos aderirem, ela poderá renascer como a segunda moeda única regional depois do euro da União Européia (UE).

Segundo o Financial Times (FT), no dia 22 (horário local), o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente argentino Alberto Fernandez anunciarão nesta semana que iniciarão os preparativos para uma moeda comum. Após o cume nos dias 23 e 25 em Buenos Aires, Argentina.

“O foco será em como uma nova moeda comum, chamada Brazil Sur (Sul em espanhol), impulsionará o comércio regional e reduzirá a dependência do dólar”, disse uma fonte. Anteriormente, o presidente Lula nomeou a moeda Sur ao anunciar a ideia de uma moeda comum sul-americana em um discurso antes de sua eleição no ano passado. Segundo o FT, a moeda conjunta será inicialmente utilizada ao lado do real brasileiro e do peso argentino.

“Será tomada uma decisão para examinar os parâmetros necessários para criar uma moeda comum, desde os problemas financeiros até o tamanho da economia e o papel do banco central”, disse o ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa.

Luiz Inácio Lula da Silva, Presidente do Brasil.  /foto = AFP

Luiz Inácio Lula da Silva, Presidente do Brasil. /foto = AFP

As discussões sobre uma moeda comum na América do Sul vêm ganhando força recentemente. As negociações pararam nos últimos anos devido às objeções do banco central brasileiro, mas as discussões ganharam força com o surgimento de governos de esquerda no Brasil e na Argentina.

A razão pela qual os dois países criaram uma moeda comum foi reduzir sua dependência do dólar. Os cidadãos estão acumulando dólares, especialmente na Argentina, já que a moeda se desvalorizou devido a graves problemas econômicos. Na Argentina, a moeda desvalorizou tanto que a taxa de inflação anual chegou a 100%. O dólar forte tem sido apontado como fator de intensificação da inflação.

READ  Fake news de "loja de roupas da primeira-dama" rouba imagem de empresa brasileira de roupas

Esses países planejam expandir o intercâmbio entre os dois países por meio de uma moeda comum. Entre janeiro e novembro do ano passado, o comércio entre Brasil e Argentina aumentou 21% em relação ao ano anterior, para US$ 26,4 bilhões (cerca de 32 trilhões de won).

Essa discussão, que começou como um projeto bilateral, pode ser expandida para outros países latino-americanos. Nesse caso, tem a chance de renascer como moeda única na segunda maior região do mundo depois do Euro. Segundo o FT, estima-se que uma união monetária que inclua toda a América Latina responda por cerca de 5% do produto interno bruto (PIB) global. Os países que usam o euro, a maior moeda única do mundo, respondem por cerca de 14% do PIB global (em dólares).

No entanto, espera-se que demore mais do que algumas décadas antes que uma moeda sul-americana comum seja realmente usada. “A UE levou 35 anos para criar o euro”, disse Massa.

Repórter Heo Se-min semin@hankyung.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *