O Médio Oriente está a tornar-se instável… poderá isto levar a uma guerra por procuração entre os EUA e o Irão? – Dinheiro hoje


Jeong Hye-in, repórter do Money Today | 2023.10.09 16:32


As ameaças à segurança na região do Médio Oriente intensificaram-se à medida que Israel respondia com uma declaração oficial de guerra a um ataque preventivo da facção política armada palestiniana Hamas. Há previsões de que o incidente poderá levar à quinta guerra no Médio Oriente em 50 anos desde a ‘Guerra do Yom Kippur (Quarta Guerra do Médio Oriente)’ em 1973, e poderá evoluir para um conflito entre os EUA e o Irão, causando segurança e choque globais. . Economia.. No entanto, como ainda não houve notícias sobre a adesão da coligação árabe, especula-se que esta situação terminará num conflito israelo-palestiniano.

No dia 7 (hora local), um arranha-céu no distrito de Ghazi foi envolto em chamas e fumaça preta após um ataque do grupo armado palestino Hamas a Israel. /Reuters = Notícias 1

No dia 9 (hora local), o conflito armado entre Israel e o Hamas continuou pelo terceiro dia. De acordo com os principais meios de comunicação estrangeiros, como a CNN, a AFP e a Associated Press, os combates entre o Hamas e Israel continuam no sul de Israel e em partes da Faixa de Gaza palestiniana, e o número de mortos em ambos os lados ultrapassou os 1.100. O Hamas, que lançou um ataque surpresa a Israel no dia 7 às 6h30, está atualmente envolvido numa batalha feroz com o exército israelita no sul de Israel e na Faixa de Gaza. Como resultado do ataque do Hamas, mais de 700 pessoas foram mortas em Israel e mais de 100 pessoas foram feitas reféns, incluindo altos oficiais militares israelitas. Em particular, foi relatado que muitas pessoas de outros países não-israelenses, incluindo os Estados Unidos, o México e o Brasil, foram adicionadas à lista de mortos e reféns. Outro grupo militante, a Jihad Islâmica, disse que mantinha 30 reféns.

READ  Brasil, “Pulmões da Terra” para proteger a Amazônia, “Combate ao garimpo ilegal”... Tiroteio em aldeia indígena mata 5

Segundo a Associated Press, o ataque do Hamas deixou até quatro americanos mortos e sete desaparecidos. Britânicos, franceses, ucranianos e nepaleses também foram acrescentados à lista de vítimas. Pelo menos 10 nepaleses e dois ucranianos foram mortos. O ministro das Relações Exteriores do México anunciou no dia 8 que dois mexicanos (uma mulher e um homem) seriam mantidos como reféns pelo Hamas, e as autoridades brasileiras relataram que pelo menos três de seus cidadãos estavam desaparecidos. O Ministério das Relações Exteriores da Tailândia anunciou no dia 9 que 12 cidadãos tailandeses foram mortos e 11 sequestrados pela guerra civil israelense. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, cerca de 30 mil tailandeses vivem em Israel.

Desde a declaração de guerra de Israel ao Hamas no dia 8, tem levado a cabo ataques graves, incluindo o corte da sua autoridade na Faixa de Gaza. Como resultado do ataque israelita, 436 palestinianos (incluindo 81 crianças e 61 mulheres) foram mortos e 2.300 feridos na área. O Ministério da Saúde palestino indicou que “as vidas de muitas pessoas feridas e doentes estão em risco”. Segundo as Nações Unidas, o número de refugiados em Gaza aumentou para mais de 123 mil devido aos combates entre o Hamas e Israel. As Forças de Defesa de Israel (IDF) afirmaram que as capacidades militares do Hamas foram severamente reduzidas pelos ataques em curso na Faixa de Gaza. O ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant, advertiu que “o preço que Gaza pagará (devido ao ataque preventivo do Hamas) será um preço muito pesado que mudará a realidade durante gerações”, e sinalizou que Israel não iria parar o seu ataque à Faixa de Gaza. Os militares israelenses teriam mobilizado 100 mil soldados para implantar forças terrestres na Faixa de Gaza.

READ  Picos de 'Omigran' nos EUA e Europa Ocidental ... move-se para a Europa Oriental, América Latina e Ásia

No entanto, de acordo com informações fornecidas pelos militares israelenses no dia 9, levará algum tempo para evacuar os membros invasores do Hamas. O New York Times destacou: “O exército israelense está lutando para retomar as aldeias ocupadas por militantes (do Hamas)”. Embora as FDI tivessem dito anteriormente que um “ataque severo” à Faixa de Gaza ocorreria em breve, as condições prévias para tal não foram cumpridas conforme planeado.

O Ocidente, incluindo os Estados Unidos e a União Europeia (UE), criticou repetidamente o Hamas pelos seus ataques preventivos e expressou solidariedade para com Israel. O presidente dos EUA, Joe Biden, expressou sua disposição de apoiar uma série de telefonemas com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o Departamento de Defesa dos EUA enviou um grupo de batalha de porta-aviões da Marinha e jatos de combate para perto de Israel. O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês condenou os ataques do Hamas como “terrorismo contra Israel e o seu povo” e expressou total solidariedade com Israel. A República Checa e o Reino Unido definiram os ataques do Hamas como “terrorismo”.

Irá o ataque preventivo do Hamas levar a uma quinta guerra no Médio Oriente?

A imprensa estrangeira saudou o ataque preventivo do Hamas como “a ofensiva mais ambiciosa desde o início do conflito com Israel” e alertou que se a coligação árabe aderir, a guerra no Médio Oriente poderá repetir-se pela primeira vez em 50 anos. De facto, no dia 8, o Hezbollah, o braço político armado libanês, juntou-se ao ataque do Hamas lançando um ataque com foguetes e morteiros contra a “Fazenda Sheba” ocupada por Israel nas Colinas de Golã, na fronteira entre o Líbano e a Síria.

No entanto, a guerra entre o Hezbollah e Israel já cessou e não houve relatos de outros grupos armados além do Hezbollah aderindo à ofensiva. Além disso, uma vez que o Egipto, que provocou a guerra no Médio Oriente contra Israel, exige um cessar-fogo entre o Hamas e Israel, é menos provável que a situação se transforme numa guerra no Médio Oriente. O Ministério das Relações Exteriores do Egito alertou para as “graves consequências” de uma escalada das hostilidades entre o Hamas e Israel, instando-os a “limitar (os ataques) tanto quanto possível e não expor os civis a maiores perigos”.

READ  Fornecimento de fertilizantes russo cortado para o Brasil D-30 ... Preços mundiais de alimentos flutuam ainda mais

Um responsável do Hezbollah disse que o Irão estava por trás do ataque, levantando preocupações de que o incidente pudesse evoluir para uma guerra total entre os Estados Unidos e o Irão. No entanto, os EUA continuam um tanto cautelosos em relação aos rumores de interferência iraniana. O secretário de Estado dos EUA, Tony Blinken, destacou a parceria de longa data entre o Hamas e o Irão, mas disse que “ainda não há provas de que o Irão tenha ordenado ou esteja por trás deste ataque específico”. O Irão negou imediatamente a teoria da intervenção. A missão do Irão nas Nações Unidas afirmou num comunicado que a “acção decisiva da Palestina (Hamas) é uma defesa perfeitamente legítima contra 70 anos de ocupação opressiva e crimes hediondos cometidos pelo regime sionista ilegal”, mas o Irão não estava envolvido. Agindo.. Citando um alto funcionário do Hezbollah, o Wall Street Journal informou no dia 8 que a Guarda Revolucionária Iraniana e oficiais do Hamas se reuniram várias vezes na capital libanesa, Beirute, para planejar um ataque a Israel e autorizaram oficialmente o ataque a Israel. No dia 2.

Artigos relacionados a este artigo

[저작권자 @머니투데이, 무단전재 및 재배포 금지]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *