Pressão ocidental aumenta sobre o ‘mistério do hijab’ do Irã… Sanções do Canadá para pessoas responsáveis

Sanções dos EUA na semana passada, a Alemanha convocou o embaixador iraniano ‘para parar a repressão aos manifestantes’

Protestos exigindo uma investigação sobre a morte de uma mulher sem lenço na cabeça foram realizados na Alemanha no dia 20 (horário local)

[AP 연합뉴스 자료사진. 재판매 및 DB 금지]

(Seul = Yonhap News) Repórter Shin Jae Woo = “A questionável morte do Hijab” que provocou protestos antigovernamentais no Irã e a dura resposta do governo iraniano aos protestos está se expandindo para incluir questões internacionais de direitos humanos.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, anunciou no dia 26 (horário local) que vai impor sanções à polícia moral e sua liderança responsável pela morte da iraniana Mahsa Amini, de 22 anos, segundo a Reuters.

“Vimos muitas vezes o desrespeito do Irã pelos direitos humanos e testemunhamos novamente com a morte de Mahsa Amini e a repressão dos protestos”, disse ele em uma reunião com jornalistas em Ottawa.

“Hoje anunciamos que vamos impor sanções a dezenas de indivíduos e grupos, incluindo a chamada polícia alfandegária iraniana”, acrescentou.

A Alemanha também convocou o embaixador iraniano em Berlim para instar o governo iraniano a encerrar sua repressão aos manifestantes e garantir protestos pacíficos.

Questionado sobre a possível imposição de mais sanções ao Irã em resposta à violência no Irã, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores alemão disse anteriormente: “Vamos considerar todas as opções com outros países da UE”.

Manifestantes no Irã entram em confronto com a polícia no dia 21 (horário local)
Manifestantes no Irã entram em confronto com a polícia no dia 21 (horário local)

[EPA 연합뉴스 자료사진. 재판매 및 DB 금지]

Amini, uma mulher curda, que foi para Teerã com sua família no dia 13 deste mês, foi presa pela polícia alfandegária por não usar o hijab corretamente e depois perdeu a consciência.

Protestos contra a morte suspeita de uma jovem por uma questão de código de vestimenta explodiram como fogo em todo o país, e a repressão do governo iraniano aos manifestantes matou dezenas nos últimos 10 dias, aumentando o caos social.

READ  Acelerando a cooperação de segurança Coreia do Sul-EUA-Japão em meio ao conflito Coreia-Japão

A Organização de Direitos Humanos do Irã, com sede na Europa, disse que pelo menos 57 pessoas foram mortas em protestos no Irã até agora. Mais de 1.200 pessoas foram presas.

Os Estados Unidos já impuseram sanções à polícia e funcionários iranianos em conexão com a morte de Amini.

“Vou ficar com as corajosas mulheres iranianas que agem para defender os direitos humanos básicos”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, em um discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas no dia 22, no mesmo dia em que o Departamento do Tesouro enfrentou abusos. Violência e protestos pacíficos contra as mulheres iranianas e a polícia alfandegária foram colocados na lista de sanções por violar os direitos dos iranianos.

Os Estados Unidos também expandiram os serviços de internet sem sanções contra o Irã para apoiar os protestos iranianos.

O Irã se opôs publicamente às críticas e sanções do Ocidente, dizendo: “Os Estados Unidos sempre tentaram destruir a estabilidade e a segurança do Irã. Mais uma vez, os Estados Unidos e a Europa apoiam a máfia com falsa incitação”.

withwit@yna.co.kr

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.