Protestos massivos pró-Palestina em Washington: “Não há votação sem cessar-fogo”

No dia 4 (hora local), os manifestantes da Palestina Livre reuniram-se na Praça da Liberdade, uma praça a leste da Casa Branca, no centro de Washington, D.C., e pararam por um momento para rezar. /AFP Notícias Yonhap

No dia 4 deste mês (hora local), em Washington, D.C., grupos pró-Palestina e anti-guerra organizaram uma manifestação em grande escala em apoio à Palestina. Os organizadores acreditam que dezenas de milhares de pessoas se reuniram.

O protesto deste dia foi organizado pelo Movimento da Juventude Palestina, pela Rede Americana da Comunidade Palestina, pela Liga Muçulmana Americana, pelo Movimento Americano pelos Direitos Humanos Palestinos e pela ANSWER, um grupo anti-guerra criado no rescaldo. Pela invasão do Iraque pelos EUA em 2003. Foi organizada conjuntamente por outros. Os manifestantes reuniram-se em Washington, D.C., vindos de todos os estados dos EUA, em centenas de autocarros fretados que eles e outros grupos progressistas prepararam.

Os manifestantes, carregando faixas como “Apoiamos a Palestina” e “A ocupação de Gaza não é um direito humano”, reuniram-se na “Praça da Liberdade”, uma praça localizada a leste da Casa Branca. Exigiram um cessar-fogo imediato e o fim do apoio dos EUA a Israel, alegando que o “genocídio” contra os palestinianos estava a ocorrer na Faixa de Gaza, um reduto do Hamas.

Em particular, os manifestantes criticaram o presidente dos EUA, Joe Biden, que disse apoiar totalmente Israel, descrevendo-o como uma “atmosfera de genocídio”.

“A linguagem que o presidente Biden e o seu partido (os democratas) entendem é a linguagem das eleições de 2024”, disse Nihad Awad, cofundador do Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR).“A nossa mensagem é: não há cessar-fogo, sem cessar-fogo, sem cessar-fogo.” Nenhum voto. Ele listou os estados decisivos que serviram de base para a vitória de Biden nas eleições presidenciais de 2020 e disse: “Você não obterá votos em Michigan, Arizona, Geórgia, Nevada, Wisconsin ou Pensilvânia”.

No dia 4 (hora local), manifestantes pró-Palestina reuniram-se em frente à Casa Branca em Washington, D.C., e organizaram protestos, dizendo: “Diga a Biden para parar de apoiar o genocídio de Israel”. /AFP Notícias Yonhap

A este respeito, o jornal diário americano USA Today comentou: “Esta declaração foi a melhor declaração que mostrou como a guerra em Gaza (Hamas e Israel) dividiu o Partido Democrata, os árabes americanos e os eleitores jovens.” Até agora, os árabes americanos tenderam a apoiar o Partido Democrata em vez do Partido Republicano, que iniciou as guerras no Iraque e no Afeganistão, mas a actual guerra entre Israel e o Hamas significa que esta situação está a começar a mudar.

READ  Netanyahu diz que dezenas de pessoas foram mortas no ataque aéreo a Rafah: “Houve um erro trágico”.

O Departamento de Defesa dos EUA forneceu munições e outros fornecimentos a Israel e está a consultar estreitamente as autoridades israelitas para fornecer armas adicionais. Esta semana, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou uma lei de dotações de 14,3 mil milhões de dólares (cerca de 18,76 biliões de won) para apoiar Israel.

Este apoio tem um impacto significativo na opinião pública dos eleitores árabes. No final do mês passado, a Reuters, citando uma sondagem com 500 eleitores árabes, informou que 59% dos árabes americanos apoiaram Biden nas eleições presidenciais de 2020, mas apenas 17% o apoiam agora.

A Associated Press também disse no dia três deste mês: “Os democratas em Michigan alertaram que a resposta do presidente Biden à guerra entre Israel e o Hamas poderia reduzir o apoio entre os árabes americanos o suficiente para mudar o resultado das eleições presidenciais de 2024”, acrescentando: “Se Biden quer devolver “Sua eleição”. “Se ele for eleito, deve perder esta oportunidade.” Foi dito: “É um estado que não pode ser feito”.

Neste dia, protestos semelhantes foram organizados noutras cidades americanas, como Nova Iorque e Seattle, bem como em Londres, Inglaterra, Berlim, França, Paris, e Ancara, Turquia, em apoio à Palestina e exigindo um cessar-fogo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *