Sinais de uma invasão iminente da Rússia e da Ucrânia .. Armas antitanque ocidentais estão se reunindo, mas a OTAN está fragmentada

Membros da milícia voluntária do Exército Ucraniano “Forças de Defesa Regional da Ucrânia” treinam em um parque na capital, Kiev, no dia 22. Kiev = AP Yonhap News

A situação ficou mais tensa depois que a reunião dos chefes da diplomacia EUA-Rússia em Genebra, Suíça, no dia 21 (horário local), terminou sem resultados tangíveis, em meio a temores de uma possível invasão russa da Ucrânia. Há também relatos de que os Estados Unidos estão considerando uma ordem de evacuação para a família de um diplomata residente na Ucrânia. Em meio a uma crise imediata, foi revelada uma grande diferença de temperatura entre a Rússia e o Ocidente. A Rússia parece decidida a não recuar até alcançar os resultados desejados, como o fracasso da Ucrânia em aderir à OTAN, enquanto a potência ocidental, que acendeu a “teoria da guerra”, parece ter caído em seu próprio destino. Nesse ritmo, há previsões de que o Ocidente pode estar em um impasse se ocorrer uma invasão real.

A Embaixada dos EUA na Ucrânia disse no dia 22 que munições e outros suprimentos enviados para a Ucrânia chegaram na noite anterior. Espera-se também que os mísseis antitanque aprovados pelos três estados bálticos (Lituânia, Letônia e Estônia) para exportação pelo Departamento de Estado dos EUA cheguem à Ucrânia em breve. O governo britânico também anunciou no dia 17 deste mês que enviaria armas e “um pequeno número de pessoal britânico” ao país.

Armas enviadas pelos Estados Unidos chegam ao Aeroporto Internacional Boryspil, em Kiev, na Ucrânia, no dia 22, e trabalhadores as descarregam. Kiev = Reuters

No entanto, a ideia da Alemanha, que é uma força da OTAN, é complexa. Está sobrecarregado pelo confronto com a Rússia e dá a impressão de que é inútil defender a Ucrânia. “A Alemanha investirá 5,3 milhões de euros para apoiar hospitais de campanha na Ucrânia no próximo mês”, disse a ministra da Defesa alemã, Christine Lambrecht, em entrevista ao Welt am Sonntak publicada no dia anterior. “Na verdade, não acho que a entrega (de armas) ajudará a manter o equilíbrio militar”, disse a ministra alemã das Relações Exteriores, Anna-Lena Barbock, em entrevista ao jornal Sueddeutsche Zeitung.

READ  Protestos de 1º de maio em todo o mundo ... França condena política de Macron antes das eleições gerais do próximo mês

No final, o Chefe do Estado-Maior da Marinha Alemã, Kayachim Schönbach (Almirante da Marinha) insistiu que “Putin deve ser respeitado”, mas renunciou depois que a opinião pública o criticou. “Dar um pouco de respeito ao presidente Putin não custa muito”, disse Schonbach em uma conferência em Nova Délhi no dia anterior, e “ele certamente merece respeito”. Foi aprovado quando ele descartou a observação ocidental de que a Rússia estava se preparando para uma invasão como “absurdo” e argumentou que “a Ucrânia não será recuperada”.[شبه جزيرة القرم]Nunca” sobre a Crimeia, que a Rússia anexou à força em 2014. Foi o que aconteceu.

O chefe do Estado-Maior da Marinha alemã, Kayakim Schonbach (à direita), cumprimenta a ministra da Defesa alemã, Christine Limbrecht, em 17 de dezembro do ano passado. Foto do arquivo de notícias da AFP

Há também previsões concretas de que o início da guerra é iminente. Surgiram relatos de que os Estados Unidos estavam tentando retirar seus cidadãos da Ucrânia. A US Fox News e a CNN informaram no mesmo dia que a Embaixada dos EUA na Ucrânia pediu ao Departamento de Estado que aprovasse a saída de funcionários não essenciais e suas famílias, citando uma fonte no mesmo dia, pois o Departamento de Estado ordenou a evacuação do 24º. “Mesmo que a situação piore, os cidadãos americanos não devem esperar uma evacuação com a ajuda do governo dos EUA”, disse um funcionário do Departamento de Estado, que pediu anonimato, segundo a AFP, acrescentando: “Não tenho nada a anunciar”.

A Rússia realiza um “festival de flores” na divisão do Ocidente. O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, aceitou uma oferta do ministro da Defesa britânico, Ben Wallis, para realizar uma reunião para discutir a situação na Ucrânia, informou a AFP. Também é indicado que a Rússia já está tentando criar um regime pró-russo na Ucrânia. Em um comunicado à imprensa, o Ministério das Relações Exteriores britânico nomeou o ex-parlamentar ucraniano Yevgen Murrayev como um líder em potencial, dizendo que “as agências de inteligência russas mantêm laços com vários ex-políticos ucranianos”. No entanto, o ex-deputado Murrayev disse ao jornal britânico Guardian que ele era “alguém que já foi rejeitado pela Rússia” e que “o Ministério das Relações Exteriores britânico parece confuso”.

O presidente chinês Xi Jinping pode ter pedido à Rússia que se abstenha de invadir a Ucrânia durante os Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, que começarão no dia 4 do próximo mês, segundo relatos. De acordo com a Bloomberg News, com base em declarações não identificadas de um diplomata chinês, “o presidente Putin deve considerar os interesses de seus parceiros e tentar agir com a maior sabedoria possível”. A Embaixada da China na Rússia respondeu imediatamente à Bloomberg News como “notícias falsas e provocativas”. Anteriormente, em 8 de agosto de 2008, no dia da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, a Rússia entrou em confronto com as forças georgianas, citando a questão da Ossétia do Sul.

Jinok Kim Repórter


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.