‘Sonhos Diferentes’ BRICS, China e Rússia “Alargamento”…Índia e Brasil ‘OK’

China |

[휴스턴=뉴스핌] Correspondente Go-in-won = Os líderes do BRICS (as cinco economias emergentes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) realizaram a sua 15ª cimeira em Joanesburgo, África do Sul, no dia 23 (hora local) e discutiram a expansão da adesão.

Neste dia, a Rússia e a China enfatizaram a necessidade de expansão dos BRICs, mas o Brasil e a Índia mostraram uma postura cautelosa e expressaram a diferença de temperatura entre os estados membros.





O presidente chinês Xi Jinping (à esquerda) participa do evento BRICS em Joanesburgo, África do Sul, no dia 23 (horário local). [사진=로이터 뉴스핌] Correspondente Ko In-won 2023.08.23 koinwon@newspim.com

◆ China e Rússia pretendem expandir os BRICS através da ‘solidariedade antiocidental’… Índia e Brasil permanecem ‘cautelosos’

“Estou feliz em ver que muitos países em desenvolvimento se candidataram para aderir ao Quadro de Cooperação do BRICS”, disse Xi na cimeira, o segundo dia da cimeira.

A China, um dos maiores países dos BRICS, juntamente com a Rússia, há muito que promove a expansão dos BRICS e não esconde a sua ambição de aumentar o tamanho dos BRICS através da “solidariedade antiocidental” no meio de medidas dos EUA e da UE para conter a China. . Não

A Rússia, que está a tentar romper com o isolamento internacional causado pela guerra na Ucrânia, também tem um interesse comum com a China no rápido desenvolvimento dos BRICS para construir a solidariedade antiocidental.

O presidente russo, Vladimir Putin, que enviou o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, em seu nome depois que o Tribunal Penal Internacional (TPI) emitiu um mandado de prisão, disse num discurso em vídeo naquele dia: “Nós resistimos. Toda a hegemonia é espalhada por alguns países.” Expressou a sua posição para reforçar a cooperação com os BRICS contra a ordem mundial centrada no Ocidente.

No entanto, ao contrário da China e da Rússia, que pretendem desenvolver os BRIC como contraponto à ordem social internacional centrada nos EUA, o G7, a Índia e o Brasil em particular são relativamente cautelosos.

Numa reunião plenária realizada no dia 22, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi disse: “Apoio totalmente a expansão do sistema BRIC para incluir novos países” e disse: “Saudamos a iniciativa de levar isto adiante com base em um acordo .” Foi enfatizado que o consentimento dos estados membros existentes é necessário para a expansão dos estados membros existentes.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula Tasiuba, parece ter dado um passo atrás em relação a isso. O presidente Lula disse no Facebook no início do dia que “o BRICS não é uma competição para o G7 ou para os 20 grandes países (G20)” e “não deve criar um sistema competitivo com os EUA”.

Discussões sobre como usar uma moeda regional em vez de “introduzir uma moeda comum para os BRICS”

Os líderes também discutiram formas de expandir os BRIC e reduzir a dependência do dólar americano, aumentando a utilização de moedas regionais.

Inicialmente, esperava-se que a proposta brasileira de introdução de uma moeda comum dos BRICS para substituir o dólar fosse incluída na agenda oficial da reunião, mas sabe-se que os líderes dos BRICS discutiram seriamente o assunto. Uma reunião sobre como utilizar uma moeda regional em vez de lançar uma moeda comum.

A Reuters, citando autoridades sul-africanas que presidiram a reunião, disse que não haveria discussão sobre a convocação conjunta do BRICS na reunião.

Bandeiras e moeda americanas e chinesas [사진=로이터 뉴스핌]

Em vez disso, a agência de notícias informou que pelo menos 15 países, incluindo a Argentina e a Arábia Saudita, que querem aderir aos BRICS, estão a considerar aderir ao Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) estabelecido pelos países BRICS. O NDB é um banco de desenvolvimento criado pelos BRICS em 2015 para apoiar a expansão de infraestruturas em países emergentes e em desenvolvimento, ao mesmo tempo que combate instituições financeiras lideradas pelos EUA, como o Fundo Monetário Internacional (FMI).

O NDB emitiu obrigações no valor de 1,5 mil milhões de rands no mercado doméstico de obrigações da África do Sul na semana passada e planeia emitir as suas primeiras obrigações denominadas em rúpias na Índia ainda este ano. Este é um passo em direcção ao objectivo de diversificar o sistema financeiro internacional e reduzir a dependência do dólar americano.

Assim, com cada país a sonhar “sonhos diferentes” em torno da cimeira dos BRICS, surgiram dúvidas sobre se será capaz de decidir sobre itens-chave da agenda, como a expansão da adesão.

A cimeira, sob o tema ‘BRICS e África: Parceria para o Crescimento Mutuamente Acelerado, Desenvolvimento Sustentável e Diversidade Inclusiva’, decorrerá até ao dia 24.

koinwon@newspim.com

READ  "Nasce um novo líder de pontuação" Neymar também supera Pelé… marcando um total de 79 gols e fazendo história no Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *