Uma enorme pedra na frente da casa… ergue-se a perigosa baía do Brasil [지구를 보다]

Visão ampliada

▲ Na cidade de Burichigubu, uma cidade de 70.000 habitantes no estado do Maranhão, no nordeste do Brasil, grandes crateras e rochas chamadas ‘bocorogas’ estão crescendo em frente a áreas residenciais. Este é um caso de erosão causada pelo desmatamento imprudente e pelo desenvolvimento urbano AFP Yonhap News

Foi confirmado que partes do Brasil estão sofrendo severa erosão do solo devido ao desmatamento excessivo.

No dia 5, meios de comunicação estrangeiros como a AFP noticiaram que na cidade de Purichigubu, uma cidade de 70.000 habitantes no estado do Maranho, no nordeste do Brasil, uma grande rocha apareceu em frente à área residencial. .

Conhecido localmente como ‘pokorogas’ (que significa um pedaço de terra na linguagem dos tribais), um tipo de cratera no penhasco formado quando a terra erodiu e desmoronou.

Em algumas partes do Brasil, a construção urbana aleatória e o desmatamento agressivo enfraqueceram o solo, e um deslizamento de terra que começou como uma pequena rachadura acabou se transformando em uma grande cratera.

Visão ampliada

▲ Na cidade de Burichigubu, uma cidade de 70.000 habitantes no estado do Maranhão, no nordeste do Brasil, grandes crateras e rochas chamadas ‘bocorogas’ estão crescendo em frente a áreas residenciais. Este é um caso de erosão causada pelo desmatamento imprudente e pelo desenvolvimento urbano AFP Yonhap News

Em áreas residenciais densamente povoadas, as valas “crescidas” têm dezenas a centenas de metros de profundidade e se enterram em direção ao centro da vila como uma fera que outrora perseguia sua presa.

De fato, na última década, o sumidouro engoliu 50 casas e três estradas em Purichikuppu. Nos últimos 20 anos, 7 moradores morreram no processo.

READ  O instrutor coreano Kevin Lee está espalhando a onda coreana no Brasil

Especialistas explicaram que o desmatamento agressivo e o desmatamento enfraqueceram a terra.

Visão ampliada

▲ Na cidade de Burichigubu, uma cidade de 70.000 habitantes no estado do Maranhão, no nordeste do Brasil, grandes crateras e rochas chamadas ‘bocorogas’ estão crescendo em frente a áreas residenciais. Este é um caso de erosão causada pelo desmatamento imprudente e pelo desenvolvimento urbano AFP Yonhap News

O Brasil começou o desmatamento agressivo e a construção urbana em 1994 e, nos últimos anos, condições climáticas incomuns intensificaram as fortes chuvas no Brasil e os danos causados ​​pelas ‘bocorogas’ cresceram fora de controle.

Em particular, em Burisikupu, fortemente afetada pelos Bokorokas, a quantidade de floresta diminuiu 41% em comparação com 20 anos atrás. O tamanho das florestas primárias diminuiu pela metade entre 2002 e 2021 em comparação com 20 anos atrás.

As autoridades brasileiras estão fornecendo 687.000 reais (cerca de 183 milhões de won) para transferir subsídios para residentes cujas casas correm o risco de serem engolidas por buracos e desabar, mas têm demorado a abordar as causas profundas da mudança climática e do desenvolvimento imprudente. .

Guerra começa contra garimpeiros ilegais para proteger a Amazônia ‘Pulmões da Terra’

No entanto, com a posse do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula Tazúba, com a proteção da Amazônia como um valor central, a guerra contra garimpeiros ilegais na floresta amazônica começa para valer.

Segundo reportagem publicada pelo Wall Street Journal (WSJ) no dia 19 do mês passado, o governo brasileiro tomou centenas de medidas para expulsar garimpeiros ilegais na Amazônia desde que o presidente Lula assumiu o cargo em janeiro.

O objetivo é impedir a destruição indiscriminada das florestas tropicais realizada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e proteger as comunidades indígenas daqui, incluindo a tribo Yanomami.

READ  Brasil declara emergência de saúde pública para os Yanomami que sofrem de desnutrição

Graças aos esforços do governo Lula, o número de garimpeiros ilegais na floresta amazônica caiu 80% desde janeiro, e o número de garimpeiros que trabalham no território Yanomami caiu pela metade, segundo o Ministério do Meio Ambiente e Energias Renováveis ​​do Brasil. O Instituto de Recursos Naturais (IBAMA) revelou

No entanto, aponta-se que ainda há um longo caminho a percorrer para recuperar as florestas tropicais destruídas.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), durante os quatro anos de mandato do ex-presidente Bolsonaro, uma grande floresta no Brasil, 40 vezes o tamanho (605 km2) de Seul, foi destruída. .

Repórter Song Hyeon-seo huimin0217@seoul.co.kr

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *