Yu sai do AIIB devido a preocupações com a influência comunista… NDB enfrenta ‘crise de sobrevivência’ devido à falta de financiamento: Seoul Economic Daily

[위기의 중국경제]
Sonho instável da China – queda do status quo do NDB e AIIB
O ruído foi exposto durante o processo de demissão de executivos do BAII
A taxa de pagamentos em yuans é de cerca de 2-3%
O NDB financiado pela Rússia está impedido de levantar capital
Corrida de liderança do BRICS com o Brasil

No processo de expansão da influência da China na comunidade internacional, economicamente no Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas (AIIB) e, portanto, na internacionalização do yuan, e politicamente nos BRICS, é difícil mencionar. O AIIB foi originalmente criado por sugestão do presidente chinês Xi Jinping e fala muito dentro da instituição. No caso dos BRICS, o foco está na parceria com o Brasil, a Rússia, a Índia e a África do Sul para criar um quadro que contrarie a tendência centrada nos EUA na comunidade internacional. Economicamente, o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), criado pelos países membros do BRICS, está sediado em Xangai.

No entanto, sinto que essa combinação é frágil. No AIIB, no meio de um alvoroço devido à demissão de um executivo, levantam-se vozes que criticam a crescente influência da China dentro e fora da comunidade internacional. Nos BRICS, há espaço para uma luta de liderança com outros países membros, como o Brasil e a Índia.

Internacionalização do Yuan ‘Grécia’ pelo AIIB=”AIIB é uma fonte dos objetivos geopolíticos da China. “O Partido Comunista Chinês exerce influência excessiva em todos os aspectos.” O ex-diretor de comunicações do AIIB, Bob Pickard, que deixou o cargo em junho deste ano, fez a afirmação em entrevista à AFP. O canadiano, que se juntou ao AIIB em Março do ano passado, disse que enquanto trabalhava lá, foi instruído a fornecer fundos aos países visados ​​pela iniciativa da China ‘One Belt, One Road (Land Maritime Silk Road)’. Ao mesmo tempo, alertou que “os membros do Partido Comunista Chinês não devem tocar em ninguém” e acrescentou: “Porque estão a participar numa organização que torna a China mais forte?” Ele perguntou ao seu país natal, o Canadá. O BAII e o Ministério das Relações Exteriores da China negaram veementemente as alegações, mas o Canadá suspendeu as atividades relacionadas ao BAII.

READ  [윤희영의 News English] Um autor brasileiro que só escreveu romances centrados na Coréia

Como o BAII se opôs inicialmente fortemente ao Banco de Compensações Internacionais (FMI) e ao Banco Mundial (BM), criados sob o sistema de Bretton Woods, houve muitas interpretações de que tinha em mente a internacionalização do yuan. Foi lançado em 2016. O yuan estagnou. De acordo com as estatísticas mensais da Associação Internacional de Bancos e Telecomunicações (SWIFT) de julho, o yuan representou 3,06% do total de pagamentos globais, ocupando o 5º lugar entre todas as moedas. Está na faixa de 2-3%.

Salienta-se que, embora tenham surgido casos de pagamentos em yuan no mercado global de gás natural liquefeito (GNL) e a Argentina tenha utilizado o yuan para pagar a dívida externa, é difícil ver isto como uma conquista da internacionalização do yuan. Isto ocorre porque as proporções do dólar em primeiro lugar e do euro em segundo lugar são muito grandes, 46,4% e 24,42%, respectivamente.

NDB do BRICS em ‘crise de sobrevivência’=Nos BRICS, a China também tem mostrado a sua presença na esfera económica através do NBD criado em 2015 com o objectivo de fornecer apoio financeiro para a expansão da infra-estrutura nos países em desenvolvimento. O financiamento total fornecido pelo NBD aos países em desenvolvimento foi de apenas mil milhões de dólares (aproximadamente 1,28 biliões de KRW) em 2017, mas aumentou para 30 mil milhões de dólares (aproximadamente 38,4 biliões de KRW) no início do ano passado.

No entanto, o Wall Street Journal (WSJ) informou recentemente que o NDB se encontra numa tal crise de sobrevivência que não consegue sequer emitir obrigações com o objectivo de refinanciar a sua dívida actual que está a vencer. O governo russo investiu 20% do capital, o que se tornou um problema no mercado de capitais global. Isto porque, no contexto da expulsão da Rússia da rede financeira internacional após a invasão da Ucrânia em Fevereiro do ano passado, poderia comprometer directa e indirectamente os fundos directamente relacionados com o NBD. Na verdade, os gastos financeiros do NBD através da emissão de obrigações no valor de 1,25 mil milhões de dólares em Abril deste ano são cinco vezes superiores aos de antes da guerra na Ucrânia. Em Junho, o rendimento das obrigações do NDB situou-se em 5,14%, enquanto os rendimentos das obrigações do Banco Asiático de Investimento (ADB) e do Banco Mundial (BM) foram tão baixos quanto 3,81% e 3,54%, respectivamente.

READ  FIME se concentra em dispositivos médicos indígenas... "Estabelecendo uma ponte para a América Latina"

Além disso, parece haver alguma confusão política. Na cimeira realizada no mês passado em Joanesburgo, África do Sul, os BRICS decidiram adicionar 6 países, incluindo Arábia Saudita, Irão e Argentina, como membros a partir de Janeiro do próximo ano. A análise dominante é que a China e a Rússia, que pressionaram pela expansão dos BRICS, venceram politicamente. Mas diz-se que a Índia deu a sua aprovação condicional, uma vez que o primeiro dia de negociações com o Brasil foi lento devido a divergências. Por fim, o anúncio da declaração conjunta da cimeira também foi adiado por um dia. Desde 2017, tem havido uma disputa territorial militar com a Índia, membro do BRICS, sobre a Caxemira. Além disso, os interesses económicos também estão em conflito, uma vez que a Índia prossegue abertamente a chamada estratégia “China mais um”, tirando partido da recente disputa geopolítica entre os EUA e a China. Muitos estão preocupados com a ausência do Presidente Xi na cimeira do G20 deste mês. Temos opiniões diferentes sobre a “moeda comum” vinda do Brasil. Enquanto a China procura expandir a influência do yuan, o Brasil propõe a criação de uma nova moeda comum.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *