[초점] Os Estados Unidos estão lutando para recuperar influência na América Latina

À medida que a China e a Rússia crescem em influência na América Latina, os Estados Unidos estão lutando para recuperar sua influência.  Fonte = Economia Global

A imagem é uma visualização ampliada

À medida que a China e a Rússia crescem em influência na América Latina, os Estados Unidos estão lutando para recuperar sua influência. Fonte = Economia Global

A América Latina é composta por 21 estados soberanos e independentes e vários territórios e colônias. As fronteiras da América Latina se estendem ao norte até o Mar do Caribe, a fronteira entre o México e os Estados Unidos e o extremo sul da América do Sul.

A área total da América Latina é cerca de 13% da área terrestre da Terra, perdendo apenas para a Ásia e a África. Tem uma população de aproximadamente 600 milhões e um PIB total de aproximadamente US$ 5,49 trilhões.

Na América Latina, as pessoas reclamam da estagnação econômica, da lacuna entre ricos e pobres e do agravamento da segurança pública e da corrupção. O fenômeno da rebelião contra a política estabelecida e a divisão da opinião nacional pelo populismo à esquerda e à direita continua.

Como resultado, nas eleições, nasce um regime de esquerda ou populista, mostrando um ciclo vicioso em que o poder do regime continua sem progresso.

Se essa tendência continuar, a ascensão das ditaduras na América Latina, a separação da Europa e dos Estados Unidos e a expansão da influência da China e da Rússia continuarão.

Os Estados Unidos não convidaram Venezuela, Nicarágua e Cuba para a cúpula em Los Angeles no início de junho, citando questões relacionadas à democracia ou direitos humanos. Em protesto, os presidentes do México, Bolívia, El Salvador, Honduras e Guatemala não compareceram à cúpula e tiveram chanceleres presentes como representantes.

Presidentes de esquerda da Argentina, Chile, Peru ou Caribe, que inicialmente estavam preocupados com sua ausência, compareceram ao evento.

A ausência de cúpulas intimamente relacionadas a questões de imigração, como o México, rebaixou o rosto de Biden, pois uma resposta regional coordenada à questão de imigração era uma tarefa importante da cúpula.

Como Biden, ele pretendia recuperar a influência na América Latina por meio da diplomacia democrática que defende valores e normas, mas a perspectiva de preparar o terreno para novas políticas latino-americanas entrou em colapso desde que o governo foi instalado.

Em muitos países da América Latina, a radicalização do regime e a agitação política estão se espalhando.

O presidente do México intensificou recentemente suas críticas à Comissão Nacional Eleitoral, e os presidentes da Guatemala e El Salvador também estão mostrando sinais de fortalecimento. Além disso, Porsonaro e Lula vão se enfrentar nas eleições presidenciais brasileiras que serão realizadas em outubro.

Além disso, a eleição presidencial colombiana em 19 de junho resultou na vitória do candidato de extrema esquerda Pedro e na perda dos Estados Unidos, um de seus aliados mais confiáveis ​​na América Latina, e preocupações com a deterioração das relações entre os dois países. Impacto da situação em torno da Venezuela.

Os EUA estão recuperando o poder perdido por meio da diplomacia de alianças na União Européia e na região da Ásia-Pacífico. Mas a América Latina não mostra sinais de recuperação.

É verdade que a reconstrução da democracia nos países latino-americanos é necessária e desejável, mas se a América não conseguir recuperar sua influência, não terá escolha a não ser esperar pela conscientização pública e esforços de auto-ajuda. Isso pode levar mais tempo.

Os esforços para manter a cooperação não são em vão. Mesmo nos países latino-americanos, mesmo os governos de esquerda têm que escolher com quem podem falar para não enfrentar mais os Estados Unidos. Se o antiamericanismo se espalhar, China e Rússia podem preencher a lacuna e aumentar sua força. A América do Sul é um tesouro de alimentos e recursos.

É verdade que, na Cúpula das Américas, Biden adotou a Declaração de Los Angeles, que fortaleceu as parcerias econômicas com os países da região para abordar questões de imigração e adotar um plano de ação em saúde, mobilização de investimentos, fortalecimento da cadeia de suprimentos e geração de empregos. Energia limpa, bom trabalho

Recomenda-se que os países do Caribe, particularmente da América Central, anunciem iniciativas como a cooperação em questões de mudança climática e aumentem as oportunidades de emprego por meio da expansão da atração de investimentos e da formação profissional.

No entanto, embora careça de especificidade e não se possa dizer que seja suficiente para influenciar o fenômeno latino-americano, esses esforços não são em vão.

Correspondente Park Jeong-han, Economia Global park@g-enews.com

READ  "Chamadas de amor" ocidentais, chinesas e russas இந்தியாவின் Crise na Ucrânia aumenta o resgate da Índia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.