A boca de Zelensky gera conflito. Wall Street Journal: “Críticas excessivas aos aliados são a raiz dos problemas.”

Em resposta à declaração: “A Polónia, que se opõe às exportações de cereais, está ao lado da Rússia”, o Presidente Paul respondeu, dizendo: “Eles estão a tentar afogar as pessoas que estão a tentar salvar”. Os Estados Unidos e os países europeus que os apoiam fazem frequentemente comentários provocativos. O que coloca a situação em risco.

O American Wall Street Journal informou no dia 24 (hora local) que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que é considerado um líder corajoso que demonstrou excelentes capacidades de comunicação, está a receber descontentamento de apoiantes poderosos devido às suas recentes declarações excessivas.

Na semana passada, o Presidente Zelensky visitou Nova Iorque para participar nas reuniões da Assembleia Geral das Nações Unidas e também visitou Washington para se reunir com líderes políticos americanos.

Num discurso na Assembleia Geral da ONU, Zelensky criticou duramente os países europeus que estavam em conflito por causa das exportações de cereais. “Eles dizem que apoiam politicamente, mas na realidade apoiam a Rússia”, disse ele.

Depois a Polónia, o maior apoiante da Ucrânia até agora, ficou furiosa. Ele acusou o presidente Andrzej Duda de tentar afogar pessoas, mesmo aquelas que estão tentando salvar.

Dois dias depois, Zelensky visitou Washington e recolheu a água derramada, sublinhando a sua gratidão pelo apoio prestado pelos Estados Unidos e pela Polónia.

As repetidas expressões de aborrecimento e gratidão de Zelensky devem-se à influência da política interna e internacional.

O método de comunicação de Zelensky, que viola as normas existentes, também está a causar uma reação negativa significativa. Ao quebrar a formalidade, responder automaticamente e mostrar honestidade, você recebe apoio e respeito. Por outro lado, obriga os políticos e diplomatas estrangeiros a estarem conscientes das vozes dos seus cidadãos.

READ  Tribunal Penal Internacional emite mandado de prisão contra Putin

Zelensky, um comediante e ex-ator que se tornou presidente, era praticamente desconhecido no cenário mundial, mas ganhou destaque com a invasão da Ucrânia pela Rússia.

◆Funcionários das Nações Unidas estão confusos com as alegações da dissolução do Conselho de Segurança

Nos últimos 18 meses, Zelensky envergonhou responsáveis ​​da ONU ao dizer que o Conselho de Segurança deveria ser dissolvido se não conseguisse fazer frente à Rússia, e provocou os políticos israelitas ao comparar a invasão russa ao Holocausto levado a cabo pela Alemanha nazi.

Numa entrevista em Maio passado, ele expressou raiva pelo ritmo lento do apoio do Ocidente, quando as vidas dos ucranianos dependem dele. Ele disse que conseguiu apoio, às vezes de forma dura e às vezes implorando.

Na cimeira da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), na Lituânia, em julho, Zelensky disse nas redes sociais que os membros da OTAN eram “sem precedentes e ultrajantes” na sua oposição à adesão da Ucrânia à OTAN.

Com o presidente dos EUA, Joe Biden, e as autoridades dos EUA irritadas com este assunto, sabe-se que o governo dos EUA tentou eliminar qualquer menção à questão da adesão da Ucrânia da declaração conjunta da cimeira da NATO.

Na altura, o secretário da Defesa britânico, Ben Wallace, afirmou que Zelensky era “importante para convencer políticos relutantes noutros países”.

No dia seguinte, Zelensky declarou que a cimeira foi “um sucesso de grande importância para a Ucrânia”. Vangloriou-se de que a delegação ucraniana estava a regressar a casa com “grandes conquistas em matéria de segurança” e que “o ambiente de segurança mudou completamente”.

No dia 21, Zelensky falou aos legisladores norte-americanos em Washington e explicou porque é que o apoio da Ucrânia aos Estados Unidos era importante.

READ  O navio de guerra da Frota Russa do Mar Negro afundou, Moscou, ... Ataque de mísseis Kiiwu foi reforçado

◆Durante a Segunda Guerra Mundial, o presidente francês De Gaulle também ficou muito irritado.

Nunca é fácil liderar um país que foi invadido, está em guerra e os seus cidadãos estão sob constante ameaça. O ex-presidente francês Charles de Gaulle frequentemente ficava irritado, apesar de receber apoio maciço durante a Segunda Guerra Mundial.

É verdade que o estilo de comunicação de Zelensky tem sido de grande ajuda para a Ucrânia desde o início da guerra. “Esta pode ser a última vez”, disse ele numa videoconferência com líderes da União Europeia. As autoridades que ouviram o discurso na altura dizem que foi um discurso muito comovente e que levou a União Europeia a fornecer imediatamente um apoio generalizado.

Desde então, Zelensky e sua equipe de relações públicas destacaram a aparência de Zelensky em uniforme militar cáqui, em contraste com Vladimir Putin. Esta visibilidade também desempenhou um papel importante no fortalecimento do apoio local. Num vídeo nas redes sociais filmado no centro da Ucrânia, no Dia da Independência da Ucrânia, no mês passado, Zelensky agradeceu aos soldados, professores, enfermeiros, crianças e técnicos que lutaram contra a invasão russa.

Ele disse: “Obrigado a todos que estão esperando o retorno de seus entes queridos do front, a todos que oram por eles todos os dias e a todos que estão interessados ​​​​em ouvir a resposta quando ligam ou enviam uma mensagem de texto: Como você é? “E eu digo ‘Estou indo tão bem!’ ‘Estou fazendo isso'”, disse ele.

[서울=뉴시스]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *