A órbita da Estação Espacial Internacional é possível sem cooperação russa – Sciencetimes

A guerra prejudica a ciência e a humanidade

A invasão russa da Ucrânia destrói muita ciência. Embora o espaço seja atualmente um dos únicos lugares onde os cientistas russos continuam a colaborar com outros pesquisadores internacionais, a guerra do egoísmo humano está tendo um efeito devastador na ciência que será feita com os humanos no futuro.

Um exemplo típico é o conflito entre a Agência Espacial Européia (ESA) e a Agência Espacial Russa (ROSCOSMOS). A Agência Espacial Européia já descartou a cooperação com a Rússia de seus segundos Exomas e missões lunares (veja o artigo relacionado aqui: Artigos Relacionados 1E a Artigos Relacionados 2E a Artigos Relacionados 3), e vários países ocidentais impuseram várias sanções econômicas à Rússia e começaram a fornecer ajuda militar à Ucrânia ao mesmo tempo. A Agência Espacial Russa se opôs veementemente a isso e ameaçou a Europa e os Estados Unidos. Especificamente, no campo científico, a Rússia alertou contra a exclusão das atividades russas da Estação Espacial Internacional (ISS).

Foto da segunda missão ExoMars a pousar em Marte © ESA

Putin alerta a Rússia sobre a possibilidade de se retirar da Estação Espacial Internacional até 2025

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que a Rússia poderia se retirar da Estação Espacial Internacional até 2025, enquanto o diretor espacial russo, Dmitry Rogozin, alertou que, se a Rússia deixar a Estação Espacial Internacional, a Estação Espacial Internacional será deslocada e eventualmente cairá na Terra.

Para referência, a Estação Espacial Internacional foi construída e operada em conjunto pelos Estados Unidos e pela Rússia. A Estação Espacial Internacional, que pesa mais de 444 toneladas e ainda está em tamanho, orbita a Terra a uma altitude de cerca de 418 km a cada 93 minutos. Este caminho não é seguro. Isso ocorre porque a resistência da atmosfera diminui a partir da altitude em cerca de 2 km por mês. Portanto, periodicamente, a Estação Espacial Internacional deve ser elevada a uma órbita mais alta. (re-reforço ou reforço: chamado re-reforço, reforço)

READ  [건강톡톡] Tiro na cabeça, concussão?

Os Estados Unidos são responsáveis ​​por operar os sistemas de fornecimento de energia e suporte à vida da Estação Espacial Internacional. Por outro lado, a Rússia usa a espaçonave Progress para fornecer impulso para que a Estação Espacial Internacional possa permanecer em órbita e ajustar sua órbita periodicamente. Portanto, se as atividades da Rússia forem excluídas, a Estação Espacial Internacional não poderá permanecer em órbita, o que pode representar um grande perigo para a Terra.

Estação Espacial Internacional (ISS) © NASA

Navio de carga Cygnus revela a possibilidade de controlar a órbita da Estação Espacial Internacional sem ajuda russa

Como tal, o destino da Estação Espacial Internacional agora depende da diplomacia internacional. Portanto, os Estados Unidos e a Europa não poderiam tomar uma decisão mais dura e suspenderam sua decisão por um tempo. Mas no final de junho, a espaçonave de carga Northrop Grumman Cygnus ganhou a capacidade de controlar a órbita da Estação Espacial Internacional sem a cooperação da Rússia, trazendo boas notícias para cientistas nos Estados Unidos e na Europa.

Navio de carga Cygnus em Northrop Grumman © NASA

A Northrop Grumman fornece recursos aprimorados com uma nave de carga Cygnus atualizada ancorada na Estação Espacial Internacional desde fevereiro. Cygnus terminou o primeiro teste em apenas 5 segundos em 20 de junho, mas foi impulsionado em 5 minutos e 1 segundo em 25 de junho, elevando a altitude da ISS em cerca de 161 metros e em um ponto próximo (a distância mais próxima da Terra). Ele conseguiu transferi-lo para uma órbita mais alta de 805 m. O navio de carga Cygnus atualizado pode fornecer a mesma potência de saída que seu antecessor, mas possui um sistema de energia solar mais leve, permitindo que objetos mais pesados ​​sejam carregados.

Navio de carga Cygnus em Northrop Grumman © NASA

Impulsionar a ISS com Cygnus ajudará a manter e apoiar a ISS naturalmente, permitindo assim os futuros esforços de exploração espacial da Cygnus, disse Steve Keren, vice-presidente de sistemas espaciais civis, comerciais e táticos da Northrop Grumman. Ele explicou que poderia dar uma olhada neles.

READ  Re-infecção com o vírus Corona causa mais um problema de saúde

(1388)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.