A regeneração da floresta tropical compensa apenas uma fração das emissões de desmatamento (2).

[이미디어= 황원희 기자] Luis Aragon, chefe do Departamento de Observação da Terra e Geologia do Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais (INPE) e coautor do estudo, disse que é uma boa oportunidade para o governo brasileiro ficar de olho na área de recuperação. Na Amazônia. Segundo ele, uma nova política de recuperação de terras degradadas fará do Brasil um líder mundial no debate geopolítico sobre desenvolvimento sustentável. O novo presidente do Brasil prometeu reverter os danos causados ​​por políticas anteriores na agenda ambiental.

Programas para restaurar o controle estadual das florestas tropicais para evitar o desmatamento já estão em vigor, como a revitalização do Plano de Ação para Evitar o Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm), esforços estão em andamento para proteger as florestas secundárias e terras degradadas. O plano ainda não está claro. Hoje, cerca de 17% das florestas da Amazônia foram desmatadas e os outros 17% estão sendo degradados de várias maneiras devido a incêndios, extração seletiva de madeira e outras perturbações humanas. O Brasil é o quinto maior emissor mundial de gases de efeito estufa, já que a mudança no uso da terra contribui amplamente para as emissões de gases de efeito estufa por meio do desmatamento e da queima de vegetação nativa para agricultura.

Em resposta, os pesquisadores relataram que a Amazônia tem diferentes cenários de degradação e possui tecnologia para identificar áreas com maior e menor potencial de regeneração. Por exemplo, áreas com baixo potencial agrícola e alto potencial de recuperação podem ser identificadas, portanto, proteger essas áreas deve ser uma prioridade para aumentar os sumidouros de carbono por meio do crescimento florestal. Ele também observou que reduzir o desmatamento e conservar florestas secundárias e terras degradadas seria um atalho para alcançar rapidamente emissões líquidas zero no setor de terras. De fato, um estudo publicado em 2018 constatou que, além de sua capacidade de compensar as emissões de carbono do desmatamento, as florestas secundárias na Amazônia podem restaurar 88% da riqueza e diversidade de espécies em comparação com as florestas primárias.

READ  96 bilhões de won para jovem de 17 anos → Chelsea louco de novo → Lá vamos nós Repórter Eles “contratam o jovem Messi do Brasil”

Enquanto isso, na COP27, um grupo de pesquisadores do Amazon Science Panel (SPA) apresentou uma estratégia complexa para fortalecer as políticas públicas existentes, desenvolver novas políticas, fortalecer a capacidade da comunidade, restaurar de forma sustentável terras agrícolas envelhecidas e proteger áreas mal atendidas até 2030. As oportunidades mais importantes para restauração em larga escala e baixo custo estão concentradas em florestas públicas recentemente degradadas, áreas protegidas e terras nativas, onde existem florestas primárias saudáveis ​​e a regeneração natural é possível sem intervenção humana, dizem os especialistas. Especialistas destacam a urgência da implementação de políticas públicas voltadas para a proteção da maior floresta tropical do mundo.

[저작권자ⓒ 이미디어. 무단전재-재배포 금지]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *