Continua girando como um pião… Erdogan é mesmo o maior beneficiário da OTAN?

O protagonista da cúpula da OTAN na Lituânia na semana passada foi, sem dúvida, o presidente turco Erdogan. Isso ocorre porque a Suécia se opôs à adesão à OTAN o tempo todo, mas de repente a aceitou. Os países membros, incluindo os Estados Unidos, ficaram surpresos e encantados. Os golpistas dizem que Erdogan de repente deu as costas a Putin e abraçou Biden.

Foi diferente até o início de julho. Quantas vezes Erdogan atacou a Suécia, que protege os curdos anti-turcos? Foi o carro que deu continuidade aos protestos do mundo muçulmano pela queima do Alcorão por uma seita de extrema-direita na Suécia. Embora Erdogan tenha permitido que a Finlândia se juntasse à OTAN, ele não quebrou sua insistência de que não seria tão bom quanto a Suécia. No meio disso, ele mudou repentinamente de postura. O que você estava pensando quando fez essa mudança repentina?

Gráficos = Hakyung Kim
Gráficos = Hakyung Kim

Em primeiro lugar, a crise econômica era séria. Era necessário restaurar o curso pró-ocidental. A inflação no ano passado se aproximou de 80%. A lira caiu para o nível mais baixo de todos os tempos e vidas estão sendo devastadas para os pobres, que são tradicionalmente apoiadores de Erdogan. A economia está vacilando devido aos cortes nas taxas de juros e à expansão do populismo financeiro antes das eleições. Persistem os alertas de que, se não voltarmos ao normal agora, cairemos em uma crise incontrolável. É uma situação em que a Coreia precisa superar a crise por meio da cooperação econômica com os Estados Unidos e a Europa. Após a cúpula, houve notícias da liberação de vistos de entrada para cidadãos turcos na Europa e da ampliação do acordo de livre comércio com a União Européia.

Em segundo lugar, não pude deixar de me interessar pela cena política local. O sentimento geral que surgiu nas eleições presidenciais de maio não foi fácil. Erdogan venceu. A maioria das pesquisas de opinião previa a vitória do candidato da oposição. Na votação final, ele venceu com o placar de 52:48, mas quase metade das pessoas foi contra. Foi muito diferente da atmosfera da eleição presidencial de 2018, que obteve uma vitória esmagadora. Foi devido à crise econômica e à teoria da resposta ao terremoto, mas também está relacionado à linha de política nacional. Em particular, os círculos urbanos e costeiros apoiam uma linha pró-europeia com tendências opostas. A opinião pública está gradualmente se inclinando nessa direção. Em troca de permitir que a Suécia se juntasse à OTAN, Erdogan recebeu a promessa de uma recompensa por acelerar sua adesão à União Europeia. Para além dos tradicionais apoiantes, estava agora legitimada a vontade de assegurar a estabilidade política apaziguando a oposição.

READ  Disseram-me para ter apenas um filho... Relatório chocante de que a população da China caiu pela metade

Terceiro, a situação geopolítica no Oriente Médio também está mudando. Foi Erdoğan quem implementou a chamada política do Oriente Médio, concentrando-se no Oriente Médio e não na Europa. No dia 10 de março, com a normalização das relações diplomáticas entre a Arábia Saudita e o Irã, ocorre uma mudança no panorama regional. Foi a Turquia que sonhou com um equilíbrio de poder tripartido, aproveitando o fosso do conflito entre a Arábia Saudita e o Irão. De fato, tem trabalhado para ampliar gradativamente o alcance de sua intervenção militar no Oriente Médio em cooperação com o Qatar, e tem mostrado sua presença em áreas de conflito como a Síria e a Líbia. No entanto, devido à intensa competição entre os Estados Unidos e a China no Oriente Médio e a súbita détente no Oriente Médio, o espaço de manobra da Turquia está diminuindo. Como resultado, parece estar brincando com a tradicional rota diplomática européia novamente.

Quarto, a variante americana. Biden, que se encontrou com Erdogan nesta cúpula, avaliou-a como uma “reunião histórica”. Foi um relacionamento difícil apenas dois meses atrás. Durante a eleição presidencial turca, o consenso geral era que a Casa Branca esperava, no fundo, que Erdoğan perdesse a eleição. Erdogan, que é aliado, mas não participa das sanções anti-russas e se comunica estreitamente com Moscou, não se sente à vontade. Questões de direitos humanos também eram difíceis. No entanto, nesta reunião, Erdogan reafirmou o apoio de segurança dos EUA. Espera-se que seja equipado com kits de atualização de modernização para 80 aeronaves existentes, incluindo caças F16. Os Estados Unidos, alarmados com o súbito movimento da Arábia Saudita e de Israel, contentaram-se com isso. É um feito muito atraente para Biden, que se preocupa com a falta de avanços diplomáticos visíveis antes da eleição do ano que vem. Erdoğan jogou o jogo de lucrar com os Estados Unidos jogando as cartas suecas. Putin, que assumiu o crédito por Erdogan, se sentirá derrotado.

READ  푸틴이 베이징올림픽에서 러시아 국기를 볼 수 없는 까닭

Erdogan ganhou muito com esta cúpula da OTAN. Conseguiu mitigar a oposição doméstica ao obter luz verde para aderir à União Europeia. Ele abriu um fôlego para superar a crise econômica, e o apoio de segurança dos Estados Unidos também foi claro. E enquanto ele estava sofrendo teimosamente, quando a OTAN ficou desesperada, ele a agarrou e aproveitou a adesão da Suécia como alavanca. Claro, também há comentários sarcásticos de que ela rapidamente mudou de lado de forma oportunista, à medida que a situação de guerra desfavorável para a Rússia emergia gradualmente.

A transformação de Erdogan deixa uma impressão duradoura. Em outras palavras, o valor do Islã, promovido como uma política de Estado, acaba sendo empurrado para trás diante do interesse nacional. A decisão de Erdoğan de aceitar a Suécia, apesar da controvérsia sobre a queima do Alcorão, é incomum e normal. Mostra que ideologia e valores podem ser subunidades se necessário diante do interesse nacional. Os Estados Unidos também. Apesar da controvérsia sobre o comportamento autoritário e a supressão dos direitos humanos, Biden segurou a mão de Erdogan. É por causa da urgência de abraçar os estados intermediários para vencer a batalha contra os modificadores do status quo liderados pela China e pela Rússia. É por isso que os Estados Unidos estão concentrando seus esforços na Arábia Saudita novamente.

As opiniões estão divididas sobre o futuro de Türkiye. Alguns analisam que Erdogan voltou para os braços do Ocidente. Olhando para o ambiente interno e externo e para a situação econômica, a Turquia está focada em avaliar que terá que cooperar com os Estados Unidos e a Europa no futuro. Por outro lado, alguns comparam o movimento de Erdoğan a uma dança de balé (um movimento que gira como o pião em torno de uma perna como um eixo central). Ao contrário de um pivô em que um pé é usado como pivô e o outro pé é movido estrategicamente após um cálculo feroz, isso significa que o centro está em constante mudança. Não podemos apenas criticar a situação de lucro respondendo à situação. A flexibilidade é certamente uma virtude útil. No entanto, mudanças frequentes nas atitudes também minam a confiança. Você pode vencer batalhas curtas, mas dificultar a vitória final. Que escolha Erdogan fará no futuro?

READ  A fonte "Roman Holiday" ficou preta... O que aconteceu na Praça de Espanha?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *