Entrevista com Diogo Monteiro

 

Sendo já uma referência no mundo do Crossfit, Diogo Monteiro, conta com uma larga experiência como Personal Trainer e gestor de grandes cadeias neste sector.

Tendo iniciado a sua carreira nos Fuzileiros, onde esteve 4 anos, muito cedo ganhou o gosto pelo fitness e mudou-se para Inglaterra onde teve muito sucesso e reconhecimento na área desportiva.

Fortemente motivado e com a sua capacidade empreendedora, rapidamente decidiu tirar uma licenciatura em Gestão de Negócios, em Cambridge, e aprofundar conhecimentos que lhe permitiram juntar o mundo dos negócios ao mundo do fitness.

Diogo Monteiro é dos poucos portugueses a ter uma das mais altas qualificações dadas pela CrossFif – Coach Nível 3 da CrossFit – para colocarmos isto em perspectiva, actualmente existem no mundo milhares de treinadores de CrossFit e apenas 0,7% destes são qualificados com este nível.

De regresso a Portugal abre em Cascais o Crossfit Black Edition, junto ao Cascais Shopping, que se torna numa das Boxes mais importantes de Portugal. O Crossfit Black Edition é uma referência nacional e internacional, tanto a nível de inovação como de formação.

 Portal Cascais (PC) foi tentar conhecer melhor Diogo Monteiro (DM) e o mundo do Crossfit.

PC – Diogo, como entrou o Crossfit na sua vida?

DM – Eu já trabalho na área há mais de 10 anos, estive ligado ao mundo dos grandes Health Clubs em Portugal e em Inglaterra. Toda a vida fiz questão de me manter em forma, portanto sempre fui assíduo praticante no ginásio.

Contudo, nos últimos anos começou a ficar complicado treinar no Health Club que geria. As interrupções de staff e de clientes eram uma constante. E desse ponto de vista o meu tempo pessoal ficava comprometido.

Neste sentido, comecei a procurar outro sítio para poder treinar e foi aí que vi uma Box de CrossFit em Norwich, o CrossFit Gain, e decidi experimentar pois tinha semelhanças aos meus treinos militares e isso interessou-me.

Quando experimentei pela primeira vez fiquei de rastos e lembro-me perfeitamente que pensei para mim “como é que ainda não tinha descoberto esta modalidade. Era diferente do que estava habituado, principalmente o ambiente relaxado, amigável e a forma fantástica de treinar com esta metodologia diferente“.

PC – O que mais o apaixonou nesta modalidade?

DM – Sem dúvida, as pessoas! Este foi um dos pilares que na estrutura Crossfit mais me atraiu. Poder treinar sempre com pessoas que conheço e com quem criei relações, num local onde me identifico é fantástico.

Outro pilar foi a metodologia e o Coaching, não tem comparação, não existe maior satisfação do que esta. Ter a possibilidade de treinar coisas diferentes todos os dias,  onde encontramos elementos de ginástica, halterofilia, condição física geral e um Coach permanente, que nos ajuda a melhorar a nossa qualidade técnica, sempre disponível, a motivar-nos e a elevar as nossas capacidades para outro nível, sempre de uma forma segura e adequada às nossas características.

PC – Quais considera serem os melhores benefícios na prática do Crossfit?

DM – Existem inúmeros benefícios mas resumidamente  identificamos duas áreas de impacto imediato: Físicos e Psicológicos.

A nível físico estamos a dar oportunidade às pessoas, sedentárias ou não sedentárias, de recuperar a sua condição física geral, o que por si só irá dar a uma melhor qualidade de vida independentemente da sua idade.

Sabemos que o tipo de metodologia que aplicamos permite transformar a nossa composição corporal. Não podemos esquecer que o factor nutricional também contribui para a aquisição de resultados, ou seja, menores níveis de massa gorda e aumento dos níveis de massa magra.

As pessoas hoje em dia levam vidas extremamente solitárias, passamos horas a olhar para a palma das mãos com o olhar fixo num ecrã  minúsculo e sem dúvida alguma a este nível a Crossfit Black Edition orgulha-se de ter uma comunidade de praticantes muito unida.

É praticamente impossível a nível psicológico não ter benefícios, ou porque superou os seus medos, ou fez novas e verdadeiras amizades, ou consegue fazer algo com que sempre sonhou e tudo isto acompanhado por amigos que o conhecem pela pessoa que é realmente.

PC – Existindo uma nova cultura corporal que leva tantas pessoas a querer perder peso e manter uma silhueta invejável, considera o Crossfit a melhor solução?

DM – O CrossFit tem se focado na saúde através do aumento da capacidade de trabalho no menor tempo possível e a consequência deste tipo de metodologia de treino resulta em níveis de composição corporal extremos.

Os estudos demonstram que aos benefícios hormonais criados pelo efeito do treino a alta intensidade são aqueles que os alunos mais procuram. Contudo esse não é o nosso foco apesar de sabermos da consequência positiva do mesmo.

PC – No Crossfit é necessário alguma alimentação especial para obter melhores resultados físicos? Faz alguma dieta especial?

DM – Existem várias dietas associadas à prática do desporto. Nós recebemos pessoas com dietas Cetogénicas, Paleo, Vegan, entre outras. No sentido de saúde e bem estar qualquer  destas dietas será aceitável desde que respeite os seus parâmetros.

Somos apologistas do equilíbrio e diversidade alimentar, desde que a pessoa consiga seguir a sua dieta e manter um equilíbrio energético adequado à nossa prática.

No entanto aconselhamos a procura de um profissional (Nutricionista)  que realmente ajude as pessoas a atingir os seus objectivos tendo em conta o seu estilo de vida.

PC – Todas as pessoas podem praticar o Crossfit, independentemente da idade ou limitações físicas?

DM – Sem dúvida! Temos desde crianças com 5 anos a pessoas com mais de 65 anos a praticar CrossFit. A ideia de adaptação às capacidades de cada pessoa, e de que cada um tem a sua intensidade individual, é o que nos permite ter atletas de alto nível com pessoas que nunca praticaram a modalidade. Estão na mesma aula, a fazer o mesmo treino. Tem tudo haver com a adaptação.

É sem dúvida um ambiente extremamente giro, para dar um exemplo, não seria a primeira vez que na mesma aula temos filho, mãe e avô a fazerem o mesmo treino (adaptado as suas capacidades, claro).

Isto significa que se existirem limitações físicas também se pode adaptar o treino,  trabalhamos muito com reabilitações, pós-operatórios ou mesmo com deficiências motoras.

PC – Qual a melhor idade para começar?

DM – O nossos alunos mais novos tem 5 anos. A ideia é criar o hábito do exercício físico nas  futuras gerações, assim como  promover um estilo de vida saudável, por isso, quanto mais cedo melhor.

PC – Que conselho daria a alguém que quer começar a praticar Crossfit?

DM – Não tenham receio! A nossa Box está desenhada para acomodar pessoas completamente novas à modalidade, sendo sedentárias ou não. Temos uma aula específica de Fundamentos criada exactamente para esse efeito onde os “novatos” passarão pelo menos 2 a 3 semanas antes de irem para uma aula regular.

A ideia é garantir que a pessoa possa melhorar padrões motores de uma forma segura e eficaz, ao mesmo tempo dando uma confiança gradual, para que se sinta confortável no nosso ambiente. É só contactar-nos e marcar uma aula experimental.

PC – Muitas vezes há a ideia que o elevado grau de exigência do Crossfit pode causar lesões nos praticantes, qual a sua opinião?

DM – Tenho a dizer que isso é uma ideia errada, existe a probabilidade de acidentes em todas as modalidade. No entanto posso falar da nossa box, que tem centenas de atletas, e  afirmar que temos uma taxa de lesões quase nula.

Só a titulo de curiosidade, a maior parte dos nossos praticantes que se lesionam acontece fora da box, normalmente no jogo de futebol ao Domingo.

Esta temática é um factor importante, daí ter sempre optado por ter escolhido profissionais qualificados e isso dá-nos um certificado de qualidade que reduz o factor de lesão.

PC – E quais os principais benefícios para a saúde?

DM – O CrossFit por definição é um programa constantemente variado, com movimentos funcionais feitos a alta intensidade, e isto por si trás imensos benefícios fisiológicos.

As 10 capacidades físicas desenvolvidas pelo CrossFit são: Desenvolvimento Cardiorrespiratório, Força, Flexibilidade/Mobilidade, Potência, Velocidade, Coordenação, Agilidade, Equilíbrio e Precisão de Movimentos.

Simplesmente  elevamos o leque motor dos nosso alunos e consequentemente melhora a saúde das pessoas a longo prazo, diminuindo doenças cardiovasculares e os níveis de obesidade. Não nos interessa que se viva só mais tempo mas sim, viver mais tempo e com maior qualidade.

PC  – Tendo vivido alguns anos em Inglaterra, onde alcançou uma carreira de sucesso, porquê o regresso a Portugal e a aposta em Cascais?

DM – Aprendi imenso em Inglaterra! O mercado inglês é sem dúvida o mais maduro e desenvolvido da Europa, estamos a falar ao nível de formação, dos profissionais e do negócio do fitness em geral. Diria mesmo que o mercado inglês está muitos anos à frente de todos os outros em relação à Europa.

Sempre quis voltar para Portugal, e depois de fazer vários estudos de mercado, verifiquei que Cascais correspondia às minhas expectativas nacionais e internacionais, era um mercado emergente e com várias nacionalidades. Além de fazer sentido economicamente, também fazia sentido para mim a a nível cultural.

A nível empresarial considero que tenho algumas vantagens vindo do mercado inglês e Cascais encaixava com os objectivos que tinha.

PC – Quais os principais desafios que encontrou na abertura do Crossfit Black Edition em Cascais?

DM – Sem dúvida, encontrar o espaço correto, mas como digo com persistência e motivação tudo se faz. Os outros desafios estão relacionados com os tabus que a modalidade tem e desmistificá-los, mostrar à comunidade de Cascais o porquê do CrossFit ser fantástico e o porquê de tomarem a opção correta de se juntarem à nossa família.

PC  – Sendo hoje o Crossfit Black Edition um dos maiores sucessos nacionais da modalidade quais os próximos desafios?

DM – Bem, temos algo na manga para estes próximos 2 anos, não queremos revelar já, mas como tivemos um grande impacto nacional, com a nossa box no mercado do fitness, a ideia é novamente recriar o mesmo conceito nos próximos projectos.

PC – Como vê o fenómeno actual do Crossfit em Portugal? E nos próximos anos?

DM – Este sem dúvida está a crescer e isso é devido aos fantásticos profissionais de todo o país que batalham todos os dias para que a nossa sociedade se torne mais consciente e saudável.

Está a ver-se uma grande tendência das pessoas fugirem dos grandes espaços comerciais, como os Health Clubs e procurarem algo como nós. As pessoas querem sentir que fazem parte de algo, querem relacionar-se com outras pessoas e ao mesmo tempo terem resultados. Os programas tradicionais simplesmente não estão a satisfazer muitos dos clientes, enquanto  que nós garantimos resultados!

PC  – E quais os  próximos desafios pessoais?

DM – Pessoalmente eu e a minha esposa, que é a minha parceira no nosso negócio e sem a qual nada disto seria possível, estamos a olhar para o futuro do mercado do Fitness em Portugal e percebemos que este não passa sem apoios e ajudas governamentais.

Neste sentido é nosso objectivo continuar a divulgar cada vez mais a nossa modalidade mas também, auxiliar os profissionais portugueses a terem as ajudas e apoios necessários para elevar os níveis de saúde da sociedade portuguesa.

Somos a primeira box a querer aliar-se às entidades reguladoras da nossa indústria e ajudar a que realmente existam mudanças positivas para todos os intervenientes interessados nesta causa.