Global Geral: Internacional: Notícias: Hankyoreh

O secretário-geral da Organização Mundial da Saúde censura um vídeo criticando a ausência do vírus Corona
O ex-diplomata ucraniano também apagou comentários sobre “a Rússia está perdendo”.

O diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus fala durante uma coletiva de imprensa na sede da Organização Mundial da Saúde em Genebra, Suíça, no dia 10 (horário local). Site da Organização Mundial da Saúde

A China censurou um videoclipe das declarações críticas da Organização Mundial da Saúde sobre a política de “coroa zero” e excluiu as declarações de um ex-diplomata chinês que esperava que a Rússia perdesse a guerra na Ucrânia. Parece que a China fechou os ouvidos e silenciou a boca diante de diferentes vozes sobre questões importantes no país e no exterior. No dia 10 do mês, as Nações Unidas enviaram um vídeo para a conta do Weixin, um site de mídia social chinês, contendo as declarações do secretário-geral da Organização Mundial da Saúde, que disse: “A política chinesa de não corona não é sustentável”, mas logo foi deletado. “O vídeo foi removido de acordo com as regras”, disse Weixin nesse segmento. No mesmo dia, as Nações Unidas também publicaram uma frase em que a Organização Mundial da Saúde indicava que a política da China sobre o Corona não é viável, mas não foi excluída. E parece que a exclusão do vídeo não teve a intenção de obscurecer completamente as notas. As declarações do secretário-geral das Nações Unidas, Tedros Adhanom Ghebreyesus, receberam significativa atenção internacional. Embora isso seja uma resposta a uma pergunta de uma entrevista coletiva, é raro que um chefe de ação internacional de saúde expresse uma visão crítica da política de saúde de um país. Ele mostrou uma atitude amigável em relação à China no início da crise de Corona 2020 e foi criticado por ser pró-China. Quando essas declarações foram tornadas públicas, as autoridades chinesas mobilizaram o Ministério das Relações Exteriores e a mídia estatal para criticá-las. “Esperamos que os indivíduos relevantes tratem a política de quarentena da COVID-19 da China de forma objetiva e racional. Espero que possamos aprender mais sobre os fatos e não fazer comentários irresponsáveis”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em uma entrevista regular no 11º dia. Na manhã do dia 12, a mídia estatal inglesa publicou, por meio de um artigo na homepage, uma avaliação de especialistas de que a OMS nunca havia repreendido os países ocidentais e indicou o viés da declaração.

Mais cedo, o presidente chinês Xi Jinping disse em uma reunião do Comitê Permanente do Politburo, a reunião mais alta da China, no quinto dia: “O atual trabalho de quarentena é um contra-movimento. Faça”. A China também não permite outras opiniões sobre a invasão russa da Ucrânia. Gao Yucheng, que serviu como embaixador da China na Ucrânia de 2005 a 2007, disse em um recente simpósio organizado pelo 30º Fórum da China sobre Finanças Internacionais e Gestão de Estudos Internacionais da Academia Chinesa de Ciências Sociais, que a derrota da Rússia na guerra da Ucrânia é apenas uma questão de tempo. O fórum postou as notas de Zhao sobre Weixin no dia 10, mas logo foram deletadas. Zhao disse: “Depois que a guerra começou, a situação mudou radicalmente. A Ucrânia está resistindo muito. O fracasso da Rússia em agir rapidamente é o começo da derrota. “É difícil para Putin travar guerras que custam milhões de dólares por dia”, disse ele. Correspondente Hyeonjun Choi em Pequim haojune@hani.co.kr

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.