Hellblade 2, um jogo de arte que combina com seus gostos, como filmes de arte


Hellblade 2, um jogo de arte que combina com seus gostos, como filmes de arte
2024.05.21 17:30 Meca Jogo Repórter Kim Hyung Joong

▲ Imagem da tela inicial do Hellblade 2 (Imagem: Mecca Game)

“Hellblade: Senua’s Sacrifice” foi lançado pela primeira vez em 2017 e recebeu críticas positivas da mídia e da crítica por sua excelente representação da esquizofrenia, que até então era considerada um tabu. Porém, alguns apontaram que não era muito popular devido à falta de diversão como jogo e à sua história difícil. Especialmente na seção de batalha, houve mais críticas negativas do que positivas.

Tive a experiência de jogar Hellblade por causa da análise acima, mas não consegui ver o final. Fiquei com muito medo por causa do ângulo de visão estreito e do fundo escuro e, por estar com medo, entrei no Labirinto de Odin e finalmente desisti. A sequência de Hellblade, Senua’s Saga: Hellblade 2, será lançada no dia 21 deste mês. Este repórter obteve o jogo do Xbox antes de seu lançamento, e conseguiu chegar a um final não visto no jogo anterior.

Um jogo que se concentra em visuais bonitos e distintos e estilo cinematográfico.

O elemento que mais senti ao jogar Hellblade 2 foi a beleza visual. Beleza visual não significa apenas gráficos bons e realistas. Inclui todos os elementos de beleza da imagem, como a disposição dos objetos na tela, a implementação das sombras e o brilho da luz. Hellblade 2 abandona corajosamente alguns clichês de jogos comumente usados ​​​​em prol da beleza visual.

Um exemplo representativo é o HUD. O jogo, como seu antecessor, removeu todo o HUD, de modo que o minimapa, a barra de saúde e o medidor de habilidades especiais não são exibidos diretamente de fora. Em vez disso, a força física é expressa pela forma como a visão fica vermelha quando atingida, e as habilidades especiais são expressas pela forma como o espelho que você possui brilha. Hellblade 2 foi projetado para ter uma proporção de tela de 2,39 para 1, deixando uma área relativamente grande (letterbox) na parte superior e inferior da tela normal, dando-lhe uma sensação de filme. A ausência da tela do HUD e a presença da caixa de correio deram a sensação de assistir a uma cena de um filme durante o jogo, o que é uma experiência única.

▲ Este é um jogo com estrutura semelhante a um filme e cena de batalha (Foto: Mecca Game)
▲ Batalha sem tela (Imagem: Mecca Game)
▲ Tela ao vivo, caixas de correio superior e inferior são muito grandes (Foto: Mecca Game)

Produzido com regras cinematográficas, Hellblade 2 ofereceu grande beleza visual, tornando-o um dos melhores jogos que já joguei. Foi absolutamente lindo em termos visuais, incluindo as expressões faciais do personagem principal, o movimento natural de luz e sombra, o cenário selvagem apresentado com uma visão aberta em vez de uma parte superior e inferior curtas, e o banquete de luzes que se desenrolava no subsolo. Retratar a natureza desolada, mas ainda quente, ou ver luzes fluindo através de um espaço escuro enquanto explora o submundo é memorável o suficiente para durar muito tempo.

Mas talvez por adotar esse estilo cinematográfico, carece de interatividade como jogo. Não existem tutoriais ou textos explicativos comuns a todos os jogos. Até o vídeo cinematográfico é composto pelo motor do jogo, então não há interrupções ou constrangimentos, mas não parece claro quando você pode controlar o personagem. Parece ser uma tentativa de aumentar a imersão no jogo, excluindo ousadamente explicações externas, como cartas tutoriais e diários, comuns em jogos, mas raras em filmes. No entanto, também acho necessário fornecer pelo menos instruções como: “Se você pressionar o botão de interação na área branca, poderá escalar a cerca”.

▲ Na vasta e desolada região selvagem, a beleza e os detalhes do vídeo são incríveis (Foto: Mecca Game)
▲ Na área subterrânea, o conjunto de luzes visíveis no escuro é lindo (Imagem: Mecca Game)
▲ Grande esforço foi feito para descrever objetos, movimentos de personagens, etc. (Imagem: Jogo Meca)

Uma excelente descrição da esquizofrenia e uma narrativa pobre por causa disso

READ  A primeira detecção de um buraco negro no centro da Via Láctea ... "um passo para a difícil tarefa de formação e evolução de galáxias"

Hellblade 2 apresenta quebra-cabeças e combate, mas como é um jogo baseado em uma história, a história é o mais importante. Porém, o tema principal é a “esquizofrenia”, e tem a desvantagem de ser de difícil compreensão porque alucinações e alucinações auditivas são constantemente ouvidas. Tal como nas duas obras anteriores, estas duas obras dificultam ao jogador distinguir entre realidade e mentira nos acontecimentos que ocorrem. A boa notícia é que, diferentemente dos trabalhos anteriores, aparecem “personagens vivos”. A esquizofrenia não é contagiosa, então se você visse a mesma coisa que a outra pessoa viu, não seria uma alucinação. Na verdade, Senua está quase sempre sozinho ao resolver quebra-cabeças alucinatórios únicos.

A história continua do trabalho anterior. Senua embarca em um navio negreiro para se vingar daqueles que mataram sua tribo e seu amante. No entanto, o navio naufragou por uma tempestade repentina, e Senua mal chega à costa e, depois de muitas dificuldades, prende o proprietário de escravos, Torgister. Então, conforme eles se moviam dentro da ilha seguindo as instruções de Torgister, eles descobriram uma vila sendo atacada por um monstro chamado “Draugar”. Senua resgata os sobreviventes e seu líder Bargrimer e Draugar invocam um gigante que provoca um terremoto através de um ritual. Senua, que mal consegue escapar da aldeia, descobre segredos como por que o Norte precisa de escravos e a identidade dos gigantes, e usa suas habilidades únicas para enfrentá-los.

▲ As expressões faciais do personagem principal representam os pensamentos íntimos do personagem (Foto: Mecca Game)
▲ O som produzido pela esquizofrenia causa confusão (Foto: Mecca Game)

A premissa e a descrição são boas, mas o rumo esquizofrênico torna a história difícil de entender. Para entender a história de Hellblade 2, os personagens e as linhas narrativas são mais importantes do que qualquer outra coisa. Embora as Lore Stones existam como um item colecionável, elas estão na verdade mais próximas de um conto popular germânico e não apresentam nenhum dos diários, livros ou escritos normalmente encontrados em outros jogos. Como a informação necessária é transmitida através do diálogo, é impossível compreender a história se você a perder, e não há função de gravação, portanto não há como olhar para trás rapidamente.

Por exemplo, foi difícil para este repórter entender o processo de primeiro enfrentar um gigante e depois encontrar a Tribo do Deus Oculto. Por que Bargrimer enviou Senua por um caminho que poderia levá-la à morte e por que ela conheceu os Deuses Ocultos? Olhando para o conteúdo gravado, pude confirmar que Bargrimer conheceu a Tribo do Deus Oculto no passado, passou no teste e conseguiu o que queria. O problema era que as alucinações auditivas criavam ruído de informação, então perdi conteúdo relevante e senti uma lacuna nas possibilidades. A excelente descrição da esquizofrenia criou, na verdade, uma falha.

READ  17 equações que mudaram o mundo (3) - ScienceTimes
▲ Alucinações que reduzem o foco ao adicionar uma palavra à história (Imagem: Jogo Meca)
▲ Lower Tong, onde você pode desfrutar da mitologia nórdica (Foto: Mecca Game)

O ritmo e o ritmo careciam de uma narrativa interessante.

Além da entrega, o maior problema da história é o ritmo e o ritmo. A seção que define a visão de mundo e a atmosfera no início do jogo é bastante longa, e o conteúdo do “Gigante”, que desempenha um papel importante na história posterior, é bastante curto. Em particular, a exploração “subterrânea” em busca da tribo oculta é longa, há muitos quebra-cabeças, batalhas frequentes e a área real é grande. Mesmo depois de assistir ao final, a bela cena permanece na minha memória porque é a parte onde a beleza visual é mais enfatizada. Porém, mesmo que a duração da parte seja reduzida, o desenvolvimento da história não é afetado.

Pelo contrário, a narrativa entre os gigantes e as personagens é menos distribuída, e a parte que se centra em termos de jogabilidade é muito curta. O que foi particularmente decepcionante foi o capítulo que descreve a confusão e a perambulação dos personagens. É uma cena importante na narrativa porque pode expressar os pensamentos, valores, medos, narrativa de cada personagem e a capacidade de Senua como líder no processo de resolução dessas questões. No entanto, a duração era muito curta, o conteúdo era implícito e não havia quebra-cabeças ou batalhas, por isso foi decepcionante em termos de jogabilidade.

▲ O submundo era lindo, mas duradouro (Imagem: Mecca Game)

Embora o tempo de jogo geral seja curto, cerca de 8 horas, aumentar ainda mais o tempo de jogo para a parte intermediária da narrativa não é uma boa opção, dada a natureza do jogo. Isso porque a história é bastante sombria e a tensão era muito alta com repetidas alucinações auditivas. Se o tempo de jogo aumentar ainda mais, a fadiga só poderá aumentar.

A razão pela qual a entrega e o ritmo pareceram decepcionantes é porque a narrativa geral do jogo foi excelente, e o final em particular, embora um pouco apressado, foi finalizado artisticamente. A visão de mundo foi transmitida claramente na primeira metade, e a descrição do submundo e dos deuses ocultos combinou bem com a beleza visual. No final, algumas das questões levantadas até agora são resolvidas e, ao mesmo tempo, os diferentes temas que o jogo realmente queria falar, aliados à beleza visual e à dublagem, criam um processo de catarse. É por isso que fiquei muito decepcionado com a narrativa um tanto vaga e com a falta de entrega.

▲ Excelente direção e narração (Foto: Mecca Game)
▲ Algumas narrações de personagens estão um tanto ausentes (Imagem: Mecca Game)

Quebra-cabeças e combate aprimorados em comparação com trabalhos anteriores

Em Hellblade 2, assim como em seu antecessor, os quebra-cabeças e as batalhas aparecem de forma adequada durante a história. Os quebra-cabeças são geralmente classificados em dois tipos e, além de combinar os símbolos que apareceram no trabalho anterior, é adicionado um quebra-cabeça ritual. O quebra-cabeça de símbolos é semelhante às runas anteriores, mas é um pouco mais fácil. Além disso, o número de quebra-cabeças foi reduzido em comparação com trabalhos anteriores, talvez em resposta às críticas de que os quebra-cabeças apareciam com muita frequência.

READ  [박재항의 反轉 커뮤니케이션] A Pepsi se move inesperadamente onde a tradição se cruza com a não tradição

No caso de mistérios rituais, deve-se encontrar um objeto esférico (oferenda) e colocá-lo no altar. Ao contrário dos quebra-cabeças de runas, que exigem que você vagueie indefinidamente se não conseguir encontrar o local, eles são projetados para serem resolvidos por tentativa e erro. Errado, mesmo que você não saiba a resposta. Além disso, embora possa haver diferenças individuais, os quebra-cabeças são representados de maneira mais bonita e bela do que no trabalho anterior. No trabalho anterior, especialmente no Rune Puzzle, a fonte de luz brilhante e letras brilhantes foram adicionadas aos olhos, o que causou fadiga ocular severa, mas esse fator foi reduzido. Alguns dos truques do quebra-cabeça são expressos como um sonho, fazendo com que pareçam de outro mundo e únicos.

▲ Quebra-cabeça de busca de código semelhante ao trabalho anterior (Imagem: Mecca Game)
▲ Quebra-cabeça de exibição semelhante a um sonho (Foto: Jogo Meca)

O combate também foi bastante melhorado. Embora o jogo anterior, Hellblade, não fosse do gênero hack-and-slash, houve muitas críticas principalmente em relação ao combate, como o aparecimento de muitos inimigos e visão distorcida, ou a batalha que demorou muito. No Hellblade 2, agora você pode lutar 1v1, então não há problema em manter o ponto de vista. Na seção onde aparecem as lutas, é necessária concentração, pois lutam de 3 a 6 pessoas seguidas, mas não demora muito.

Existem mais de 7 tipos de inimigos que aparecem. Os estilos são mais diversos que no jogo anterior, e há inimigos que realizam ataques únicos, como cuspir fogo e detonar bombas. Porém, embora seja mais variado que a ação anterior, o combate ainda é enfadonho e monótono. Ao focar na evasão, é possível superar facilmente todos os oponentes com estratégias simples, como esquivar-se de inimigos fracos, mirar no atraso após o ataque e usar habilidades especiais contra inimigos fortes. Claro, se você olhar pela perspectiva de um jogo de arte disfarçado de jogo de ação, o combate mais chamativo e difícil pode não ser uma boa opção para o gênero.

▲ Batalha com excelente efeito e perfeição visual (Foto: Mecca Game)
▲ O número de tipos de inimigos aumentou em relação ao jogo anterior, mas ainda é monótono e simples (Imagem: Mecca Game)
▲ Jogo semelhante a um filme com excelente domínio visual (Foto: Mecca Game)

Hellblade 2 apresenta uma apresentação visual mais aprimorada que seu antecessor, e melhorou algumas áreas que foram criticadas em termos de combate e quebra-cabeças. Em contraste com a excelente representação do tema esquizofrênico, faltou um pouco a capacidade de levar a história adiante e, embora o final tenha sido complementado por uma ótima narrativa, faltou um pouco o tom e o ritmo. Apesar dessas deficiências, senti como se tivesse assistido a um excelente filme de 8 horas com transições óbvias. Especialmente recomendado para jogadores que gostaram do jogo anterior.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *