Jornada ao espaço-tempo do Big Bang… “Mapa do espaço interativo” lançado

Mostra a verdadeira natureza do universo

Foi revelado um novo ‘mapa interativo do universo’ que permite que você viaje de volta ao tempo e local do Big Bang, 13,8 bilhões de anos atrás. O mapa fornece todo o escopo do universo visível com detalhes e resolução incríveis.

Visão ampliada

▲ Mapa de satélite superdimensionado mostrando as localizações e cores reais de 200.000 galáxias. (Fonte: B. Menard & N. Shtarkman)



Os astrônomos usaram 20 anos de dados do Sloan Digital Sky Survey para criar um mapa mostrando as verdadeiras localizações e cores de 200.000 galáxias. Este mapa pode ser baixado gratuitamente no site (mapoftheuniverse.net). Informações anteriormente disponíveis apenas para cientistas foram reveladas ao público.

“Ao crescer, fui extremamente inspirado por astrofotografia, estrelas, nebulosas e galáxias”, disse o cofundador do Map, Bryce Maynard, professor de física e astronomia na Universidade Johns Hopkins. “Astrofísicos de todo o mundo analisam esses dados há anos, resultando em milhares de artigos científicos e descobertas.”

“Apesar de todos esses esforços, ninguém se deu ao trabalho de criar um mapa do universo bonito, cientificamente preciso e acessível. Nosso objetivo aqui é mostrar a todos como o universo realmente se parece.”

Este mapa foi possível graças a um dos levantamentos mais influentes da história da astronomia, o Sloan Digital Sky Survey (SDSS). A pesquisa é um esforço ambicioso para capturar grande parte do céu noturno com um telescópio de abertura de 2,5 metros no Apache Point Observatory, no Novo México, que, por oito anos, usou uma câmera de 120 megapixels para capturar 1,5 metros quadrados do céu. todas as noites, com uma objetiva de 10 graus (cerca de 8 vezes a área da lua cheia), capture uma visão ampla do universo de locais ligeiramente diferentes.

READ  Bateria Auxiliar de Carregamento Sem Fio Magnético Belkin + Suporte BPD004bt, Indispensável para iPhone 14 com Design Delicado e Prático

Maynard e Nikita Starkman, um estudante de ciência da computação na Universidade Johns Hopkins, usaram os dados para recriar uma região do universo contendo 200.000 galáxias. Cada ponto no mapa representa uma galáxia com bilhões de estrelas e planetas. A Via Láctea, nossa galáxia, é apenas um dos pontos na parte inferior do mapa.

Do opaco ao transparente…

Um aspecto notável deste mapa são as cores brilhantes, criadas em parte pela expansão do universo. À medida que o universo se expande, os comprimentos de onda da luz em direção à Terra são deslocados para a região mais vermelha do espectro eletromagnético. Quanto mais distante a fonte de luz, mais intenso esse desvio para o vermelho.

No topo do mapa está a primeira luz do universo, emitida logo após o Big Bang, cerca de 13,8 bilhões de anos atrás, quando o universo se expandiu e os elétrons esfriaram o suficiente para formar prótons e átomos. A diminuição dos elétrons livres significa que os fótons (grãos de luz) podem se mover livremente sem serem bloqueados pelos elétrons em movimento. Neste momento, o universo mudou de opaco para transparente.

No extremo oposto deste mapa está a Via Láctea, que inclui o atual sistema solar e a Terra.

“Neste mapa, somos apenas uma bolha no fundo”, disse Maynard. Quando digo “nós”, quero dizer a Via Láctea com seus bilhões de estrelas e planetas.

Ele também espera que, além de nos mostrar a pura beleza do universo, o mapa também nos mostre a magnitude do universo que nos inspira grande admiração.

“Estamos acostumados a ver imagens astronômicas que mostram uma galáxia aqui e uma galáxia ou grupo de galáxias ali”, disse ele. “Mas o que este mapa mostra é em uma escala completamente diferente.” A partir deste ponto na Terra, podemos mapear galáxias em todo o universo, e isso fala sobre o poder da ciência.”

READ  [오늘의 스팀] Jersey Eyes, lançado para PC, ocupa o primeiro lugar em vendas no Steam

Lee Kwang-sik é colunista de ciência em joand999@naver.com

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *