“Memorize a vida falsa de quatro páginas”… O homem loiro da prestigiosa universidade americana é um espião russo

espião russo Sergei Serkazov. As investigações revelaram que ele fingiu ser do Brasil, cursou pós-graduação em uma prestigiosa universidade dos Estados Unidos e teve qualificação para estágio no Tribunal Penal Internacional (TPI)./Divulgação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Tardiamente foi revelado que o homem que fingiu ser brasileiro, formou-se em uma prestigiosa universidade americana e conseguiu um estágio no Tribunal Penal Internacional (TPI) era na verdade um espião russo.

O espião russo Sergei Serkazov vive com uma identidade falsa desde 2010, segundo o Washington Post (WP) do dia 29 (horário local). Por mais de dez anos ele se disfarçou de Victor Muller Ferreira, o “irlandês-brasileiro”.

De acordo com documentos judiciais brasileiros, a certidão de nascimento de Ferreira foi emitida em 2009, um ano antes de Cherkasov entrar no Brasil. WP explicou que foram fornecidos documentos com carteira de motorista e foto de outra pessoa, o que significa que o General Intelligence Bureau (GRU) da agência de inteligência militar russa fez os preparativos com antecedência.

No processo de estabelecimento da identidade de Sergasso, o GRU o estabeleceu como filho de Jurassi Elisa Pereira, uma brasileira falecida em 1993. No entanto, de acordo com os registros do tribunal e familiares enlutados, Jurashi realmente morreu sem filhos.

Além disso, descobriu-se que Cherkasov memorizou um documento de quatro páginas escrito em português em seu computador e memorizou sua vida como ‘Ferreira’. “Odeio o cheiro de peixe vindo das pontes do Rio de Janeiro”, dizia o documento. “Havia um pôster da atriz Pamela Anderson na garagem onde eu trabalhava.” Sotaque estranho. Eles me chamam de estrangeiro. Foi relatado que continha conteúdo como “Não tenho muitos amigos”.

Descobriu-se que Cherkasov trabalhou em uma agência de viagens por vários anos depois de chegar ao Brasil. O FBI disse que a agência de viagens era suspeita de ser administrada por agentes do GRU e agora foi fechada.

READ  Chiefs Versus. Resultado do Broncos: Patrick Mahoms, final da temporada regular de Kansas City, Denver

Mais tarde, ele obteve seu diploma de bacharel no Trinity College, em Dublin, na Irlanda, e ingressou na escola de pós-graduação da Johns Hopkins University, uma universidade de prestígio nos Estados Unidos, em 2018. Na época da admissão, Cherkasov tinha 33 anos, mas atuou para outros alunos e professores com quase 20 anos.

Descobriu-se que Cherkasov fez uma viagem a Israel com colegas de classe durante a pós-graduação. Durante esse tempo, ele coletou informações sobre autoridades americanas e israelenses e outras pessoas que os alunos conheceram. Durante uma viagem às Filipinas em janeiro de 2020, ele contatou secretamente agentes russos e compartilhou as informações que havia reunido.

Dizem que Cherkasov não despertou muita suspeita nos outros. Eugene Finkel, professor da Universidade Johns Hopkins e falante de russo, disse: “Não duvido que ele seja russo em seu sotaque ou maneirismos”. “Ele se descreveu como brasileiro com raízes irlandesas, o que explica seu sotaque estranho”, disse ela.

Antes de se formar, Cherkasov se candidatou a um emprego nas Nações Unidas, em think tanks americanos, instituições financeiras, mídia e agências governamentais. Mas quando o trabalho paralisou devido à pandemia de coronavírus, ele partiu para o Brasil em setembro de 2020, meses antes de seu visto de estudante expirar. Ele usou seus contatos no Brasil para informar ao lado russo como os altos funcionários em Washington estavam interpretando os movimentos de Moscou.

Cherkasov ganhou o estágio do ICC em março do ano passado. Ele passou no teste de segurança e ganhou seu status de inspetor de treinamento. WP disse: “Por muito tempo, Moscou (autoridades russas) reconheceu o TPI como uma organização hostil” e “no mês passado, o TPI emitiu um mandado de prisão para o presidente russo Vladimir Putin sob a acusação de crimes de guerra na Ucrânia”.

READ  Trabalhadores suecos não têm medo de trabalhadores robóticos da vila do livro

No dia 31 do mesmo mês, Cherkasov escondeu os motoristas do computador em uma trilha de caminhada em uma floresta perto de São Paulo e embarcou em um avião para a Holanda, onde ficava o ICC. No entanto, a inteligência holandesa já havia recebido informações do FBI e descoberto que Cherkasov era um espião russo.

As autoridades holandesas prenderam Cerkazo no aeroporto e o interrogaram por várias horas. Cherkasov foi então colocado de volta em um avião e enviado de volta ao Brasil. Ele foi preso ao chegar no Brasil. Serkazov insistiu que não era um espião russo e que sua identidade de Perera era genuína. Mas, eventualmente, ele foi condenado a 15 anos de prisão por falsificação e outras acusações.

As autoridades russas mais tarde negaram que Serkazov fosse um espião, mas alegaram que ele era um contrabandista de heroína que fugiu da Rússia. Assim, o argumento de Sergasso também mudou. As autoridades russas pediram ao Brasil para extraditar Serkazov, e Serkazov concordou. WP disse: “Apesar do fato de ter que cumprir uma longa sentença em uma prisão russa notória por brutalidade, ele apoiou a afirmação das autoridades russas.”

A Suprema Corte do Brasil recentemente aceitou provisoriamente o pedido de extradição da Rússia. No entanto, o tribunal superior do Brasil disse que Cercaso não poderia ser extraditado até que a investigação sobre as acusações de espionagem fosse concluída.

Cherkasov também foi acusado de espionagem ilegal e fraude de vistos nos Estados Unidos. No entanto, os Estados Unidos ainda não solicitaram a extradição de Sergasso.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *