Pesquisa revela diferenças inatas nas proezas do jogo de tiro em primeira pessoa

É sabido que o controle preciso da mira, o monitoramento de alta taxa de atualização, etc. são muito importantes para jogar jogos altamente competitivos como FPS online. No entanto, pesquisas recentes revelaram que existe outro “muro” que a natureza não consegue superar.

O jornal The Guardian noticiou em sua terceira edição (horário local) que foi publicado um estudo comprovando que a velocidade de reconhecimento de informações visuais varia de uma pessoa para outra.

De acordo com o estudo publicado na Plos One, algumas pessoas conseguem efetivamente visualizar mais imagens por segundo do que outras. Isso significa que podemos ser naturalmente melhores na detecção e rastreamento de objetos em movimento rápido.

O professor Kevin Mitchell, neurocientista do Trinity College Dublin que liderou o estudo, e sua equipe testaram 80 pessoas com idades entre 18 e 35 anos. Este foi um experimento que envolveu um participante sentado em frente a uma luz e aumentando o tempo de intermitência da luz. Este foi um experimento para determinar o ponto em que o participante parou de detectar a luz piscante e começou a percebê-la como uma luz de brilho constante.

Como resultado, os registros visualizados pelos 80 participantes apresentaram diferenças significativas. Alguns participantes responderam que a luz parecia constante depois de piscar 35 vezes por segundo, enquanto outros viram a luz piscar mais de 60 vezes por segundo. Comparado ao FPS, que se refere à velocidade com que a tela muda em segundos, isso significa que eles vivem e veem o mundo em 60 frames.

O professor Kevin Mitchell, que liderou o estudo, disse: “Como só temos acesso à experiência subjetiva, esperamos ingenuamente que todos vejam o mundo da mesma forma que nós. Este estudo identifica uma diferença: “Vale a pena fazê-lo. “Algumas pessoas veem o mundo mais rápido do que outras”, acrescentou.

READ  Depois de esperar 8 anos, ‘Granblue Fantasy Relink’ é um trabalho ‘emocionante’

Além disso, este estudo descobriu que a precisão temporal visual de um indivíduo era relativamente estável com a idade e não houve diferença significativa entre homens e mulheres.

Uma vez que se tratou de um ensaio com cerca de 80 participantes aleatórios, parece necessária investigação adicional numa escala maior para obter resultados mais precisos, e ainda não está claro qual o impacto que a diferença na percepção da velocidade da luz intermitente terá na vida real. Ele não o fez. Clinton Harlem, um estudante de pós-graduação que participou do estudo, disse: “Pensamos que as diferenças individuais na velocidade de reconhecimento podem se tornar mais pronunciadas em situações em que objetos em movimento rápido devem ser encontrados e rastreados, como em esportes com bola, ou em situações em que “o cenário visual muda rapidamente, como acontece em jogos competitivos”.

Ainda não se sabe se estas diferenças individuais podem ser superadas através do treinamento. A velocidade de reação humana pode ser melhorada por meio de prática consistente, mas os reflexos referem-se ao tempo que o cérebro leva para responder à informação visual depois de recebê-la. Portanto, parece que são necessárias mais pesquisas sobre se e como as pessoas podem ser treinadas para perceber inatamente mais informações visuais ao mesmo tempo.

Através deste estudo, o professor Kevin Mitchell e a sua equipa de investigação revelaram apenas que existem diferenças na capacidade de perceber a velocidade do flash da luz entre os indivíduos, mas não sabiam de onde vêm essas diferenças ou qual é a sua relação com elas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *