Pedro Lima: O que podemos aprender com a sua partida?

Não estás sozinho! Nunca Desistas!

A partida de forma trágica como a do Pedro Lima, torna difícil o exercício de conseguir encontrar motivos ou lições que nos sejam úteis no nosso dia-a-dia.

O Pedro Lima era um actor, uma figura pública e que por vezes pode passar a mensagem que a AJUDA só está disponível para alguns. Afirmar que a Depressão é a “mania” dos que “não tem em que pensar”, ou “se trabalhasses como eu trabalho, não tinhas tempo para ter uma Depressão”, foram já mais que anuladas pelo avançar da Medicina e da Psicologia.

Já não se pode desvalorizar mais a Depressão e cabe a todos nós estarmos atentos aos primeiros sinais. É para isso mesmo que servem os Amigos.

A Comunicação Social serve para relatar factos, mas não só. Também a Comunicação Social tem o dever social de estar ao lado dos leitores e tentar recuperar o caminho perdido de confiança entre as partes nas últimas décadas. Relativamente ao Pedro Lima, enquanto órgão de comunicação social já utilizámos o nosso espaço para relatar o que aconteceu. Chega agora o momento de usarmos este artigo para homenagear o Pedro Lima com um pouco de serviço público.

Assim este texto torna-se num post-it, que esperamos que nunca precise de vir a utilizar.  Mas no momento em que sentir apenas dúvidas sobre se o deverá utilizar, é a ignição cerebral que lhe está a ordenar para que o utilize.

Estas são algumas perguntas que pode fazer se quer ajudar alguém com depressão:

  • Quando é que começaste a sentir-te assim?
  • Aconteceu alguma coisa para que agora te sintas assim?

E estas são algumas das coisas que pode dizer:

  • Não estás sozinho. Estou aqui.
  • Podes não acreditar, mas o que estás a sentir vai passar.
  • Eu posso não perceber exactamente o que estás a sentir, mas preocupo-me contigo e quero ajudar-te.

Evite dizer:

  • Está tudo na tua cabeça.
  • Todos passamos por momentos assim.
  • Não posso fazer nada.

Seja directo
Pergunte-lhe do que ele ou ela necessita de si.

Encoraje o seu amigo a procurar um profissional
Tal como não tentaria curar a diabetes do seu ente querido sem a ajuda de um médico, tenha presente que a ajuda de um especialista é importante no processo de recuperação de uma depressão. Ofereça-se para o acompanhar às consultas.

Ofereça ajuda em actividades básicas…
Uma pessoa com depressão pode sentir até dificuldade em vestir-se ou ir às compras. Mostre-se disponível para ajudar nestas questões mais práticas.

… mas encoraje-o também a fazê-las
Sentir que se é capaz de fazer as coisas pode ser importante. E motive-o a fazer actividade física ou a participar noutras interacções sociais.

Mantenha os padrões
Garanta que a pessoa come e dorme de forma regular. Não cumprir as indicações à risca pode fazer com que a medicação não atinja o efeito pretendido. Por outro lado, suspendê-la abruptamente pode provocar o regresso dos sintomas – e estes podem manifestar-se de forma mais intensa.

Vigie a medicação
Ajude-o a tomá-la tal como prescrito pelo médico.

Leve as ameaças a sério
Se acha que o seu familiar ou amigo pode magoar-se (ou se já o fez), não o deixe sozinho. Esconda objectos com os quais ele ou ela se pode ferir e grandes quantidades de medicamentos.

Cuide de si para conseguir ajudar quem tem depressão
Quando se vive com alguém com depressão, encontrar formas de relaxar ou manter as suas actividades favoritas é essencial para ultrapassar as suas próprias dúvidas e preocupações. Pode sentir-se egoísta ou culpado, por exemplo, mas é importante que cuide de si.

E nas crianças?

Se nota no seu filho os tais sinais de tristeza persistente, alterações no apetite e no ciclo de sono, falta de interesse em actividades que antes o faziam feliz (como não querer brincar), alguma irritabilidade, choro excessivo, dificuldades de concentração na escola, então pode estar deprimido. Nestes casos, é essencial:

Detectar o que pode estar a incomodá-lo
Conversem sobre o que acontece em casa, na escola ou noutros meios que ele frequenta. Pergunte-lhe sobre o que está a preocupá-lo. E fale também com os amigos ou outras pessoas próximas.

Procure ajuda
Os conselhos de um profissional podem ajudá-lo. Tenha particular atenção a este ponto se a criança manifestar vontade de fazer mal a si mesma. Nestes casos, procure ajuda imediatamente.

Proteja-o dos problemas
Afaste-o das situações de stresse ou, caso existam, de violência.

Esteja atento às mudanças
A entrada na puberdade ou a mudança de escola são momentos-chave.

Estimule a máxima “Mente Sã em Corpo São”
Encoraje o seu filho a dormir o suficiente e a ter uma alimentação saudável e a fazer exercício físico regularmente. Promova actividades e passatempos que ele ou ela apreciam.

Façam actividades juntos
Organize o seu tempo para estar com o seu filho.

 

ONDE ENCONTRAR APOIO PROFISSIONAL?

 

Centro SOS-Voz Amiga: Linha verde Gratuita 800 209 899 (21-24h)
Telef.: 213 544 545 – Diariamente das 16 às 24h
Tlm.: 91 280 26 69 – Diariamente das 16 às 24h
Tlm.: 96 352 46 60 – Diariamente das 16 às 24h

Conversa Amiga (entre as 15h e as 22h)
Telef.: 808 237 327 (Número gratuito)
Telef.: 210 027 159

SOS Estudante (entre as 20h e a 1h)
Telef.: 915 246 060 (Extravaganza)
Telef.:969 554 545 (Moche)
Telef.:239 484 020 (Fixo)

Telefone da Amizade (entre as 20h e as 23h)
Telef.: 222 080 707

Voz de Apoio (entre as 21h e as 24h)
Telef.: 225 506 070
Email: sos@vozdeapoio.pt

Vozes Amigas de Esperança de Portugal (Horário: 16:00 – 22:00)
Telef.: 222 030 707