Um robô gigante Mazinger Z entra na corrente sanguínea e caça o câncer… um mercado aquecido que vale 380 trilhões de won

Em 2000, o Japão apresentou o primeiro robô bípede do mundo. O mundo inteiro ficou entusiasmado ao ver o ASIMO, desenvolvido pela Honda Motor Company, andar sobre duas pernas no palco. O ASIMO, que gastou mais de 200 mil milhões de won apenas no desenvolvimento, rapidamente faliu. Isso ocorre porque ele tinha pouca utilidade além de andar como um humano.

Agora, mais de 20 anos depois, os Descendentes de Asimo estão mudando o mundo com performances inimagináveis ​​na época. A movimentação tornou-se tão natural que ele pode correr mais rápido que um humano e dar cambalhotas sem problemas. Com a aplicação de tecnologias avançadas, como telecomunicações, condução autónoma, inteligência artificial e semicondutores, estão a ser utilizadas em ambientes extremos, como mares profundos, vulcões, locais de acidentes em centrais nucleares e espaço. À medida que entramos na “Era dos Robôs”, onde a coexistência com robôs é importante, as empresas tecnológicas globais identificaram a robótica como uma indústria do futuro e estão a desenvolvê-la rapidamente. De acordo com a empresa de estudos de mercado Presidence Research, o mercado global da robótica, que valia 72 mil milhões de dólares (cerca de 95,5 biliões de KRW) no ano passado, deverá crescer para 283,2 mil milhões de dólares em 2032.

Gráficos = Kim Hyun Guk

◇ Competição para desenvolver robôs para ambientes agressivos

Grandes empresas e universidades estão utilizando robôs para expandir o escopo das atividades humanas. Dependendo do ambiente, o tamanho e a função dos robôs são diferenciados de diferentes maneiras. A Tsuba Main Industries do Japão revelou seu robô “Archax” operado por humanos no Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos (IEEE) no mês passado. Possui um corpo enorme (4,5 metros de altura e 3,5 toneladas de peso) e pode ser operado por uma pessoa com os dois braços, por isso é chamado de “versão realista do Mazinger Z”. Será utilizado para levantar materiais pesados ​​em canteiros de obras ou para limpar locais de acidentes. Possui rodas em ambos os pés, por isso pode correr a uma velocidade de 10 quilômetros por hora.

READ  'Dia 3 & Paoec' gerencia os rankings de vagões de hackers e slashing

A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço dos EUA (NASA) revelou o robô “Valkyrie”, que será usado no projeto de migração para a Lua e Marte. Tem aproximadamente 189 cm de comprimento, que é o comprimento de um homem adulto, e possui muitas articulações, permitindo-lhe mover-se como um humano. Ele contém sensores e câmeras avançados em sua cabeça, para que possa ser controlado remotamente do solo. As pessoas agora podem construir bases espaciais ou extrair recursos localmente sem ter que ir diretamente à Lua ou a Marte. A Universidade de Stanford está desenvolvendo o Ocean One K, um robô que pode realizar atividades de exploração em águas profundas em vez de humanos. Este robô pode descer a uma profundidade de 6.000 metros abaixo da superfície do mar, onde é aplicada uma pressão de água equivalente ao peso do Empire State Building, em Nova York, e realizar pesquisas científicas e extrair minerais. Em julho passado, a Universidade KAIST da Coreia apresentou o Pibot, um robô voador que pode pilotar um avião como um ser humano. “Usando a tecnologia generativa de IA, podemos responder a situações inesperadas mais rapidamente do que os humanos, analisando evidências de aeronaves e dados de procedimentos de resposta a emergências”, explicou KAIST.

Gráficos = Kim Hyun Guk

Na verdade, os robôs estão se expandindo para a esfera “bio”. Um robô muito pequeno, com menos de 1/1000 da espessura de um fio de cabelo humano, é colocado dentro do corpo humano e usado para diagnosticar e tratar doenças. Atualmente, os Estados Unidos, a China e a Europa concluíram o desenvolvimento de tecnologia original para robôs de tamanho nanométrico (nanômetros, bilionésimos de metro) que podem reparar genes quebrados (DNA) ou manipular células do corpo humano. “Desenvolvemos um nanorrobô que mata tumores entrando nas veias de uma pessoa e injetando drogas em tumores específicos”, anunciou o Instituto Nacional de Pesquisa em Nanociência e Inovação Tecnológica da China em julho do ano passado. Embora os medicamentos anticâncer, que são drogas químicas, matem não apenas as células cancerígenas, mas também as células normais do corpo humano, os robôs podem administrar medicamentos com precisão apenas às células cancerígenas. Uma vez comercializado, espera-se que tenha efeitos terapêuticos além dos produtos biológicos atualmente desenvolvidos, sem efeitos colaterais.

READ  [써보니]"Notícias de última hora" em cores diferentes ... "Não há tédio" Nissing "Punto" (Vídeo)

◇ Robôs que pensam como humanos

A nova palavra da moda na indústria robótica é “inteligência artificial”. Enquanto nos concentramos em tornar as mãos dos robôs mais elaboradas ou em melhorar o “hardware” que pode gerar grande força, agora estamos voltando nossa atenção para o desenvolvimento de humanóides (robôs humanóides) com “cabeças” que podem pensar e interagir como humanos. No passado, o jeito era instalar cérebros individualmente em robôs, mas mais recentemente, basta colocar um cérebro enorme na nuvem (servidor virtual) e transferi-lo por meio de conexões. O desenvolvimento está activo não só nos domínios industriais, mas também para fins de defesa. No mês passado, a startup americana de robótica Aptronic apresentou o robô “Apollo” de 170 cm de altura.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *