Uma estudante do ensino médio que desistiu de seu sonho olímpico devido à cegueira tornou-se a principal cientista da IBM.

Chieko Asakawa dá uma palestra em frente ao Geo Cosmos, símbolo do Museu Miraikan de Ciência Emergente e Inovação, que ela dirige. Asakawa foi pioneira em um novo campo chamado acessibilidade na web, desenvolvendo tecnologia que permite que pessoas com deficiência visual naveguem na Internet. /Getty Imagens Coreia

Uma menina que sonhava em competir nas Olimpíadas perdeu a visão em um acidente inesperado. A menina, que ingressou no departamento de inglês em vez do departamento de educação física, saltou para a então emergente área de engenharia da computação. Depois de trabalhar duro para aprender programação de computadores usando Braille e hardware antigo, ele ingressou na IBM e desenvolveu a tecnologia de conversão de texto em fala, dando a bilhões de pessoas em todo o mundo, incluindo deficientes visuais, analfabetos e idosos, a liberdade de navegar no Internet. Ambiente Internet. Reverenciado como “IBM Fellow”, o Dr. Chieko Asakawa (浅川智恵子·1958~) é um dos poucos cientistas seniores na história da IBM, que foi fundada em 1911 e continua dedicada ao desenvolvimento de tecnologias para superar obstáculos. Asakawa, que recebeu o maior número possível de elogios como engenheira, incluindo o International Women in Engineering Hall of Fame, membro da Academia Nacional de Engenharia e membro da Academia Americana de Artes e Ciências, tem um credo: “Tecnologia beneficia as pessoas.”

◇Cegueira após bater na parede da piscina

Asakawa, nascida na cidade de Toyotaka, Osaka, Japão, era uma garota de excelente capacidade atlética. Ela estabeleceu como meta participar dos Jogos Olímpicos, ingressar na Faculdade de Educação Física e atuar nas atividades do clube. Durante a aula de natação de verão na quinta série, bati com força o rosto na parede da piscina e os hematomas azuis sob meus olhos não desapareciam. O hospital disse que não havia problema, mas como eu entrava e saía repetidamente, fiquei completamente incapaz de enxergar. Era meu segundo ano do ensino médio. Naquela época, era dado como certo que as pessoas com deficiência visual no Japão poderiam aprender acupuntura ou massagem. “Eu não queria que outros decidissem minha carreira. Decidi seguir uma carreira que achava que uma pessoa com deficiência visual não poderia fazer”, disse Asakawa. A razão pela qual entrei no Departamento de Inglês da Universidade Otemon Gakuin foi porque pensei que conhecer uma língua estrangeira expandiria o leque de carreiras que eu poderia escolher. Depois de se formar na faculdade em 1982, Asakawa se matriculou em um curso de informática para deficientes visuais.

READ  O reator experimental de água leve de Yongbyon, na Coreia do Norte, está perto de se tornar operacional? As autoridades coreanas e americanas em causa

Aprender informática nunca foi fácil. Em vez de olhos, foi usado um dispositivo chamado optacon (dispositivo tátil de conversão de vídeo). O dispositivo Optacon, desenvolvido pelo professor John Linville da Universidade de Stanford em 1971 para sua filha com deficiência visual, consiste em uma câmera que reconhece letras e um touchpad (uma unidade de leitura) que as expressa com o sentido do tato. Vários pinos finos no touchpad vibram para produzir letras, que podem ser lidas com a ponta dos dedos. O treinamento demorou muito. “Minha teimosia e falta de vontade de perder me fizeram não desistir de aprender até o fim”, disse Asakawa. Quando Asakawa ingressou no centro de pesquisa da IBM em Tóquio, a revolução da informática estava em pleno andamento. Computadores pessoais e computadores começaram a aparecer. Asakawa expressou sua esperança de que os deficientes visuais não fiquem de fora desta grande tendência. “No mundo dos computadores e da Internet, eu queria que as pessoas com deficiência pudessem fazer tudo sozinhas”, disse Asakawa. Como seu primeiro projeto na IBM, ele criou um processador de texto que pudesse editar Braille digital, razão pela qual construiu uma rede para carregar e compartilhar documentos e livros na biblioteca Braille.

◇Contribuindo para a revolução dos dispositivos digitais e móveis

Em meados da década de 1990, várias empresas, incluindo a IBM, começaram a comercializar navegadores que podiam pesquisar na Internet. A Asakawa equipou o navegador Netscape com “tecnologia de conversão de texto em fala” que permite aos usuários navegar na web e ler conteúdo de texto como áudio. Também foram implementadas as primeiras funções de inteligência artificial (IA), como ler apenas legendas anexadas a um vídeo ou desligar conteúdo que interferisse na transmissão de áudio. A IBM começou a vendê-lo em lojas de informática em todo o mundo sob o nome de “IBM Homepage Leader”. Marcou o início de uma era em que os computadores podiam ser utilizados não só pelos deficientes visuais, mas também pelos idosos que tinham dificuldade em ler letras pequenas e pelos analfabetos que não conseguiam ler as letras sozinhos. A técnica de Asakawa também teve uma influência pioneira no design de sites. Os sites começaram a evoluir de uma forma que permite aos usuários experimentar todas as funcionalidades do site por meio de operações simples, em vez de designs chamativos e muito conteúdo. Asakawa também criou uma tecnologia que permite que web designers criem sites mais sofisticados enquanto vivenciam a experiência como se fossem deficientes visuais.

READ  Quais rins envelhecem mais rápido e quais hábitos retardam o envelhecimento?
Gráficos = Song Yeonhee

A tecnologia de acesso à web de Asakawa também levou ao desenvolvimento de dispositivos digitais e à revolução da telefonia móvel. Exemplos representativos incluem orientação por voz na navegação, streaming de voz em sites ou aplicativos móveis e assistentes de IA lendo livros. A tecnologia desenvolvida para deficientes visuais tem produzido resultados que superam as expectativas, melhorando o conforto de todos.

◇Ele alcançou a posição mais alta na IBM lendo à noite.

Enquanto criava as duas filhas, Asakawa estudava das 21h à meia-noite e trabalhava nas pendências da empresa nos finais de semana, sem deixar de acumular novos conhecimentos, como a obtenção do doutorado pela Universidade de Tóquio. Asakawa foi selecionado como IBM Fellow em 2009, a mais alta posição e honra para o mundo IBM. É um título detido por apenas 89 dos 300 mil funcionários da IBM. Thomas Watson, que criou o apogeu da IBM, iniciou o projeto IBM Fellows em 1963, pegando uma ideia de uma peça de Henrik Ibsen e dizendo: “Vou criar patos selvagens”. O objetivo era impulsionar a inovação que transcende a era baseada na liberdade desenfreada. A tecnologia de acesso à web da Asakawa é uma conquista representativa dos 60 anos de história da IBM como associada.

Asakawa, que enriqueceu com um enorme salário e royalties de tecnologia, expandiu o escopo de suas pesquisas e atividades. Em 2014, foi nomeado professor da IBM na Carnegie Mellon University em Pittsburgh, EUA, e criou o “NavCog”, um aplicativo que ajuda pessoas com deficiência visual a navegar e se mover por conta própria em espaços complexos usando tecnologia que combina Bluetooth, sensores e inteligência artificial.Foi lançado em 2016. Ele fornece orientação por voz em tempo real sobre o que está acontecendo à frente, até que ponto a rota deve ser alterada e quais lojas estão em cada lado. Se o transeunte for alguém que você conhece, também existe tecnologia que permite dizer olá e até anunciar o '00' que se aproxima. “É o resultado de trazer a tecnologia usada para explorar o mundo digital para o mundo físico”, disse Asakawa.

READ  Yonhap News TV

“Sonho com um mundo onde as pessoas com deficiência possam viajar sozinhas” Recentemente concentrei-me no desenvolvimento de bagagens alimentadas por IA.

A IA na esteira atua como um dispositivo de navegação… guiando até o destino sem obstáculos

Chieko Asakawa é conhecida como pioneira na área de acessibilidade na web com o slogan “Internet para todos”. Acessibilidade é o conceito de criação de produtos e serviços que sejam confortáveis ​​para o maior número possível de usuários, independentemente de características físicas como deficiências ou limitações como região, idade, nível de conhecimento, tecnologia ou experiência. No passado, limitava-se a áreas offline, como a utilização de transportes, mas com a difusão da Internet, surgiu um novo campo denominado acessibilidade Web.

Dr. Chieko Asakawa mostra uma bolsa de viagem para deficientes visuais que pode substituir cães-guia e bengalas. /EPA Yonhap Notícias

Asakawa está atualmente se concentrando no desenvolvimento de uma mala de viagem inteligente que possa dar liberdade às pessoas com deficiência no mundo real, em vez de online. A mala, com a qual a Mitsubishi Motors, a Alps Electric e a Omron fizeram parceria, é um dispositivo alimentado por IA que leva o usuário segurando a alça e diz aonde ele quer ir. A bolsa escolhe sozinha a rota ideal, evita pessoas e obstáculos de acordo com a velocidade de caminhada do usuário e orienta o usuário até o destino com vibração e som. “Quero viajar sozinho com minha mala de IA e encontrar amigos ao redor do mundo”, disse ele na apresentação da produção.

A partir de 2021, Asakawa atuará como diretor do Museu Emergente de Ciência e Inovação em Tóquio e, seguindo suas crenças, está transformando esta sala de exposições em um espaço que qualquer pessoa pode visitar livremente, sem discriminação. Por que ele está obcecado com acessibilidade? “A acessibilidade viu muitas inovações. Graham Bell desenvolveu o telefone enquanto pesquisava tecnologia de processamento de sinal para lidar com a perda auditiva de sua mãe e esposa. A síntese e o reconhecimento de fala foram criados inicialmente para ajudar pessoas com perda auditiva e visual. E até mesmo a ideia de ​​carros autônomos “Era o sonho de um cego.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *