“Vamos pagar em Yuan”… China desafia a hegemonia do dólar

Apresentar uma imagem inteligente

Na América Central e do Sul e no Oriente Médio, os pagamentos comerciais denominados em yuan da China estão aumentando gradualmente. Enquanto os EUA apertam seu controle sobre a China, a China parece estar contra-atacando desafiando a ‘hegemonia do dólar’.

A mídia estatal da China, Pengbai, informou no dia 3 que a China está usando o yuan para expandir sua “margem de amigos” e que o Brasil, a maior economia da América do Sul, recentemente escolheu o yuan como moeda de pagamento para o comércio bilateral.

A Agência Brasileira de Promoção de Investimentos e Exportações informou em comunicado no dia 29 do mês passado (horário local) que “os dois países trocarão reais e renminbi e farão transações comerciais e financeiras de grande porte diretamente”.

Como resultado, em transações bilaterais, as empresas brasileiras usarão o ‘Cross-Border Renminbi Payment System (CIPS)’ fabricado na China em vez da rede de liquidação em dólares ‘International Association for Interbank Telecommunications (SWIFT)’.

“O uso do CIPS está aumentando e é um passo importante na internacionalização do renminbi”, explicou Peng Fai. De fato, estima-se que o volume de pagamentos do CIPS no ano passado ultrapassou 42 trilhões de yuans (cerca de US$ 6,7 trilhões), um aumento de cerca de 3,5 vezes em relação a 2017.

Além do Brasil, o número de casos em que o RMB é usado como moeda de pagamento está aumentando, especialmente nos países em desenvolvimento. A Rússia, que enfrenta sanções dos Estados Unidos pela invasão da Ucrânia, atualmente tem 16% de suas exportações em yuan.

Além disso, a China está desafiando o sistema de ‘dólares petrolíferos’ de comprar petróleo apenas em dólares, aumentando a proporção de pagamentos em yuans com os países do Oriente Médio.

READ  'Gol impressionante contra o WC Brasil' porque o novo desafio de Baek Seung-ho na Europa faz sentido

No dia 27 do mês passado, a petrolífera estatal Aramco, da Arábia Saudita, decidiu comprar uma participação de 10% na refinaria de petróleo chinesa Longsheng Petrochemical Co. em yuan. Além disso, no dia seguinte, a China National Offshore Oil Corporation importou gás natural liquefeito (GNL) dos Emirados Árabes Unidos (EAU) e pagou em yuan.

Esses são apenas alguns exemplos, mas o fato inegável é que pequenas rachaduras começam a aparecer uma a uma no sistema do dólar-patrulha consolidado desde 1987.

De fato, na cúpula do Conselho de Cooperação China-Golfo (GCC) realizada em Riad, capital da Arábia Saudita, em dezembro do ano passado, o presidente Xi Jinping disse: “Os assentamentos de petróleo bruto e gás natural em renminbi devem ser promovidos. ”, e a América desafiou orgulhosamente o dólar da patrulha.

Claro, o papel do renminbi nos pagamentos internacionais ainda é pequeno. De acordo com as contas SWIFT de fevereiro, o dólar representava 41,1% da moeda de liquidação global, enquanto o renminbi representava apenas 2,19%.

Comentando sobre isso, Pengbai disse: “Os aumentos acentuados das taxas de juros do Federal Reserve (Fed) dos EUA não enfraqueceram a posição internacional do dólar, pois os fundos globais continuam a fluir para os EUA”.

No entanto, como as nações emergentes têm repetidamente sofrido danos da política monetária dos EUA, é provável que muitos países apoiem implicitamente o desafio da China à hegemonia do dólar.

Como também apontou Feng Pai, como os fundos de investimento globais estão direcionados para os EUA, o rápido aumento das taxas de juros do banco central levou a um fenômeno do dólar forte, levando a uma depreciação das moedas dos países emergentes, incluindo a Coréia. Os preços das importações são fixados em dólares, resultando em um grande déficit comercial.

READ  [MZ칼럼]Por que os jogadores de futebol brasileiros são tão bons?

Além disso, sob o atual sistema de dependência do dólar americano, os EUA podem evitar uma crise imprimindo dólares, apesar do ‘déficit gêmeo’ no comércio e nas finanças, mas os países em desenvolvimento não têm escolha a não ser arcar com os danos, reduzindo sua dependência. Há também conselhos sobre o dólar.

Como representante, Jim O’Neill, ex-chefe da Goldman Sachs Asset Management, especialista em países em desenvolvimento, há muito argumenta que o dólar é muito dominante nas finanças globais e aconselha os países em desenvolvimento a reduzir o risco de dependência do dólar.

No entanto, o ex-presidente O’Neill escreveu em um artigo: “A razão pela qual o dólar continua a dominar o mundo é porque não há moeda que possa ser uma alternativa estratégica comparável ao dólar.” Muitos países não o fazem, por isso é difícil. O yuan ameaçará imediatamente o domínio do dólar”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *