Em nota de imprensa chegada à nossa redacção, a FECTRANS acusa a SCOTTURB de despedir trabalhadores com vínculos precários mas mantendo abertas candidaturas para admissão de motoristas.

Segundo o comunicado,  “Em particular nesta fase de pandemia, tal como aconteceu em muitas empresas do sector rodoviário de passageiros, a gerência da Scotturb despediu os trabalhadores com vínculos precários (contratos a prazo) embora mantenha abertas candidaturas para admissão de trabalhadores com a mesmas categoria dos que mandou embora – motorista de serviço público.

O mesmo comunicado adianta ainda que, “Esta situação torna claro que a empresa tem falta de motoristas, logo todos os que estavam ou estejam com contractos a prazo, estão a ocupar postos de trabalho logo permanentes, logo esses contractos são ilegais e os trabalhadores deviam e devem ter vínculos efectivos à empresa e, desde já, é obrigação legal dos donos da Scotturb readmitir os trabalhadores que despediu com o argumento do fim do contrato a prazo.