Cascais testa 5G em situações de emergência médica

Conforme informação da ANACOM a transição para o 5G só será possível em todo o país a partir de Julho de 2020, conforme a Decisão (UE) 2017/899 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de maio, em relação à utilização da faixa de frequências de 470-790 MHz. Apenas a partir dessa data é que a faixa poderá ser utilizada para sistemas terrestres capazes de fornecer serviços de comunicações eletrónicas sem fios em banda larga, onde se inclui o 5G.

Apesar das comunicações 5G, de velocidade ultra rápida, estarem frequentemente associadas à indústria do entretenimento (jogos), com o potencial de captar em tempo real imagens 4K, essas capacidades tem sido, igualmente, testadas em áreas como a prestação de serviços de saúde.

Em Cascais, no centro empresarial DNA Cascais, a Vodafone realizou uma demonstração aplicada a serviços de saúde  em parceria com a Altran Portugal.

Com o objetivo de mostrar as capacidades do 5G no auxílio a equipas médicas no terreno realizaram um teste com uma ambulância em situação de emergência.

A apresentação constou de uma simulação em que uma ambulância aguardava um pedido de assistência de um munícipe que se sentiu mal.

No centro de coordenação estava um médico da Cruz Vermelha com um computador que recebeu a chamada de urgência via videochamada. Os socorristas,no local, estavam equipados com um sistema de óculos de realidade aumentada Holo Lens, que transmitia as imagens e projetava a interface holográfica com os procedimentos em tempo real.

O médico, no centro de coordenação, consultava e enviava aos socorristas a ficha clínica do doente, com o historial clínico. Com esta nova tecnologia os socorristas e o médico podiam interagir conjuntamente apesar da separação fisíca graças aos óculos especiais que permitiam acompanhar as operações, o diagnóstico e os exercícios em tempo real.

No final o médico deu instruções de transporte do paciente para a ambulância e a marcação do serviço de neurologia, poupando tempo aos socorristas. O médico teve sempre acesso aos sinais vitais do paciente e da utilização dos instrumentos dentro da ambulância.

O evento foi batizado com o nome de Big Impact e pretendeu convergir várias áreas que podem aumentar a qualidade de vida das pessoas.

A apresentação do evento ficou a cargo de Marcos Espinheira, diretor de futuro da Câmara Municipal de Cascais.

Este evento surge na sequência do lançamento, por parte da Câmara Municipal de Cascais, do concurso BIG IMPACT, que convidava startups, universitários e empresas a desenvolver ideias tecnológicas que tivessem impacto no mundo e o melhore.

A Câmara de Cascais juntou-se a esta iniciativa com o objectivo de renovar o seu ecossistema através de uma economia circular.