Índice mundial de preços de alimentos cai pelo sexto mês consecutivo… Grãos sobem ligeiramente


De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, o índice de preços do leite ficou em 142,5 pontos em setembro, uma queda de 0,6% em relação ao mês anterior (143,4 pontos).  Foto = Diário Alimentar DB

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, o índice de preços do leite ficou em 142,5 pontos em setembro, uma queda de 0,6% em relação ao mês anterior (143,4 pontos). Foto = Diário Alimentar DB


O Índice Mundial de Preços de Alimentos situou-se em 136,3 pontos em setembro, 1,1% abaixo do mês anterior, marcando o sexto mês consecutivo de tendência de queda. No entanto, o índice de preços do grão aumentou 1,5% em relação ao mês anterior.


De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Índice Mundial de Preços de Alimentos ficou em 136,3 pontos em setembro, 1,1% abaixo dos 137,9 pontos do mês anterior, mantendo uma tendência de queda por seis meses consecutivos. (leite e açúcar) todos caíram.


O índice de preços dos grãos de setembro ficou em 147,8 pontos, alta de 1,5% (145,6 pontos) em relação a agosto. O clima seco na Argentina e nos Estados Unidos e a alta demanda na União Européia contribuíram para o aumento dos preços do trigo. Enquanto as ofertas dos Estados Unidos e da União Europeia deveriam permanecer fracas, os preços do milho permaneceram estáveis ​​devido à força do dólar americano. Os preços do arroz em Indica aumentaram principalmente devido à política de restrições à exportação da Índia e aos impactos das inundações no Paquistão, mas o aumento foi moderado devido à fraca demanda.


Os preços do petróleo e da gordura caíram 6,6% para 152,6 pontos em relação ao mês anterior (163,3 pontos). Os preços do óleo de palma continuaram a cair devido ao aumento dos estoques e ao aumento da produção no Sudeste Asiático devido a fatores sazonais. Os preços do óleo de semente de girassol caíram com o aumento das exportações para a região do Mar Negro e a demanda de importação contida, enquanto os preços do óleo de colza caíram nas expectativas de que a produção seria suficiente.


A carne caiu 0,5% para 121,4 pontos em relação ao mês anterior (122,0 pontos), enquanto os preços da carne bovina diminuíram com a expansão do volume de exportação do Brasil e os abates de gado em alguns países produtores. Apesar de um declínio na oferta de exportação devido a um surto de gripe aviária nos principais países, os preços das aves caíram devido à fraca demanda de importação, enquanto os preços da carne suína continuaram a subir devido à escassez de suprimentos para abate na UE.



Os produtos lácteos caíram 0,6% para 142,5 pontos em relação ao mês anterior (143,4 pontos), e os preços gerais de todos os produtos lácteos caíram devido a um euro mais fraco em relação ao dólar americano. Além disso, preocupações com a incerteza do mercado devido à menor produção de leite na Europa, custos de energia, escassez de mão de obra e a perspectiva de crescimento econômico global mais lento contribuíram para a queda nos preços do leite.


O açúcar caiu 0,7% para 109,7 pontos em relação ao mês anterior (110,5 pontos). A desvalorização do real brasileiro em relação ao dólar norte-americano afetou os preços e aumentou as exportações de açúcar. No entanto, o preço não caiu devido à escassez global de oferta de açúcar.


☞ Do Naver Banca Revista de comida Notícias de comidaencontrar Registro Clique em

Envie artigos nas redes sociais















READ  [국제칼럼] Um 'esquema de parceria público-privada' é desejável na educação?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.