O Irã prende o pai de Amini depois que ele provocou protestos no primeiro aniversário dos protestos do hijab

Prazo de entrega16/09/2023 23:15

Monumento Mahsa Amini

[EPA 연합뉴스 자료사진]

(Cairo = Yonhap News) Repórter Kim Sang Hoon = Para comemorar o primeiro aniversário dos protestos do hijab, as autoridades de segurança iranianas geraram polêmica ao prender o pai de uma mulher que morreu em circunstâncias misteriosas enquanto estava detida e desencadeou os protestos.

A mídia estrangeira, incluindo a Reuters, noticiou no dia 16 (hora local), citando a Rede Curda para os Direitos Humanos, que as forças de segurança iranianas prenderam o pai de Mahsa Amini, que morreu em circunstâncias misteriosas após ser preso há um ano por não usar o hijab apropriadamente.

As redes sociais do grupo de direitos humanos publicaram notícias de que forças militares foram enviadas para a casa do pai de Amini em Sikhiz, no oeste do Irão.

O pai de Amini, que foi preso por tentar comemorar a morte da sua primeira filha, foi posteriormente libertado, mas as autoridades alertaram-no contra a realização de uma cerimónia.

No entanto, a mídia estatal iraniana, incluindo a agência de notícias IRNA, negou a prisão do pai de Amini, Amjad Amini, e não disse se ele havia recebido um aviso antes de sua libertação.

O pai de Amini anunciou há uma semana que celebraria o primeiro aniversário da filha de forma tradicional e religiosa, apesar do aviso do governo.

Neste dia, as autoridades iranianas mobilizaram grandes forças policiais e militares em áreas onde vivem muitos curdos para evitar a recorrência dos protestos.

No entanto, de acordo com vídeos distribuídos nas redes sociais, apesar destas medidas de segurança reforçadas, ocorreram protestos antigovernamentais em Gohardasht, perto de Karaj, a oeste da capital Teerão, e em Mashhad, no norte.

READ  Biden: "A Rússia deve ser expulsa do G-20. Se usarmos armas químicas, responderemos".

No vídeo, os manifestantes gritavam: “Somos um grande país e vamos recuperar o Irão”, e os veículos buzinavam.

No entanto, a autenticidade do vídeo não foi confirmada.

Em conexão com isto, a mídia estatal iraniana informou que as autoridades frustraram tentativas de causar distúrbios perto de locais de protesto ilegais, e “figuras anti-revolucionárias” e “terroristas” foram presas em várias cidades.

Em 13 de setembro do ano passado, a patrulha Gashti Ershird, no centro de Teerã, prendeu Amini, um curdo iraniano que tinha 22 anos na época, por não usar o hijab adequadamente.

A razão é que aparece muito cabelo sob o véu. A Patrulha de Orientação é uma organização que toma medidas rigorosas contra atos que violam a lei islâmica.

Amini desmaiou repentinamente durante interrogatório na delegacia e foi levado ao hospital, mas morreu três dias depois, no dia 16 deste mês.

A família enlutada alegou que a tortura policial foi a causa da morte, observando que havia marcas de espancamento na cabeça e nos membros de Amini, mas a polícia esclareceu que nenhuma violência foi usada durante a investigação e que a doença subjacente de Amini foi presumida como a causa de morte. morte.

Por todo o Irão, as manifestações antigovernamentais que protestavam contra a misteriosa morte de Amini e exigiam uma investigação sobre a verdade espalharam-se como um incêndio.

Os manifestantes queimaram fotos do líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, e gritavam “Morte ao ditador”.

As mulheres que participaram nos protestos tiraram os lenços pretos, queimaram-nos e cortaram os cabelos.

De acordo com grupos de direitos humanos, mais de 500 pessoas, incluindo 71 menores, foram mortas durante os protestos, numa sangrenta repressão lançada pelas forças de segurança, e centenas de outras ficaram feridas.

READ  O colapso da ponte da Crimeia é um golpe real e simbólico para Putin.

Também é relatado que as autoridades prenderam mais de 20.000 pessoas.

Entretanto, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse no dia anterior: “A história de Mahsa não terminou com a sua morte brutal. Ela inspirou um movimento histórico pelas mulheres, pela vida e pela liberdade, que impactou as pessoas não só no Irão, mas em todo o mundo”.

meolakim@yna.co.kr

Relatório via KakaoTalk okjebo

Reprodução e redistribuição proibida>
16/09/2023 23:15 Enviado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *