A Câmara Municipal de Cascais contabilizou 204 máquinas de venda automática de máscaras cirúrgicas vandalizadas desde maio, representando um prejuízo na ordem dos 200 mil euros, revelou hoje à agência Lusa a autarquia.

“Foram vandalizados 204 dispensadores e os atos de vandalismo começaram logo após a colocação dos mesmos, agravando-se nas últimas três semanas”, realçou o município.

Cascais Máquinas Vandalizadas

 

Em maio, a Câmara de Cascais (distrito de Lisboa) instalou 400 máquinas de venda com pacotes de quatro máscaras a um euro.

“Vamos instalar 400 dispensadores de máscaras, máquinas de ‘vending’ que estarão espalhadas por todo o território do município”, disse então o presidente do município, Carlos Carreiras (PSD).

De acordo com a autarquia, trata-se de “vandalismo puro”, uma vez que o município tem distribuição gratuita de máscaras para quem se encontra em dificuldades económicas ou em situação de desemprego.

“São atos que nos envergonham, enquanto comunidade, perpetrados por delinquentes que debilitam o combate à pandemia que está a ser feito por todos os cascalenses, e que subtraem recursos a quem mais deles precisam”, apontou.

Deparando-se também com roubos nos dispensadores, a Câmara de Cascais não quis identificar os locais onde mais se verificam os atos de vandalismo.

“Temos um problema enquanto comunidade e é enquanto comunidade que o vamos resolver. Não lançaremos anátemas e preconceitos sobre bairros ou freguesias de Cascais”, sustentou.

A autarquia acrescentou que a empresa municipal Cascais Próxima – gestora dos dispensadores – está a colocar o aviso “Por motivos de vandalismo este equipamento está fora de serviço” nas máquinas danificadas enquanto não são substituídas ou reparadas.