Deputada municipal Sandra Marques desfilia-se do PAN 

Em nota enviada à nossa redação a deputada municipal e líder de bancada do PAN, Sandra Marques, desfilia-se do partido e renúncia ao mandato.

A deputada municipal justifica a sua saída por divergências políticas decorrentes da crescente centralização dentro do PAN, da falta de estratégia municipal e de comunicação extremada.

Em comunicado, Sandra Marques, relembra que o PAN obteve em Cascais a votação mais alta nas últimas autárquicas 2017, com 4,56% de votos para a Câmara e 5,19% para a Assembleia Municipal. Este último resultado permitiu a eleição histórica de duas deputadas municipais.

“A crescente centralização da acção política do partido, sobretudo no que decorre da interligação com os eleitos municipais demonstra a falta de aposta nas bases do partido. Esta centralização vai contra um dos princípios base do PAN que se ancora na descentralização e no debate plural de ideias” afirma a ex-deputada municipal.

“Tendo sido líder de um mandato autárquico descentralizado, assente na construção de pontes entre a Esquerda e Direita, garantindo o cumprimento do programa eleitoral e demonstrando que é possível comunicar de modo assertivo sem violência a ex-deputada municipal do PAN em Cascais sai do partido por considerar que o mesmo se afasta dos seus princípios fundadores”, pode ler-se no comunicado.

Sandra Marques alega ainda a “crescente centralização dentro do partido, a falta de estratégia autárquica (que se resume a uma secretaria de apoio nacional), o fraco interesse em descentralizar o debate político tal como a falta de orientação política nacional, demonstrado pela crescente agressividade comunicacional do PAN, fazem com que tenha abdicado também de estar presente na Mesa da Comissão Política Nacional e como membro deste órgão interno”.

“Há mais de um ano que a Comissão Política Nacional tem adiado a criação de um regulamento para grupos de trabalho, por iniciativa dos filiados, dentro do partido. Algo que emanou do Congresso do PAN a 30 de março de 2019 e que até à data se encontra na gaveta” comenta.

A saída é também motivada pela crescente polarização e extremar da comunicação do PAN, algo que também vai contra os princípios basilares do partido, segundo a ex-autarca.

Esta que era uma das marcas distintivas do PAN fez com que saísse também da Mesa e da Comissão Política Nacional do partido. Esta divergência aliada à falta de dinâmica em descentralizar o debate e a acção política dentro do partido ditou o seu desvincular do PAN.

O comunicado termina com a informação que dos 27 deputados municipais eleitos em 2017, actualmente o PAN mantém apenas 24 lugares, sendo que 6 autarcas renunciaram e foram substituídos (Cascais, Almada, Loures, Amadora, Leiria e Sintra) e 3 tornaram-se não inscritos (ilha da Horta, Moita e Maia).

A ex-autarca, Sandra Marques, junta-se assim à posição do seu marido, o eurodeputado Francisco Guerreiro, que pediu hoje a sua demissão do PAN.

Foto: facebook da ex-autarca