Explorando a possibilidade de cultivo em solo carbonáceo de asteroides

Após o ‘rególito’, uma substância empoeirada e empoeirada que cobre a superfície lunar, os resultados da pesquisa sugerem que as plantações podem ser cultivadas em solo de asteróides condritos carbonáceos.

De acordo com o ScienceNews, um meio de comunicação científico, uma equipe de pesquisa liderada pela ecologista espacial Sherry Pfeffer-Bairr da Universidade de Dakota do Norte e pela American Astronomical Society (AAS) relatou os resultados do cultivo de plantas em solo modelado em condritos carbonáceos. No “Planetary Science Journal”, um jornal de acesso aberto para informações.





Cena de cultivo de plantas com diferentes combinações de solos de condritos carbonáceos + algas.

A equipe se concentrou em condritos carbonáceos porque eles provavelmente contêm água. Esses asteroides também são conhecidos por serem ricos nos três principais nutrientes necessários para o cultivo, como nitrogênio, ácido fosfórico e potássio.

A equipe de pesquisa misturou “algas” (algas) com solos simulados modelados em condritos carbonáceos em graus variados, usando alface romana (Latuca sativa), pimentas (pimentas) e rabanetes vermelhos (Ravanus). sativus). plantado. Todas essas plantas foram cultivadas com sucesso no ambiente de microgravidade da Estação Espacial Internacional (ISS).

As algas são uma matéria orgânica formada pela acumulação de restos de plantas aquáticas ou de zonas húmidas no solo, e são conhecidas pela sua excelente capacidade de retenção de água e aeração.

Como resultado, verificou-se que em solo simulado misturado com algas, todas as culturas cresceram embora existam diferenças de acordo com as culturas, mas em solo simulado sem algas apenas, as partículas do solo se acumulam e a água não pode ser conservada, portanto as plantas não podem crescer.





Arabidopsis thaliana de ‘Legolis’ cresceu em solo lunar.

A equipe de pesquisa planeja realizar um experimento para melhorar as propriedades físicas do solo, como algas, cultivando e cultivando “ervilhaca peluda”, uma cultura de adubo verde semelhante a videira da família das leguminosas, em solo que imita condrito carbonáceo, e depois inserindo o caule no solo. Se o experimento estiver correto, sementes de ervilhaca peludas, que pesam muito menos que as algas, podem ser usadas, o que pode dar a elas uma vantagem ao tentar plantar em outros asteroides.

Os resultados do estudo vêm logo após o anúncio do sucesso de pesquisadores do Instituto de Ciências Alimentares e Agrícolas da Universidade da Flórida (FU/IFAS) em germinar e cultivar sementes de thaliana jovens de lígulas trazidas da lua em maio.

Essas tentativas têm um significado importante porque abrem o caminho não apenas para garantir recursos alimentares diretamente no local da exploração espacial tripulada, mas também para garantir oxigênio usando a fotossíntese das plantas.

Equipe Científica press@jeonpa.co.kr

<مالك حقوق النشر © Radio Newspaper ، يحظر النسخ وإعادة التوزيع غير المصرح به>

READ  Splatoon 3, 12 Hours Eve e Batalha Tricolor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.