Regime talibã indefeso diante do terremoto, pede ajuda internacional


Crianças afegãs estão perto de uma casa destruída por um terremoto na vila de Spira, na província anfitriã do Afeganistão, no dia 22 (horário local). anfitrião | Agência de notícias Yonhap

Crescem as preocupações da comunidade internacional sobre a capacidade do regime talibã de responder ao terremoto no Afeganistão, que deve causar mais de 1.000 vítimas. Isso ocorre porque a capacidade do governo de responder a crises foi significativamente enfraquecida, pois até mesmo o povo do país deu as costas à guerra e à supressão dos direitos humanos. O Talibã está pedindo ajuda à comunidade internacional, mas as restrições de acesso e financiamento são um obstáculo.

De acordo com a Reuters, o número de mortos do terremoto é estimado em mais de 1.000 a partir de 22 (hora local). Danos não foram registrados em áreas montanhosas, e o número de vítimas deve aumentar, já que muitas pessoas estão desaparecidas sob os escombros. Danos materiais também são graves. “Parece que quase 2.000 casas foram destruídas”, disse Ramez Alakhwarov, Coordenador Residente das Nações Unidas para Assuntos Humanitários.

Alguns acreditam que a situação no Afeganistão, que se deteriorou durante o governo do Talibã, aumentará os danos. No Afeganistão, devido à guerra, seca e dificuldades econômicas, milhões de pessoas já sofriam de pobreza e fome antes do terremoto. Além disso, desde que o Talibã tomou o poder, profissionais como a equipe médica fugiram para o exterior, enfraquecendo a capacidade de resposta a crises. “Houve falta de muitas instalações médicas, e as instalações nas áreas afetadas em breve chegarão às suas fronteiras devido a este desastre”, disse MSF aos serviços de mídia social (SNS).

É um problema de operação instantânea de busca e salvamento. O Afeganistão, que é propenso a desastres naturais, tinha uma equipe de emergência para se preparar para isso, mas depois que o Talibã assumiu o poder, foi dito que restavam apenas alguns aviões e helicópteros. Sabe-se que algumas das equipes de resgate que chegaram ao local do dano não tinham equipamentos suficientes, então procuraram os destroços com as próprias mãos. Um morador disse à BBC: “Dois helicópteros vieram ajudar, mas não está claro o que eles poderiam fazer além de mover o corpo”.

READ  Europa: Global: Notícias: The Hankyoreh

O Talibã pede ajuda à comunidade internacional para superar a situação. A líder suprema Hepatula Akonjada, que não se mostrou bem no passado, pediu à comunidade internacional “não poupar esforços para ajudar as vítimas do Afeganistão”. Várias organizações internacionais de ajuda já fugiram do Afeganistão devido a preocupações de segurança depois que o Talibã recuperou o poder.

Não está claro se o acesso ao Afeganistão e às áreas afetadas seria tranquilo mesmo se a ajuda internacional começasse. A área afetada está localizada em uma área montanhosa com tráfego inconveniente, o que dificulta o acesso das equipes de resgate. O Aeroporto Internacional de Cabul, que deveria ser um corredor de mão de obra e equipamentos, não opera no nível do passado desde a guerra. Há também preocupações de segurança sobre atacar grupos terroristas.

Há também restrições na obtenção de fundos para restauração. Os Estados Unidos, que não reconhecem o Talibã como o governo oficial do Afeganistão, congelaram sua moeda estrangeira e ativos estrangeiros, e organizações internacionais bloquearam sua ajuda ao desenvolvimento afegão. O Ocidente também limitou sua ajuda humanitária ao Afeganistão à ajuda indireta por meio de organizações internacionais para evitar colocar dinheiro nas mãos do Talibã. As organizações de ajuda também relutam em enviar fundos diretamente para o Afeganistão.

A mídia estrangeira apontou que as atividades de socorro de emergência após o terremoto podem ser classificadas como ajuda humanitária e que cada país deve primeiro prestar assistência ao Afeganistão de acordo com o princípio da isenção de sanções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.